Marcado como: educação Ativar/desativar aninhamento de comentários | Atalhos do Teclado

  • 17 mar

    Município paulista ensina Libras a todos os alunos para promover inclusão 

    Projeto desenvolvido pela Secretaria Municipal de Educação de Olímpia vai além de oferecer intérpretes para alunos surdos sinalizantes em nome da integração entre todos os estudantes

    Promover uma inclusão eficaz dos alunos com deficiência é um dos desafios da escola que o Brasil vem construindo ao longo dos últimos anos. Embora muitos avanços tenham vindo na esteira da Lei Brasileira de Inclusão, sancionada em 2015, ainda resta um longo caminho até que esses estudantes estejam realmente integrados ao ensino regular. Passo a passo, esse caminho vai ganhando trilhas importantes. É o caso de Olímpia, município do interior paulista com população estimada em pouco mais de 55 mil pessoas, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    Em 2017, a Secretaria Municipal de Educação entendeu que apenas matricular crianças surdas em classes regulares não era o bastante para promover a inclusão e integração desses alunos com os colegas e professores. Até aquele ano, os estudantes surdos sinalizantes – ou seja, aqueles que utilizam a Língua Brasileira de Sinais (Libras) para se comunicar – tinham o acompanhamento de intérpretes durante as aulas. Dessa forma, eles podiam compreender os conteúdos que estavam sendo ensinados e também fazer perguntas quando tinham alguma dúvida. Mas como resolver a solidão que essas crianças poderiam sentir fora da classe, naqueles momentos antes do início das aulas ou nos intervalos, quando elas estavam acompanhadas unicamente de seus colegas falantes do Português, que não sabiam se comunicar em Libras?

    As reflexões sobre esse problema levaram à criação do projeto Libras na Escola, uma tentativa de ir além das obrigações estabelecidas em lei e integrar, de fato, estudantes surdos e não surdos. Desde então, todos os alunos de turmas regulares que tenham colegas surdos recebem, gratuitamente, aulas de Libras. A coordenadora da Educação Especial Inclusiva, da Secretaria de Educação, Marcela Rúbia Nespolo Aniceto, explica que o objetivo é garantir que haja uma interação e uma comunicação real entre as crianças surdas e as ouvintes, de modo que elas possam desenvolver laços e se tornar parceiras não só dentro da sala de aula, mas em outros espaços fora do ambiente escolar.

    Segundo ela, a experiência do Libras na Escola é transformadora para os alunos surdos. “As crianças que compartilham desse processo se sentem valorizadas e se desenvolvem com muito mais segurança e com uma autoestima elevada”, conta. Mas os benefícios são sentidos também entre os demais estudantes e até mesmo a equipe escolar. “É uma troca enriquecedora, que contribui para o desenvolvimento da escola como um todo”, avalia.

    A inclusão de alunos com deficiência nas escolas de Educação Básica brasileiras tem sido um desafio para as instituições de ensino e os educadores, assim como, em alguns casos, torna-se um drama para as famílias desses estudantes. “Essa integração deve receber a devida atenção no âmbito das políticas públicas, até mesmo na formação dos professores. Dar protagonismo à criança surda passa por entender que Libras é a sua primeira língua. É fundamental que a escola conheça suas crianças, as respeite e promova o respeito às diferenças e Olímpia é exemplo disso”, afirma Pedro Lino, supervisor pedagógico da Área Pública da Editora Aprende Brasil, responsável pelo Sistema de Ensino Aprende Brasil, que atende mais de 17 mil escolas em mais de 200 municípios brasileiros. “É preciso entender a inclusão como uma ação de responsabilidade coletiva”, destaca.

    Inclusão passa por ensino bilíngue

    Na visão da pedagoga, com habilitação em Educação Especial, Daniele Silva Rocha, iniciativas como a de Olímpia são fundamentais para que a Educação Básica no Brasil permita, de fato, experiências de integração social para todos os estudantes. Para ela, que também é surda sinalizante, é preciso criar escolas bilíngues, com foco no aluno surdo, porque esses alunos não são apenas laudos. “Eles chegam à sala de aula sem saber falar o Português, enquanto os colegas não sabem falar Libras. Então, é preciso que, pelo menos, os professores sejam fluentes nas duas línguas”, sugere. Daniele defende que projetos como o Libras na Escola precisam ser mais difundidos em todos os municípios e níveis de ensino. Atualmente, programas como esse ainda são a exceção, o que obriga muitos educadores a buscarem alternativas próprias para promover uma maior equidade no ensino para essas crianças.

