Marcado como: cidades em tempos sombrios barbarie ou civilização Ativar/desativar aninhamento de comentários | Atalhos do Teclado

  • 28 fev

    Das Cidades Inteligentes às Cidades Afetivas 

    POR MARIANA ARRUDAS · 12/02/2020

    Dia 16 de abril, na Arena Santander, acontecerá o evento “Das Cidades Inteligente às Cidades Afetivas”. As inscrições podem ser realizadas neste link.

    As Cidades Inteligentes nos abrem inúmeras possibilidades, uma delas são os indicadores utilizados para avaliar e monitorar situações que possam ser transformadas visando melhores resultados que auxiliam tanto a vida dos gestores públicos como as de seus usuários que intencionam uma vida mais sustentável. Cidades Afetivas se apresentam como um caminho híbrido na direção das tendências para o futuro da vida em comum que intencionam devolver às cidades o local da festa e do acontecimento. Cidades Afetivas abrem espaços para a convivialidade. Os coletivos que incentivam as práticas comunitárias como; a caminhabilidade e as hortas urbanas,  não são fenômenos isolados, eles se complementam e se retroalimentam  ao intencionarem uma vida na direção do bem viver incluindo os direitos de todos os seres viventes e existentes no planeta como os rios, as nascentes, os animais. Das Cidades Inteligentes às Cidades Afetivas propõem uma reflexão colaborativa a respeito de qual futuro queremos construir frente aos desafios do século XXI.

    Palestrante Vivian Blaso

    Relações Públicas. Doutora em Ciências Sociais pela PUC-SP. Pesquisadora no Pós Doutorado em Cidades Globais no IEA USP, Professora na FAAP, Palestrante, Coach, Autora do livro Cidades em Tempos Sombrios. Barbárie ou Civilização, Sócia na Conversa Sustentável. Apaixonada pelas cidades e seus movimentos. Ativista da  sustentabilidade,  dedica-se à educação, convivialismo e ao bem viver. Artista. Linha de Pesquisa: Diversidades Culturais e Pensamento Complexo

    SERVIÇO
    Arena Santander USP
    Av. Prof Luciano Gualberto, 730 (Praça dos Bancos)
    Evento Aberto e Gratuito
    Emitimos certificado

    Tags: Arena Santanderevento

     
  • 6 out

    Cidades Resilientes Inovação e Inclusão 2019 

    Convidamos vocês a participar do CIDADES RESILIENTES: INOVAÇÃO E INCLUSÃO da Abraps dia 25 de outubro na Rua Marquês de Paranaguá, 111 – Consolação – Campus da Faculdade de Ciências Exatas e Tecnologia da PUC/SP

    É o espaço que a entidade reserva para falarmos de temas inovadores que tangenciam a sustentabilidade.

    Em 2018 falamos sobre os resultados do Habitat III – Moradia e Desenvolvimento Urbano Sustentável e temas como a igualdade de oportunidades para todos; o fim da discriminação; a importância das cidades mais limpas; a redução das emissões de carbono; o respeito pleno aos direitos dos refugiados e migrantes; a implementação de melhores iniciativas verdes e de conectividade, e construção de indicadores para cidades inteligentes e sustentáveis, onde abordamos a metodologia MACITI – Metodologia de Avaliação de Cidades e Territórios Inteligentes é formada por 108 indicadores agrupados em seis macrotemas com ênfase

    Em 2019 vamos alinhavar os temas de Cidades afetivas, uma via ecológica para o bem-viver; Economia Circular e os ODS, mais especificamente o ODS 12 Consumo e produção responsáveis no âmbito das cidades , Waste Management for Smart Cities;, gestão inteligente de resíduos em cidades e territórios; Saneamento e Recursos Hídricos no meio urbano novas tecnologias e desafios e Inclusão dos 50+ no mercado de trabalho das cidades inovadoras e resilientes

    FORMATO: Roda de Conversa com especialista na área de Cidades Inteligentes e Sustentáveis

