Últimas atualizações Ativar/desativar aninhamento de comentários | Teclas de atalho

  • 24 jun

    Coaching em Comunicação. Inscrições abertas! 

    MATRICULE-SE

    Objetivo: Levar o aluno a acreditar no seu potencial, ter habilidades para usá-lo e conhecimento para tomar decisões.

    Público AlvoFoto-Vivian-Mariza

    Pessoas interessadas no desenvolvimento de habilidades e competências necessárias para alcançar o equilíbrio e a alta performance pessoal e profissional

    Professoras Responsáveis

    Profa. PhD. Mariza de Fátima Reis: PhD em Semiótica, Mestre em Coaching  ISOR

    Profa. Ms. Vivian Aparecida Blaso Souza Soares Cesar:Ms em Ciências Sociais, Sócia da Agência Conversa Sustentável, Líder Coach e Life Coach SLACFoto-Vivian-Mariza

    Investimento:  R$ 220,00 no boleto bancário ou até 2 parcelas .no cartão de crédito.

    O valor do investimento será restituído, quando não houver a formação de turmas.

    Matrículas On-line: até 22 de setembro ou o preenchimento das vagas.

    Documentos necessários: Carteira de identidade, CPF e histórico (se graduando) ou certificado de conclusão de curso (se graduado). Para comunidade mackenzista é necessário informar o seu código de matrícula ou DRT.

    Pró-Reitoria de Extensão e Educação Continuada

    E-mail: cursos.extensao@mackenzie.br

    Telefone: 2114-8821

     
  • 23 jun

    Coaching em Comunicação 

    Curso de Extensão Mackenzie

    Professoras responsáveis:

    Profa. PhD. Mariza de Fátima Reis

    PhD em Semiótica, Mestre em Coaching  ISOR.

    Profa. Ms. Vivian Aparecida Blaso Souza Soares Cesar

    Ms em Ciências Sociais, Especialista em Gestão Responsável para Sustentabilidade, Sócia da Agência Conversa Sustentável, Líder Coach e Life Coach SLAC.

    Objetivo: Levar o aluno a acreditar no seu potencial, ter habilidades para usá-lo e conhecimento para tomar decisões.

    PROGRAMAÇÃO DAS AULAS

    Público Alvo
    Pessoas interessadas no desenvolvimento de habilidades e competências necessárias para alcançar o equilíbrio e a alta performance pessoal e profissional.

    Duração e horários
    Data: 04 de agosto a 22 de setembro (quinta-feira)
    Horário: 10h00 às 12h00
    Carga horária total: 16/a

    Investimento

    R$ 220,00 no boleto bancário ou até 2 parcelas no cartão de crédito.

    O valor do investimento será restituído, quando não houver a formação de turmas.

    Matrículas On-line: até 28 de julho ou o preenchimento das vagas. MATRICULE-SE

    Documentos necessários: Carteira de identidade, CPF e histórico (se graduando) ou certificado de conclusão de curso (se graduado). Para comunidade mackenzista é necessário informar o seu código de matrícula ou DRT.

    Pró-Reitoria de Extensão e Educação Continuada
    E-mail: cursos.extensao@mackenzie.br
    Telefone: 2114-8821

     

     
  • 31 maio

    A prática do Slow Food nas Cidades Inteligentes 

    italia_25

    Matéria do Globo Repórter sobre  Slow Food nas Cidades Italianas!

    http://g1.globo.com/globo-reporter/noticia/2016/05/cidade-na-italia-ensina-comer-sem-pressa-e-com-mais-prazer.html

     
  • 16 maio

    5ª MOSTRA ECOFALANTE DE CINEMA AMBIENTAL CHEGA ÀS SALAS DE CINEMA EM JUNHO 

    De 15 a 29 de junho, filmes de diversos países, a maioria inédita no Brasil, serão exibidos gratuitamente em salas de cinema da capital paulista

    Filmes recentes de diversas partes do mundo abordando questões socioambientais voltam a ocupar as salas de cinema da capital paulista no mês de abril. A 5ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental traz mais de 100 filmes, com destaque para produções contemporâneas e inéditas no Brasil. São produções do Canadá, Alemanha, Turquia, EUA, China, França, Grécia, Itália, Israel, Índia, Reino Unido, Noruega, Bélgica, Luxemburgo, África do Sul, Quirguistão, dentre outros países.

    Os filmes serão exibidos em salas do circuito de cinema de São Paulo: Caixa Belas Artes, Reserva Cultural, Cinemateca, Centro Cultural São Paulo, Cine Olido e Matilha Cultural. A programação é gratuita e se completa com uma série de debates com a participação de especialistas, diretores e convidados.