    É o caso da professora Doani Emanuela Bertan, idealizadora do canal Sala 8, no Youtube, e uma das finalistas do Global Teacher Prize 2020, o principal prêmio para professores do mundo. Atuando como professora bilíngue em sala de aula, Doani teve a ideia de criar o canal para apresentar conteúdos de Português e Matemática em Libras. “A gente tem a ilusão de que dividir o mesmo espaço físico é incluir. Mas o que faz a inclusão acontecer, na realidade, são as interações, as trocas, uma língua em comum. Quando se trata da escola e de tudo o que acontece nesse espaço, isso se torna ainda mais relevante. A língua natural do estudante surdo é a Libras. Ele ainda está construindo o Português. Mas o material escolar que ele recebe está apenas em Português. Se o material fosse realmente inclusivo, ele viria na língua do meu aluno, que é a Libras. Por isso, eu resolvi fazer esse material”, relata.

    Daniele e Doani falam mais sobre a importância de promover a inclusão real de alunos surdos no 20º episódio do podcast PodAprender, cujo tema é “Educação bilíngue para surdos”. O programa pode ser ouvido no site do Sistema de Ensino Aprende Brasil (sistemaaprendebrasil.com.br), nas plataformas Spotify, Deezer, Apple Podcasts, Google Podcasts e nos principais agregadores de podcasts disponíveis no Brasil.

