As eleições e a sustentabilidade

Caros Amigos,

Este espaço que venho compartilhando com meus seguidores foi criado num primeiro momento para trazer informações e conhecimentos sobre práticas empresariais e iniciativas sustentáveis.

O Blog é um espaço de opinião, onde procuro salientar pontos que acho relevantes nas esferas política, ambiental e social. Este ano, como é o primeiro ano do Blog frente as eleições resolvi apresentar neste espaço a plataforma política de alguns candidatos que têm se destacado por atuarem de maneira responsável em prol ao meio ambiente e a sustentabilidade.

O destaque dessa semana é sobre o candidato oficial do Partido Verde ao Governo de São Paulo: Fábio Feldmann. O candidato propõe uma agenda para o século XXI, com temas como nova economia, aquecimento global e desenvolvimento sustentável. Isso se torna muito importante num estado com mais de 40 milhões de habitantes e com o maior PIB brasileiro, em torno de US$ 460 bilhões.

Fabio Feldmann acredita que é necessário agir de forma preventiva em várias áreas, a exemplo de saúde e segurança pública. A educação é uma das maiores preocupações do Partido Verde, pois garante igualdade de oportunidades e prepara o capital humano do estado, requisito essencial em um mundo globalizado.

Para o candidato, mais que um gestor, o governador deve ser um líder capaz de promover transformações para fazer de São Paulo um estado preparado para os novos tempos. Em sua opinião, o São Paulo deve estar apto a desenvolver uma economia de baixa intensidade de carbono, bem como usar de modo sustentável seu patrimônio ambiental e seus ativos na área cultural. Nessa última, o PV propõe implementar uma política pública na esfera da Economia Criativa, isto é, promover uma sociedade em que a criatividade e os ativos intangíveis sejam valorizados e transformados em oportunidades econômicas.Além disso, acredita ser fundamental usar as melhores práticas de gestão para desenvolver ações conjuntas entre governo, empresariado e sociedade civil.
Quem é Fabio Feldmann

Fabio Feldmann, 55, é ambientalista, advogado e administrador de empresas. Década de 1970: Aos 19 anos, leu o relatório “Os Limites do Crescimento”, publicado pelo Clube de Roma, e se convenceu de que valia a pena lutar pelo meio ambiente. Concluiu o curso de administração de empresas na FGV e o curso de direito na USP. Participou do movimento contra a instalação de usinas nucleares na Jureia, do movimento contra a construção de um aeroporto internacional em Caucaia do Alto (ele seria construído em Guarulhos), da Associação Paulista de Proteção à Natureza, do movimento contra a poluição provocada pela Siderúrgica Aliperti.
Década de 1980: Com amigos, fundou a Oikos – União dos Defensores da Terra, “uma espécie de Greenpeace”. Ajudou a fundar a Associação das Vítimas de Poluição e das Más Condições de Vida em Cubatão, e trabalhou como advogado da associação. Participou da fundação da ONG SOS Mata Atlântica, da qual foi o primeiro presidente. Se elegeu deputado federal constituinte pelo PMDB. Participou da fundação do PSDB.
Década de 1990: Se reelegeu deputado federal pelo PSDB (1990). Se candidatou à prefeitura da cidade de São Paulo pelo PSDB. Se reelegeu deputado federal pelo PSDB (1994). Assumiu o cargo de secretário estadual do meio ambiente do governo Mário Covas. De 1995 a 1998, trabalhou numa agenda inovadora para São Paulo, que contemplava temas discutidos na Conferência do Rio, como resíduos sólidos, biodiversidade, transporte sustentável. A iniciativa mais conhecida foi a de restringir a circulação de veículos na região metropolitana de São Paulo, o famoso Rodízio. Mário Covas lhe avisou: “Se você insistir nesse projeto agora, vai perder as eleições.” Em 1995, Fabio Feldmann pôs o rodízio em funcionamento, se candidatou a deputado federal pela quarta vez em 1998, e perdeu as eleições. Hoje, a cidade de São Paulo não vive sem o Rodízio, que se encontra aceito e reconhecido pelos paulistanos.

Produção como homem público — Fabio Feldmann foi o autor e/ou relator de muitas iniciativas legislativas. Foi um dos responsáveis pelo capítulo sobre meio ambiente da Constituição, que impõe ao poder público o dever de garantir aos brasileiros um “meio ambiente ecologicamente equilibrado”. A Constituição depois lhe deu autoridade para, por meio de leis, obrigar o poder público a proteger a mata atlântica, proteger as águas brasileiras, tratar o lixo com maior cuidado, garantir a concorrência entre empresas, proteger o consumidor, reduzir a poluição, proteger a biodiversidade. No Brasil, há impressões digitais de Fabio Feldmann em quase todas as iniciativas de desenvolvimento sustentável e de proteção ao meio ambiente. Grande parte da legislação ambiental brasileira é de autoria ou da relatoria de Fabio Feldmann, sendo que, algumas de suas iniciativas ainda tramitam no Congresso Nacional.

Reconhecimento global da sociedade civil — Fabio Feldmann foi membro do board do Greenpeace, do board da Global Reporting Iniciative (GRI), ajudou a fundar o Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas e o Fórum Paulista de Mudanças Climáticas e de Biodiversidade, ajudou a montar o Índice de Sustentabilidade Empresarial da Bovespa. Feldmann ganhou o Prêmio Global 500 das Nações Unidas, em reconhecimento pelo seu empenho em preservar o meio ambiente, e foi um dos poucos brasileiros citado no famoso relatório Brundtland, “Nosso Futuro Comum”, no qual, pela primeira vez, a ONU define o que é desenvolvimento sustentável.

Um parlamentar sem mandato — Mesmo estando há 12 anos sem mandato, Fabio Feldmann às vezes viaja a Brasília para cuidar pessoalmente de seus projetos de lei, como fez há dois meses para conversar com Michel Temer (presidente da Câmara dos Deputados) e pedir que o projeto de lei 4.841 fosse recolocado na pauta. Esse projeto cria a embalagem especial de proteção à criança (no caso de remédios, produtos de limpeza), mas tinha sido arquivado ilegalmente. Michel Temer recolocou o projeto em pauta.
Tem atuado na elaboração de importantes legislações sobre mudança do clima, a exemplo da Política Estadual de Mudanças Climáticas de São Paulo, reconhecidamente um marco fundamental na estratégia de combate ao aquecimento global no Brasil. Também participou da elaboração da Política Nacional de Mudança do Clima, sancionada em dezembro passado.
Foi um dos principais articuladores do movimento da sociedade civil contra a comercialização do diesel sujo pela Petrobrás, conseguindo importante vitória junto ao Conar e à Bovespa, no sentido de pressionar a estatal brasileira a cumprir a lei.

Eventos nos quais representou o Brasil — Fabio Feldmann tem sido um dos principais integrantes das delegações brasileiras nas negociações de mudança climática e da biodiversidade nas Nações Unidas. É reconhecido como um dos “embaixadores “do Brasil em matéria de mudança do clima.