    Facilitadores

    Vivian Blaso – Graduação em Comunicação Social – Habilitação Relações Públicas , Mestrado e Doutorado em Ciências Sociais; Experiência na área de Comunicação, com ênfase em Relações Públicas e Propaganda, atuando nos seguintes temas: consumo e sustentabilidade, responsabilidade social empresarial, tendências, governança corporativa, advocacy, relacionamento com a comunidade e terceiro setor, consumo responsável, comunicação, cidades, antropologia urbana, ativismos e coletivos; Membro da Comissão Estadual de São Paulo para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Coordenadora do GT Advocacy na Abraps – Associação Brasileira de Profissionais pelo Desenvolvimento Sustentável.
    Autora do livro: Cidades em Tempos Sombrios. Barbárie ou Civilização lançado pela Paco Editorial em 2017. Idealizadora e pesquisadora no Cidades Afetivas: observatório das manifestações afetivas nas cidades, tendências de consumo, comportamento do consumidor e movimentos ligados aos ativismos e os coletivos urbanos; Pesquisadora no Complexus Núcleo de Estudos da Complexidade da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo: Linha de Pesquisa: Diversidades Culturais e Pensamento Complexo. Pesquisas em andamento: Cidades Afetivas: Uma via Ecológica para o Bem Viver; Linguagens comunicacionais no espaço urbano: Projeto de análise das influências da regulação publicitária como ampliação de competências pedagógicas nos bacharelados em comunicação; Muralismo e pixação na cidade de São Paulo: novas perspectivas e análises das inscrições visuais urbanas; Professora Titular na Fundação Armando Álvares Penteado. Artista e empreendedora. Sócia Diretora na Conversa Sustentável que vem se destacando por sua atuação e expertise nos estudos de tendências no mercado da comunicação e estratégias para sustentabilidade.

    Ricardo Oliani – Consultor, especialista em Sustentabilidade, Marketing Ambiental, Jogos & Dinâmicas, Atuou durante 7 anos na liderança de projetos de mobilização social do Instituto Akatu na área de Sustentabilidade, Consumo Consciente e o Poder Transformador do Consumidor e atua há mais de 20 anos na criação e aplicação de Jogos e Dinâmicas nos mais variados temas, transformando conteúdos em ferramentas lúdicas e participativas que facilitam a interação do conhecimento com a prática e a integração dos participantes entre si e com os temas que estão sendo trabalhados.É fundador e atual Conselheiro da Abraps – Associação Brasileira dos Profissionais de Sustentabilidade

    Francisco Luiz Biazini Filho – Sócio da REDERESÍDUOS é Doutor em Ciências pela USP – Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares com o Título: RESPONSABILIDADE SOCIAL DA ENERGIA NUCLEAR PARA GERAÇÃO ELÉTRICA NO BRASIL (2014). Especialização em Gestão de Segurança da Informação pelo Instituto Pesquisas Energéticas e Nucleares, IPEN/SP com o Título: OTIMIZAÇÃO NO GERENCIAMENTO DE RISCOS EM SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Metodologias para avaliação e análise de risco e tomada de decisão (2005). Graduação em Tecnologia em Processamento de dados pela Universidade Ibirapuera, UNIB, Brasil.(2005 e 1990). Presidente da TRANSFORMA – COOPERATIVA DE TRABALHO EM SISTEMAS TECNOLÓGICOS INOVADORES E SUSTENTÁVEIS, Vice Presidente do Instituto Dínamo de Desenvolvimento Sustentável. Vice Presidente do Sindicato das Cooperativas de Produção do Estado de São Paulo. Vice Presidente do Instituto Lixo Zero Brasil. Conselheiro do Fórum de Desenvolvimento da Zona Leste. Conselheiro da Associação Brasileira dos Profissionais de Sustentabilidade. Membro do Observatório Nacional da Política Nacional de Resíduos Sólidos.Tem experiência na área de descontaminação de recursos hídricos, resíduos sólidos, desenvolvimento sustentável, responsabilidade social, lixo zero, reciclagem, resíduos sólidos e revalorização de resíduos.