    A Mostra promove sessões também na Biblioteca Mário de Andrade, em Centros Educacionais Unificados (CEUs) da Prefeitura de São Paulo, unidades das Fábricas de Cultura, faculdades, colégios e em Escolas Técnicas Estaduais (ETECs), levando a programação para um público novo, localizado em diferentes regiões da cidade de São Paulo.

    “O público pode esperar, mais uma vez, filmes de grande qualidade cinematográfica, que abordam questões socioambientais e contribuem para despertar a reflexão e promover o debate em torno desses temas tão presentes em nosso dia a dia. São filmes de diversas partes do mundo que compõem um mosaico dos problemas e soluções encontrados pelo planeta, um retrato da relação da humanidade com a Terra e, consequentemente, consigo mesma”, afirma o Diretor da 5ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental, Chico Guariba.

    Programas

    Compõem a Mostra os seguintes programas: Mostra Contemporânea Internacional, Panorama Histórico, Competição Latino-Americana, Homenagem, Circuito Universitário, Mostra Escola e Curta Ecofalante.

    A Mostra Contemporânea Internacional traz 39 filmes das mais diversas nacionalidades, sobre os temas cidades, consumo, economia, mudanças climáticas, recursos naturais e povos & lugares. São produções recentes, que raramente entram em circuito nas salas de cinema.

    Dentre os destaques estão filmes como O Céu e a Geleira, de Luc Jacquet (A Marcha dos Pinguins), sobre a atuação do glaciologista francês Claude Lorius, cuja pesquisa com o gelo da Antártica ajudou a provar que o aquecimento global vem sendo provocado pela ação humana; Isso Muda Tudo, baseado no livro da jornalista, escritora e ativista canadense Naomi Klein, com produção executiva do cineasta Alfonso Cuarón; O Mercado da Dúvida e Doce Mentira, filmes que evidenciam como os negacionistas do clima e a indústria do açúcar se apropriaram de estratégias usadas pela indústria do tabaco para gerar dúvida sobre a veracidade dos estudos científicos em suas respectivas áreas; O Verdadeiro Preço, que aborda a cadeia produtiva envolvida em torno do fast fashion, apontando os custos humanos e ambientais; Não Posso Te Dar Minha Floresta e Para Onde Foram as Andorinhas, sobre a situação dos povos originais afetados pelas questões ambientais; A Experiência Cecosesola, sobre um bem sucedido experimento de economia solidária na Venezuela; Negócio Sujo, sobre relações comerciais entre Israel e Palestina, dentre muitos outros.

    Para o Panorama Histórico deste ano, a Mostra foi buscar na rica cinematografia francesa títulos que, das mais variadas maneiras e sob os mais diversos registros, tocam em questões que nos dizem respeito. Sem quaisquer restrições relacionadas a gêneros, categorias cinematográficas ou períodos, o Panorama surpreende pela aptidão do cinema para (re) inventar formas de refletir sobre o mundo em que vivemos, partindo da década de 1920 do século passado e reunindo grandes cineastas como Louis Malle, Robert Bresson, Jean Epstein, Jean Painvelé, Jacques Tati, Jean Rouch, Yves-Jacques Cousteau, dentre outros.

    A Competição Latino-Americana registrou recorde de inscrições desde sua criação, há dois anos. Foram recebidas 255 produções, entre longas e curtas, com representantes de quase todos os países latinos. Deste total, 22 filmes foram selecionados para participar da competição, que premia as melhores produções escolhidas pelo júri e pelo público. Os filmes percorrem múltiplos cenários da realidade latino-americana e tornam possível entender as consequências sociais provocadas pelas mudanças climáticas, quais são os danos socioambientais causados pelo uso desenfreado dos recursos naturais e como as populações nacionais estão reagindo e se organizando para lidar com essas transformações. Há produções da Venezuela, Colômbia, Bolívia, Argentina, do Equador, México, Peru, Paraguai, Uruguai, Chile, Equador e Brasil.

    O ambientalista Paulo Nogueira Neto, hoje com 93 anos, será o homenageado desta edição da Mostra. Considerado patrono do ambientalismo no país, advogado, professor e pesquisador, dirigiu a Secretaria Especial de Meio Ambiente (SEMA) de 1974 a 1986, órgão do governo federal ligado à época ao Ministério do Interior, responsável então pelo setor ambiental no Brasil. Foi membro da Comissão Brundtland de Meio Ambiente e Desenvolvimento das Nações Unidas, que criou o conceito de Desenvolvimento Sustentável.