    centralpress@centralpress.com.br
    http://www.centralpress.com.br

     
  • 28 maio

    Ciclos 2019 – Evolução tecnológica demanda uma nova educação no século 21 

    Palestra de antropólogo apaixonado por tecnologia apresenta impactos da revolucionária transformação digital na história humana no século 21
    A velocidade da evolução das tecnologias exponenciais é tamanha que o cérebro humano é incapaz de acompanhar. Segundo a Lei de Gordon E. Moore, a capacidade de processamento de dados dobra a cada 18-24 meses. Significa que 30 passos exponenciais do desenvolvimento tecnológico atual equivalem a 26 voltas em torno da terra. Este cálculo demonstra o tamanho da revolução que estamos vivendo, no presente, e como deverá se tornar a vida humana, nas próximas décadas do século 21.  Graças à transformação digital, ocorrida nos últimos anos, que colocou smartphones nas mãos de milhões de seres humanos com dezenas de aplicativos, monitorados por algoritmos que agrupam pessoas por pensamentos, atitudes e desejos de consumo semelhantes, e ao potencial ilimitado de processamento e armazenamento do Big Data, é inimaginável as novidades que ainda estão porvir.A vida humana vai mudar para sempre, assim como aconteceu em outras épocas revolucionárias. É certo que a tecnologia pode ajudar a humanidade a resolver grandes desafios sociais, ambientais, entre outros, que antes não foram solucionados, mas há sempre que lembrar que ela também pode ajudar a gerar resultados nem sempre benéficos. Tudo dependerá do propósito de quem está por trás das tecnologias.Estas são algumas observações e alertas que Francisco Barreto Araujo, antropólogo apaixonado por tecnologia, líder da Impacto e guest speaker da Singularity University fez em sua palestra ‘Tecnologias exponenciais e a educação do século 21’ no Congresso Internacional de Sustentabilidade, que está sendo realizado pelo Sebrae em Cuiabá (MT).A formação do palestrante é diversificada, com mestrado em negócios, políticas públicas em Harvard, tecnologias com impacto ambiental na Singularity University no campus da Nasa, entre outras especialidades, experiências e vivências em comunidades indígenas, favelas do Rio de Janeiro, etcEle é líder da Impacto, uma rede que promove impacto social e também ensina como fazer impacto social. Para mostrar o quanto a tecnologia já pode ajudar as pessoas a se conhecerem mais, mostrou o resultado do mapeamento de seu DNA, que pode ser feito por apenas US$90, fora do Brasil. “ É simples, você cospe num kit, que joga num site e aparece o seu DNA mapeado. Desse modo podemos saber como o filho da gente pode vir a nascer, com quais possiblidades de doenças, etc Esta tecnologia já existe e está acessível”, informou entusiasmado. Outra educaçãoComo educar, hoje, para não ficar para trás? O ritmo do avanço tecnológico possui um enorme potencial de excluir pessoas da nova economia, que está surgindo.  Se os sistemas educacionais não se adaptarem à revolução das tecnologias exponenciais, no ano de 2050,  uma em cada 3 pessoas será excluída, segundo o palestrante.“Gente que não teve acesso ou gente que não quis acompanhar a revolução tecnológica vai ficar de fora. Antes a natureza mudava devagar, a cultura a governança, infraestrutura comercio e moda. Hoje, a tecnologia  muda organismos”, comparou.Em 2023, um PC (Personal Computer) de US$ 1 mil dólares terá a mesma capacidade de processamento de um cérebro humano.  Em 2050, terá a capacidade computacional de todos os cérebros humanos juntos. Da pra pensar na educação pra viver esta curva?, Francisco desafiou a plateia.“A sua vida está sendo devorada pelos dados”, disparou. A revolução tecnológica transformou o mundo: de escala e escopo para rapidez e fluidez; da previsibilidade para agilidade; da rigidez e limites para limites fluidos; do comando e controle para empoderamento criativo; de reação e aversão a riscos para intraempreendedorismo; de intenção e estratégia para propósito; de vantagem competitiva para vantagem comparativa; de dados e análise para síntese de Big Data.“Estamos vivendo a possiblidade de ver a transformação do planeta feita por grupos, como nunca aconteceu antes”, afirmou Francisco.  “Podemos gerar impactos que antes não tínhamos. As empresas estão surgindo amontoadas. Como viver neste mundo nesta velocidade? Com nanotecnologia, inteligência artificial, robótica, entre outras coisas mais?”, acrescentou.Sempre vivemos curvas de tecnologia. Elas geralmente ocorrem em ciclos de 40 a 60 anos. Ele apresentou uma linha do tempo mostrando a  primeira guerra, segunda guerra e a guerra do Vietnam.  Por que? Porque tem que ter crise para que a novidade surja (novas tecnologias).  Quarenta anos é o tempo laboral de uma geração, argumentou.Sempre falta imaginação no modelo de educação da geração anterior para o mundo que vem depois. Como a Kodak não viu e não temeu o surgimento da foto digital, exemplificou.O que é mais importante as primeiras cidades na Suméria ou as smart cities de hoje, com tudo conectado, sem bancos, a rede afiançando as trocas, indústria em cada esquina com robôs produzindo de tudo, sem precisar produzir na China?, perguntou. No entanto, em cada um desses momentos de transformação radical dos rumos da história da humanidade, teve alguém que não pegou a onda e ficou para trás, alertou.No entanto, lembrou, que o grande motivador da revolução tecnológica são as pessoas.  As opções de compra e trabalho ditam os novos modelos de negócio, que só vão funcionar se atenderem as necessidades e desejos das pessoas. “ A gente está controlando esta mudança de algum jeito”, afirmou.Hoje está assim: pessoas, tecnologias e negócios. Por este motivo, o propósito é que move o desenvolvimento de novas tecnologias e os novos modelos de negócios. “ O Facebook só foi  monetizado tempos depois. Esta inversão é radical. As pessoas estão no centro”, enfatizou.A receita para a educação da nova era se baseia no ‘faz, aprende e mede”, no autodidatismo.  Temos de ser educados para aprender o tempo todo, sem medo de errar e correr riscos. É o contrário da educação da geração anterior, que procurava ter uma carreira profissional linear para ficar na zona de conforto, sem correr riscos.Ninguém nasce sabendo tudo. “Growth mindset” (mentalidade de crescimento) é a expressão em inglês, que significa que as pessoas podem aprender, ser treinadas e desenvolver conhecimentos em diversas áreas, por caminhos próprios, correndo riscos, errando para acertar.Há empresas que já entenderam este conceito e estão criando espaços para funcionários tentarem o que nunca foi feito, cocriarem, se desafiando, podendo aprender novos caminhos, errando e recomeçando até chegarem ao que querem alcançar.“Precisamos de aprender a aprender e psicologia de alta performance, cruciais para educação que vem aí”, enfatizou Francisco.
    Assessoria de imprensa Centro Sebrae de Sustentabilidade/ Vanessa Brito 
     