    Patrícia Moreno – Graduada em Tecnologia Hidráulica e Saneamento Ambiental pela FATEC (2016) e em Sistemas de Gestão Ambiental pela Universidade Estácio de Sá (2009). Experiência como educadora ambiental, visando a preservação da água e orientação para a reciclagem dos resíduos sólidos e utilizando a robótica e a programação EV3 para programar , operar e controlar robôs criados pelos educandos, favorecendo a interdisciplinaridade, promovendo a integração de conceitos de diversas áreas. Atuei como consultora ambiental na elaboração de Planos Municipais de Saneamento e em projetos de sistemas alternativos de esgotos em áreas isoladas, Aplicação de pesquisa, tabulação, levantamento de dados na área de soluções alternativas de tratamento de esgotos. Atuação com a inclusão social e implementação de tecnologias para otimizar a gestão no processo de comercialização de resíduos em cooperativas de catadores. Voluntária na ABRAPS no Comitê Lixo Zero e como Coordenadora do Grupo de Trabalho de Saneamento e Recursos Hídricos, e na ABES-SP na Câmara Técnica de Saúde e Saneamento em Comunidades Isoladas Coordenadora do Grupo de Trabalho de Saneamento e Recursos Hídricos da Abraps;

    Ely Antonio Tadeu Dirani – Professor do Departamento de Engenharia da PUC-SP é Doutor e Mestre em Microeletrônica pela Escola Politécnica da USP e Bacharel em Física pelo Instituto de Física da USP. Atuou em diversos projetos de pesquisa e desenvolvimento na universidade e em parcerias com empresas do setor privado. Participou como orientador no Programa ALI – Agentes Locais de Inovação, uma parceria entre o SEBRAE e o CNPq, atuando, através dos agentes, para promover a prática continuada de ações de inovação em micro e pequenas empresas das áreas da indústria, comércio e serviços.

    Ismael Rocha – Doutor em Educação, Mestre em Sociologia, Mercadólogo formado pela ESPM com pós-graduação em Marketing pela UTA – University of Texas at Arlington. Professor universitário, autor de livros didáticos nas áreas de Marketing, Comunicação e Sustentabilidade, artigos publicados em revistas, jornais e participação em Congressos no Brasil e no Exterior. Diretor de Extensão da ESPM, Fundador e Coordenador da ESPM Social, do CEDS – Centro ESPM de Desenvolvimento Socioambiental e Fundador da Incubadora de Negócios da ESPM. Cursos de Especialização no Canadá, EUA, Inglaterra, Finlândia, China, Malásia, Chile e México. Consultor de Marketing e Planejamento Estratégico para Empresas, ONGs, Institutos e Fundações. Climate Reality Leader. Idealizador do NEXT 49+ que trabalha com a inclusão de pessoas com mais de 50 anos no mercado de trabalho

    Mediação: Marilena Lavoratto – Publicitária com especialização em marketing, negócios e gestão socioambiental. É a idealizadora do Programa Benchmarking Brasil (selo de sustentabilidade que certifica boas práticas desde 2003). Atualmente é Membro do Conselho Consultivo da ABRAPS (Associação Brasileira dos Profissionais pelo Desenvolvimento Sustentável) e da Câmara de Comércio Brasil Argentina. É colunista do Portal Vya Estelar, conferencista e ganhadora do Prêmio von Martius de Sustentabilidade da Câmara Brasil Alemanha, categoria Humanidade, 1º lugar em 2013. É Presidente do Instituto MAIS que trabalha pela Cultura de Sustentabilidade, palestrante, editora de livros e revistas especializadas e autora de diversos artigos publicados

    Facilitação Gráfica: Andressa Batelochio – Agente de Transformação para projetos e processos de inovação para educação e pelo desenvolvimento sustentável na empresa Horizontte Sustentável; educadora e articuladora de processos de comunicação e educação, no projeto EducaVisT – a facilitação gráfica como ferramenta complementar de metodologias ativas. Formada em Comunicação Social pela FAAP com pós-graduação em Marketing de Negócios pela ESPM-SP e como consultora em sustentabilidade pela consultoria Migliori e pelo SENAC-SP; especialista em Responsabilidade Social e Terceiro Setor pelo CEATS-FIA-USP. Designer de informação e profissional de colheita/ facilitação gráfica com especialização na Holanda. Associada da ABRAPS – Associação Brasileira dos Profissionais pelo Desenvolvimento Sustentável, coordenadora do GT Educação; facilitadora em jogos cooperativos, cultura de paz, vivências com a natureza (Sharing Nature Worldwild) e agente sociambiental pela UMAPAZ – Universidade Livre de Meio Ambiente e Cultura de Paz – Prefeitura de São Paulo-SP.