    Circuito Universitário, Mostra Escola e Curta Ecofalante

    O Circuito Universitário e a Mostra Escola já acontecem desde o início de março em diversas faculdades, escolas e instituições de ensino, com objetivo de promover a reflexão e o debate a partir da experiência do cinema e chamar os estudantes para assistirem aos filmes nas salas de cinema. São sessões voltadas aos estudantes, seguidas de debates com professores e convidados.

    Participaram das sessões universidade, faculdades, escolas, colégios, Fábricas de Cultura e ETECs. Ao todo, cerca de 14 mil pessoas já assistiram a filmes da 5ª Mostra e participaram de debates em diversas regiões da Região Metropolitana de São Paulo. Foram mais de 70 sessões em dezenas de lugares, cobrindo uma área de 550 km².

    Uma novidade da Mostra é o concurso Curta Ecofalante, voltado a estudantes universitários. Foram recebidos quase 40 trabalhos das mais diversas faculdades, de diversos locais do país. Destes, foram selecionados cinco curtas, que serão exibidos durante a Mostra. O melhor trabalho, escolhido pelos curadores da Ecofalante e também por votação do público, será premiado ao fim da Mostra. O objetivo deste programa é incentivar a produção universitária, que muitas vezes não tem espaço para ser exibida.

    A 5ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental é uma realização da ONG Ecofalante e do Programa de Apoio à Cultura (ProAC) do Governo do Estado de São Paulo, com patrocínio da White Martins e apoio da Goodyear e da Reciclo Pepsico. A correalização é da Secretaria de Cultura da Prefeitura de São Paulo, Spcine e Escola do Parlamento da Câmara Municipal de São Paulo. A Mostra tem apoio institucional do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), Embaixada da França no Brasil, Institut Français, La Cinémathéque Française, Le Monde Diplomatique Brasil, São Paulo Turismo (SPTuris), Observatório do Clima, SOS Mata Atlântica, Greenpeace, Instituto Socioambiental (ISA), Grupo de Institutos Fundações e Empresas (GIFE), Instituto Democracia e Sustentabilidade (IDS), Instituto Akatu, Instituto de Energia e Ambiente (IEE)/USP, Governos Locais Pela Sustentabilidade (ICLEI), Matilha Cultural, Fábricas de Cultura (Poiesis e Catavento), Rede Nossa São Paulo, Instituto Envolverde, Videocamp, Catraca Livre, Conexão Planeta e Horizonte Educação e Comunicação.

    A programação será divulgada em breve. Acompanhe as novidades nos canais da Mostra:

    Informações para a Imprensa

    ProCultura

    11 3263.0197

    Flávia – flavia@procultura.com.br

    Cláudia – claudia@procultura.com.br

     
  • 13 maio

    Macrotendencias sobre o Brasil por Li Edelkoort 

    Conheça o “Manifesto anti-fashion” Manifesto anti fashion

     
  • 9 maio

    UNILEVER E FOLHA DE SÃO PAULO APRESENTAM DIÁLOGOS TRANSFORMADORES 

    Em sua segunda edição, o evento reúne especialistas para discutir soluções para o desmatamento. Ação faz parte da iniciativa Unilever Futuro Melhor.

    São Paulo, 10 de Maio de 2016 – A Unilever anuncia seu apoio aos “Diálogos Transformadores” da Folha de São Paulo em parceria com a Ashoka.  O objetivo é fomentar discussões e encontrar soluções para o desmatamento crescente e as mudanças climáticas por meio de pessoas inovadoras que estão implantando ações capazes de gerar um impacto positivo na sociedade, garantindo um futuro melhor para as próximas gerações.

    A Unilever será a patrocinadora máster desta edição, que terá como tema “Boas Práticas no Combate ao Desmatamento no Brasil” e reunirá, em 18 de maio, especialistas e empreendedores sociais. “Nós temos o compromisso de adquirir 100% das nossas matérias-primas agrícolas de fontes sustentáveis até 2020, o que significa ajudar a zerar o desmatamento na nossa cadeia produtiva. Alinhado a isso, vemos esta edição dos Diálogos Transformadores como uma oportunidade de dar visibilidade à causa”, afirma Juliana Carvalho, diretora de Marca Corporativa da Unilever.