  • 1 ago

    Vivian Blaso estará no Diálogos Gigantes para analisar 30 anos da “Constituição Cidadã” 

    Evento reúne debatedores no dia 02 de agosto de 2018 para analisar 30 anos da “Constituição Cidadã”

    A Constituição de 1988 completa 30 anos em outubro. Mas o que mudou desde então e quais foram as contribuições para a evolução da cidadania no Brasil? Para estimular a reflexão sobre os avanços e retrocessos do período, o Instituto NET Claro Embratel promove um novo Diálogos Gigantes com o tema “A Constituição de 88 e a ação democrática direta”.

    O evento acontece dia 2/8, das 8h às 15h, em parceria com o Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (Ipusp). A participação pode ser garantida presencialmente na plateia do Auditório Carolina Bori do Ipusp, em São Paulo (SP), pelo formulário de inscrição. Também, pode ser acompanhado por transmissão ao vivo na página do Instituto NET Claro Embratel no Facebook ou pelo YouTube do Ipusp.

    Serão três mesas de debates com o objetivo de discutir a chamada Constituição Cidadã dividida por temáticas: educação e cultura; meio ambiente e indígenas; e saúde e direitos trabalhistas (veja abaixo a programação completa). A mediação fica por conta do mestre em Comunicação e produtor de conteúdos de educação e cidadania Marcelo Abud.

    Os debates serão gravados e vão fazer parte da série especial de podcasts “A Constituição Cidadã e os dias de hoje”, com previsão de lançamento em setembro no portal do Instituto NET Claro Embratel.
    Confira mais informações na página do evento.

    Serviço

    Evento: A Constituição de 88 e a ação democrática direta
    Quando: 2 de agosto de 2018, das 8h às 15h
    Onde: Auditório Carolina Bori, Bloco G, Instituto de Psicologia da USP (Avenida Prof. Mello Moraes 1721, Cidade Universitária, São Paulo-SP)
    Parceria: Instituto NET Claro Embratel e Instituto de Psicologia da USP
    Inscrição para o presencial

    Programação

    8h – Mesa “Meio Ambiente e Indígenas”. Participam da conversa, Vivian Blaso, doutora em Ciências Sociais (Antropologia) pela PUC-SP; Sergio Leitão, advogado, fundador e diretor executivo do Instituto Escolhas; João Paulo Capobianco, biólogo e ambientalista.

    9h30 – Mesa “Educação e Cultura”. Estarão presentes Daniel Cara, educador, cientista político e coordenador geral licenciado da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, e Lisete Arelaro, doutora em Educação pela USP.

    11h – Mesa “Saúde e direitos trabalhistas”. Para discutir o tema, os convidados Christian Dunker, coordenador do Instituto de Psicologia da USP; Márcio Pochmann, doutor em Ciência Econômica pela Unicamp e Magda Biavaschi, doutora em Economia Aplicada (Economia Social do Trabalho) pela Unicamp.

    13h30 – Debate “Ação democrática direta”, promovido pelo Ipusp. As convidadas são Claudia Visoni, jornalista e militante de agricultura urbana, além de Maria Aparecida de Andrade Moreira Machado, pró-reitora de cultura e extensão da USP. Organizador: Christian Dunker.

     
  • 15 out

    EDUCAÇÃO PARA SUSTENTABILIDADE: UMA QUESTÃO FUNDAMENTAL? 

     
c
Compor novo post
j
Próximo post/próximo comentário
k
Post anterior/comentário anterior
r
Responder
e
Editar
o
Mostrar/Ocultar Comentários
t
Ir para o Topo
l
Ir para o login
h
Mostrar / Esconder ajuda
shift + esc
Cancelar