    Evento Gratuito – Vagas Limitadas – inscreva-se clicando no link – https://forms.gle/vPDpeQ4a6GGP1HYc6

    Associação Brasileira dos Profissionais pelo Desenvolvimento Sustentável
    DATA: Sexta feira, 25 de outubro das 15h30 às 19h00 horas.
    LOCAL: Rua Marquês de Paranaguá, 111 – Consolação – Campus da Faculdade de Ciências Exatas e Tecnologia da PUC/SP

    GTs Integração e Advocacy

    Apoio 

     
  • 3 abr

    Cidades afetivas uma via ecológica para o bem-viver Por Vivian Aparecida Blaso Souza Soares César, Sydney Cincotto Junior e Valmir Martins de Oliveira 

    ARTIGO publicado na Revista @eMetrópolis
    RESUMO

    O desafio contemporâneo do “homo urbanus” é encontrar outras vias de sociabilidade capazes de regenerar a vida que se encontra intoxicada-hiperconectada-saturada. As promessas de um capitalismo sustentável e uma vida smart governada pelo uso das tecnologias não parecem ser capazes de propiciar mais qualidade de vida, equidade, segurança, acessibilidade e convivialidade nas cidades. O decrescimento sereno e as políticas do bem-viver vão na contramão do admirável mundo novo prometido pela tríade: vida smart, economia verde, desenvolvimento sustentável. Cidades afetivas requerem novas formas de convivialidade como slow food, economia solidária/colaborativa, mandatos coletivos para o bem viver.

    Palavras-chave: Cidades afetivas; Bem-viver; Pensamento complexo; Convivialismo.
    Acesse na íntegra:emetropolis32_art3

    Artigo: Cidades Afetivas

     
  • 16 fev

    IX Encontro Internacional Saber Urbano e Linguagem: escrituras da cidade. 

    Apresentaremos resultados das nossas pesquisas no IX Encontro Internacional Saber Urbano e Linguagem: escrituras da cidade. O evento é promovido pelo Laboratório de Estudos Urbanos da Universidade de Campinas – UNICAMP, de 06 a 08 de março de 2018.

    Vivian Aparecida Blaso Souza Soares Cesar e Vinicius Georges:
    “Muralismo e Pixação: Análise das Linguagens,
    Narrativas e Laços Sociais nos Festivais Cura em Belo Horizonte e O.Bra em São Paulo”

    Sydney Cincotto Junior e Renan Simões:
    “Cidades Afetivas: discursos e narrativas dos
    coletivos na reivindicação da política do bem viver” http://www.labeurb.unicamp.br/site/web/index.php

    https://www.labeurb.unicamp.br/site/web/evento/detalhes?id=6

     
  • 6 nov

    O papel da comunicação e das artes para o futuro das cidades 

    O artigo foi publicado no portal Gazeta do Povo 19/09/2017

    Artigo – O papel da comunicação e das artes para o futuro das cidades 

    A praça lotada, a rua animada, o mercado, parques, bares, cafés representam espaços multifuncionais, onde estamos sempre dispostos a encontrar e participar

    Fred Kendi/Gazeta do Povo

    O papel dos artistas, inventores e de todos aqueles que trabalham com a construção de memórias e comunicações é o legado na construção de narrativas, da contação de histórias, do patrimônio histórico e cultural. São as manifestações artísticas de toda natureza que levam a informação às pessoas que estão à procura das referências materiais, imagéticas e simbólicas na construção dos repertórios para conhecermos e convivermos nas cidades.