    Em 2015, a Unilever lançou sua campanha pelo fim do desmatamento, que tem como principal objetivo conscientizar as pessoas sobre a importância de preservar as florestas no combate às mudanças climáticas. Como parte da campanha, a Companhia, em parceria com o WWF (World Wide Fund for Nature), irá proteger um milhão de árvores no Brasil e na Indonésia.  A proteção às árvores será realizada a partir do engajamento dos consumidores por meio da assinatura de um compromisso pelo clima no website da campanha, por meio de diferentes iniciativas, entre elas:

    • Reduzir a perda líquida de florestas através de desmatamento e degradação
    • Promover o manejo sustentável de florestas de produção
    • Promover o aumento da legalidade na produção florestal
    • Auxiliar a aplicação e o cumprimento do Código florestal

    Serão protagonistas desta edição do “ Diálogos Transformadores”: Beto Veríssimo, do Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia); Suzana Pádua, do Ipê (Instituto de Pesquisas Ecológicas); e Elizabeth de Carvalhaes, da Ibá (Indústria Brasileira de Árvores).

    O trio ocupará a bancada da TV Folha para uma entrevista ao vivo e na sequência participa de debate com Rodrigo Castro, da Associação Caatinga; Ana Cristina Barros, ex-secretária de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente; e Aline Tristão, da FSC Brasil (Forest Stewardship Council).

    A plateia de 80 convidados vai conhecer também os casos inspiradores de Ricardo Cardim, fundador da Amigos das Árvores de São Paulo, e de Jerônimo Villas-Bôas, do Kambôas Socioambiental.

    A iniciativa é um mix de entrevista e debate, matéria-prima de um minidocumentário a ser disponibilizado no canal Diálogos Transformador na internet, com o objetivo de apontar caminhos e soluções. A série estreia nesta semana com “Reciclagem”, o primeiro programa realizado em novembro de 2015.

    “É uma iniciativa que leva a excelência editorial da Folha para uma série de conteúdos multimídia sobre importantes temas da agenda socioambiental por meio de diálogos que começam na TV Folha, continuam no nosso auditório e chegam até a escola”, afirma Sérgio Dávila, editor-executivo do jornal. “Além de informar, apontar caminhos e conscientizar, é também uma oportunidade de mobilizar a Rede Folha de Empreendedores.”

    Para a Unilever, é uma honra trabalhar em parceria com a Folha de S. Paulo, um dos maiores veículos do País, na geração de ideias e discussões sobre um tema tão importante como o desmatamento . Acreditamos que todas as iniciativas de conscientização e geração de soluções para o combate ao desmatamento e às mudanças climáticas são válidas. O Brasil e o mundo precisam de pessoas como os convidados desta edição, que vêm colocando a “mão na massa” e inspirando milhares de pessoas a fazerem o mesmo.  Acreditamos que somente juntos podemos fazer a diferença  e colaborar para um futuro promissor para as próximas gerações, afirma Juliana Carvalho, Diretora de Marca Corporativa da Unilever.

    Confira em http://www1.folha.uol.com.br/tv/empreendedorsocial/

    DIÁLOGOS TRANSFORMADORES

    A série “Diálogos Transformadores” é um programa de eventos realizado pela Folha de São Paulo em parceria com a ONG Ashoka sob a direção da premiada jornalista Eliane Trindade – editora do Prêmio Empreendedor Social e da Coluna Rede Social do Jornal A Folha de São Paulo.

    Serviço:

    Data: 18 de maio

    Horário: a partir das 16h

    Onde: Auditório da Folha de S. Paulo (Alameda Barão de Limeira, 425, 9º andar, Campos Elíseos)

    PERFIL DOS PARTICIPANTES

    Beto Veríssimo, fundador do Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia), é figura central nos mais importantes espaços nacionais e internacionais sobre meio ambiente, sempre fortalecendo o diálogo entre o governo, a sociedade civil e empresariado. O seu desafio é criar um novo modelo de economia para a região, combinando a conservação de 70% da floresta, a geração de riqueza e o desenvolvimento social.

    Suzana Pádua, presidente do Ipê, Oscip criada para desenvolver e disseminar modelos inovadores de conservação da biodiversidade e de desenvolvimento sócio-econômico por meio de ciência, educação e negócios sustentáveis, comanda projetos para preservação de florestas em São Paulo, na Amazônia e em outras regiões do país.

    Elizabeth de Carvalhaes, presidente-executiva da Ibá (Indústria Brasileira de Árvores) desde a fundação da entidade criada em 2014 para representar institucionalmente a cadeia produtiva de árvores plantadas, campo à indústria, junto a seus principais públicos de interesse, já foi presidente da Bracelpa (Associação Brasileira de Celulose e Papel) durante quase sete anos.