     

    Quando visitamos as pinacotecas, o que somos capazes de escutar? Qual história aquele espaço é capaz de nos contar? Quando nos alimentamos com a comida local, os pratos típicos da região, da cidade, do bairro e das famílias, qual história fomos capazes de ouvir, ver e sentir? As relações afetivas vão se delineando a partir das percepções, das sensações das emoções porque o espaço, o ambiente foi absorvido pelo nosso cérebro. Por isso, mais que os souvenires que trazemos na mala como lembranças, ou os tíquetes dos museus que visitamos, ou o ingresso de algum espetáculo que colamos em nossos diários, o que todos nós estamos fazendo e não nos damos conta é “viver as cidades”.

    É preciso também compreendermos quais são as nossas responsabilidades e papéis que desenvolvemos nas cidades. O primeiro é o registro de nascimento: documento civil que nos denomina e nos dá um local de nascimento, quem são nossos pais. Neste dia já passamos a exercer o nosso primeiro papel na cidade: o de cidadãos. Como tais, temos um conjunto de direitos e deveres. Mas para o pleno exercício da cidadania devemos desenvolver a capacidade de cuidar não só do espaço comum, mas uns dos outros. O cuidar das relações entre as pessoas, cuidar do nosso patrimônio histórico cultural, cuidar da nossa cidade, do nosso lar, do nosso planeta.

    Precisamos reviver as praças, espaços multifuncionais

    Os espaços dedicados às artes são espaços que nos proporcionam afetividades, sociabilidades, trocas. “Cidades Afetivas” é um manifesto na direção da política do bem viver, na direção de uma vida mais comunitária, solidaria. É aposta na via convivialista, sem ser utópico, mas na esperança de uma cidade mais democrática, aberta e solidária. Significa abraçarmos a nossa condição humana de sujeitos cientes, mas que também somos imperfeitos, individualistas, consumistas e predadores do planeta. Mas por sermos cientes sabemos que é preciso romper essas fronteiras para construirmos uma nova política que procure refundar a ética e nos religue com os outros e com o cosmos. Se não trilharmos um caminho por cidades mais afetivas e humanas, as cidades, seus espaços e as pessoas estarão rumando ao abismo. Basta vermos os países fechando as fronteiras para os imigrantes e refugiados.

    Zygmunt Bauman, falecido recentemente, afirmou, em seu livro Ensaio sobre o Conceito de Cultura, que “dominar a cultura significa dominar uma matriz de permutações possíveis, um conjunto jamais implementado de modo definitivo e sempre inconcluso – não uma coletânea finita de significações, é a arte de reconhecer seus portadores. Convite a constante mudança”. No Manifesto Convivialista, Edgard Morin ressalta a importância da metamorfose aposta nessa ideia: a afetividade presente no resgate das relações comunitárias. Um novo caminho sereno entre crescimento e decrescimento simultaneamente.

    Imersas em concreto, as cidades formam espaços opressores ao nosso espírito e produzem grande instabilidade social e emocional, por conta de muitos espaços monofuncionais, como os shopping centers, e do uso do automóvel. Agora precisamos reviver as praças, espaços multifuncionais. Um bom exemplo são os processos de requalificação de áreas degradadas para outros usos, o que já acontece em várias cidades do mundo, como Barcelona e Buenos Aires; o que acontece aos domingos na Avenida Paulista, em São Paulo, que é fechada para possibilitar novas formas de convivência com o espaço; e em Colônia del Sacramento, no Uruguai, que tem espaços para a prática do slow food, movimento que ganhou notoriedade no norte da Itália e hoje é uma das saídas estratégicas apontadas pela União Europeia para vencer a crise.

    Hortas urbanas comunitárias, passeios a pé para apreciar o grafite (como proposto pelo coletivo Expressão Urbana SP), o projeto Senta Aqui e Conversa Comigo (uma ação social para promover encontros de pessoas em espaços públicos), batalhas cosplay no Parque Villa Lobos vão delineando cada vez mais os espaços para os afetos. A praça lotada, a rua animada, o mercado, parques, bares, cafés representam espaços multifuncionais, onde estamos sempre dispostos a encontrar e participar.

    Ressignificar o espaço das cidades é fundamental para a sociedades que virão, principalmente porque será a primeira geração de pessoas que só viveu com a vida mediada pela tela dos smartphones. Os mais velhos serão como mentores dessas gerações, porque os jovens terão de aprender a falar, ouvir, comunicar e sentir. Se na história dos povos indígenas a sapiência foi transmitida pela oralidade, é de lá que vamos ter de buscar inspirações para falar, contar histórias, viver mitos que possam dar sentido a essa nova vida. Nem todos entenderão, nem as cidades serão transformadas em sua totalidade, mas teremos espaços para pessoas que buscam o que vem do coração: um resgate antropoético do existir. Essas pessoas devolverão às cidades seu espaço: o local da festa, do encontro, o espaço para os afetos.

    “Cidades Afetivas” é uma via imaginaria poética porque os afetos só podem ser construídos e sentidos no coração. É a aposta que os artistas são os anunciadores do futuro porque as artes são instrumentos de religação dos afetos nas cidades do futuro e da cidadania do presente.

    Vivian Blaso, autora de “Cidades em Tempos Sombrios. Barbárie ou Civilização”, é sócia na Conversa Sustentável, idealizadora do Cidades Afetivas e professora na Faap, Mackenzie e FGV.
     
  • 6 nov

    QUAL O PAPEL DA COMUNICAÇÃO E DAS ARTES PARA O FUTURO DAS CIDADES? 

     

    COBERTURA COMPLETA

    Palestra Realizada durante o 40 Encontro de Comunicação Na FAAP

    QUAL O PAPEL DA COMUNICAÇÃO E DAS ARTES PARA O FUTURO DAS CIDADES?

    Encontro com a Artista Plástica, Juliana Russo, autora do livro “São Paulo Infinita”; e a  Professora da FAAP, Vivian Blaso, autora do livro “Cidades em Tempos Sombrios. Barbárie ou Civilização”.

    LOCAL: Centro de Convenções

    A praça lotada, a rua animada, o mercado, parques, bares, cafés representam espaços multifuncionais, onde estamos sempre dispostos a encontrar e participar

    O papel dos artistas, inventores e de todos aqueles que trabalham com a construção de memórias e comunicações é o legado na construção de narrativas, da contação de histórias, do patrimônio histórico e cultural. São as manifestações artísticas de toda natureza que levam a informação às pessoas que estão à procura das referências materiais, imagéticas e simbólicas na construção dos repertórios para conhecermos e convivermos nas cidades.

     
  • 2 out

    “RESPONSABILIDAD SOCIAL DE LAS ORGANIZACIONES (RSO). Aportes teórico – prácticos para lograr los Objetivos de Desarrollo Sostenible en América Latina”. 

    El libro consiste en una selección de trabajos presentados por investigadores y docentes latinoamericanos en el IV SIMPOSIO INTERNACIONAL DE RESPONSABILIDAD SOCIAL DE LAS ORGANIZACIONES (SIRSO) realizado en Bogotá, en 2016, en el marco de la Universidad SantoTomás (USTA).

    No livro temos um  capítulo de minha autoria:

    MACITI: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PARA AVALIAÇÃO DE CIDADES E TERRITÓRIOS INTELIGENTES

    O objetivo é apresentar a Metodologia de Avaliação de Cidades e Territórios Inteligentes (MACITI). Dentre os resultados encontrados foi possível perceber que territórios inteligentes poderão gerar oportunidades de negócios, empregos, remodelamento urbano; resgate das relações comunitárias.

    Autora: Vivian Aparecida Blaso Souza Soares César – Doutora em Ciências Sociais e Pesquisadora no Núcleo de Estudos da Complexidade (Complexus) na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Professora na Universidade Presbiteriana Mackenzie, Fundação Armando Alvares Penteado e na  FGV-EAESP. Autora do livro: Cidades em Tempos Sombrios. Barbárie ou Civilização,  Sócia na Conversa Sustentável  e Idealizadora do Cidades Afetivas. E-mail: vivianblaso@conversasustentavel.com.br

    O evento de lançamento será realizado  na UNIVERSIDAD DE BUENOS AIRES (UBA) durante o XI Congreso Internacional de Economía y Gestión – ECON 2017
    Fecha: Jueves 5 de octubre
    Horario: de 09.00 a 11.00 hs
    Lugar: Córdoba 2122
    Aula: 468 – Edificio Nuevo
    Buenos Aires – ARGENTINA

    Contará com a apresentação dos idealizadores do SIRSO – Dra. Nora Gorrochategui e Dr. Valmir Martins de Oliveira 

     
  • 17 set

    Entrevista com a Professora Vivian Blaso no Programa Retrato Urbano – RádioFaap 

     
  • 17 set

    Qual o Papel da Comunicação e das Artes para o Futuro das Cidades? Um debate com Juliana Russo e Vivian Blaso 

    Dia 21/9 – quinta-feira das 21h às 22h30 vai ter sessão de autógrafos do Livro Cidades em Tempos Sombrios. Barbárie ou Civilização e palestra com a Profa. Vivian Blaso.
    Qual o Papel da Comunicação e das Artes para o Futuro das Cidades?
    Um debate com Juliana Russo, Artista Plástica; e Vivian Blaso, Professora da FAAP.
    Centro de Convenções. Este evento é aberto ao público!

    Informações e inscrições: http://www.faap.br/40SEMANA/
    Centro de Convenções. Este evento é aberto ao público! #nafaap @nafaap #rpnafaap #cidadedasartes #cidadesafetivas #viverascidades#comunicacaoartecidades #40semanacomunicacaodafaap #complexidade#conversasustentavel #arteurbanasp

     
  • 30 jul

    VII Conferência Brasileira de Estudos em Comunicação e Mercado. Um Mergulho na Multiterritorialidade 

    Proposta temática

    COMUNICAÇÃO E MERCADO – UM MERGULHO NA MULTITERRITORIALIDADE

    O desafio de recortar temas e abordagens no campo das ciências sociais aplicadas, tem se constituído em uma constante autorreflexão sobre a inseparável subjetividade inerente as leituras possíveis como também os limites dos campos (territórios) envolvidos na produção de saberes, ou da legitimação de determinadas abordagens teóricas-conceituais. Uma vez que contribuem para a compreensão do fenômeno comunicação e consumo, mais precisamente focado na comunicação de mercado. Em edições anteriores buscamos apoio nos aportes tecnológicos, na discursividade poética, na complexidades das relações sociais vivenciadas pelos sujeitos da contemporaneidade, no caráter plural de uma sociedade composta por crescentes coletivos e tribos. O argumento presente em todas as edições tem sido sempre a multiplicidade de olhares e pensares e a visível emergência de um indivíduo coletivizado (socius), ou ainda da multiplicidade do indivíduo em suas interações individuais.

    A proposta assumida para a VII edição da Conferência Brasileira de estudos de comunicação e mercado, busca não apenas reforçar a sedimentação dessa trajetória, mas avançar na compreensão de que estamos diante da multiterritorialidade, conceituado por Haesbaert (2004) como produto da sobreposição de territórios hierarquicamente articulados ou encaixados. Os avanços teóricos no contexto da contemporaneidade, implica na identificação dos diversos territórios e suas contribuições, todavia as trocas efetivas extra territórios, resulta na busca de aberturas que promovam a sobreposição, a apropriação, a mimetização, a ressignificação e demais contribuições que só poderão ocorrer se houver o movimento de saída de um determinado território, ou seja, uma desterritorialização e o consequente retorno agregando-se novas contribuições, ou melhor, uma reterriorialização, como propõe Deleuze e Guattari (1997), ao apresentarem esse movimento como indissociáveis e portanto pertinente a máxima de que toda relação social, acarreta uma interação territorial. As relações de consumo mediadas pela comunicação e materializadas pelas organizações, encontram-se ou deveriam encontrar-se em uma busca permanente por trocas e novas apropriações teóricas-conceituais para além das práticas convencionais diante da multiterritorialidade que tem caracterizado a contemporaneidade.

     

     
c
Compor novo post
j
Próximo post/próximo comentário
k
Post anterior/comentário anterior
r
Responder
e
Editar
o
Mostrar/Ocultar Comentários
t
Ir para o Topo
l
Ir para o login
h
Mostrar / Esconder ajuda
shift + esc
Cancelar