    Rodrigo Castro, coordenador-geral da Associação Caatinga, que luta pela preservação do bioma no nordeste, realiza projetos como o No Clima da Caatinga que tenta mudar a cultura local de desmatamento por meio da educação ambiental e capacitações.

     Ana Cristina Barros, secretária de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente, formada em Ecologia pela UFRJ com 25 anos de experiência de trabalho em meio ambiente e desenvolvimento sustentável, foi representante da The Nature Conservancy no Brasil por quase dez anos e, nos últimos dois anos, diretora de Infraestrutura Inteligente da organização para a América Latina e já morou e trabalhou na Amazônia pela redução do desmatamento e o controle queimadas. Em Brasília desde 2003, trabalhou junto ao governo brasileiro na análise e proposição de políticas públicas que conciliam desenvolvimento e conservação, notadamente, a concepção e a proposição do Cadastro Ambiental Rural (CAR) como instrumento de implementação do Código Florestal.

    Aline Tristão, diretora executiva da FSC Brasil, ONG internacional com sede na Alemanha e presente em mais de 80 países, que promove o manejo responsável há mais de 20 anos. É também o sistema de certificação florestal mais reconhecido no mundo, considerado uma das principais armas de combate ao desmatamento.

    Ricardo Cardim, botânico fundador da Amigos das Árvores de São Paulo, desenvolveu a metodologia de restauração florestal “Pocket Forest” que copia a dinâmica natural das capoeiras da Mata Atlântica e sua competitividade e permite a criação inédita de pequenos trechos do bioma na escala urbana em grande velocidade de crescimento e diversidade espécies.

    Jerônimo Villas-Bôas, fundador do Kambôas Socioambiental, que fortalece o cultivo de abelhas nativas, a preservação e a conservação de biomas de fauna e flora, com importante trabalho junto à formação de política pública para regulamentação da cadeia produtiva do mel e sua comercialização, no empoderamento e geração de renda para comunidades tradicionais indígenas e ribeirinhas.

    SOBRE A UNILEVER

    A Unilever é uma das líderes mundiais na comercialização de produtos alimentícios, de limpeza doméstica e de cuidados pessoais, com vendas em mais de 190 países, alcançando 2 bilhões de consumidores por dia que consomem as mais de 400 marcas disponíveis em seu portfólio de produtos. No mundo, a companhia tem 169 mil funcionários e gerou vendas de €53.3 bilhões no ano de 2015.

    A companhia tem um propósito simples – tornar a sustentabilidade parte do dia a dia de todos. Por isso, em 2010, anunciou o Plano de Sustentabilidade da Unilever, que traz o objetivo de desconectar o crescimento do nosso negócio de seu impacto ambiental, ao mesmo tempo em que aumentamos nosso impacto social positivo.

    A Unilever é a primeira empresa no ranking de seu setor no Índice Dow Jones de Sustentabilidade 2015. Encabeçou a relação de Líderes Globais em Sustentabilidade Corporativa na pesquisa anual GlobeScan/SustainAbility 2015 pelo quinto ano consecutivo, e em 2015 foi eleita a empresa de bebidas e alimentos mais sustentável no Behind the Brands Scorecard, da Oxfam.

    No Brasil há 87 anos, os produtos da Unilever são encontrados em 100% dos lares brasileiros, e, ao longo de um ano, atingem, mensalmente, 46 milhões de domicílios. São mais de oito décadas de sucesso, conquistas, convívio e relacionamento com o consumidor, antecipando desejos, atendendo necessidades e construindo marcas consagradas como AdeS, Arisco, Axe, Becel, Brilhante, Cif, Close-Up, Comfort, Dove, Fofo, Hellmann’s, Kibon, Knorr, Lifebuouy, Lux, Maizena, OMO, Rexona, Seda, TRESemmé, VIM, entre outras.

    Como reconhecimento de suas iniciativas, em 2015, a Unilever Brasil foi eleita a melhor empresa do Setor de Bens de Consumo e a melhor empresa em Governança da Sustentabilidade, pelo Guia Exame de Sustentabilidade, a melhor na categoria Responsabilidade Social e Meio Ambiente, pela Melhores da Dinheiro e a melhor na categoria Indústria, pela Época Empresa Verde entre outros prêmios recebidos no decorrer do ano. Como resultado destas iniciativas, a Unilever Brasil foi reconhecida como a empresa Mais Desejada no LinkedIn pelos brasileiros.

    Para mais informações sobre a campanha, acesse http://www.futuromelhor.unilever.com.br.

    Mais informações para a imprensa:

    In Press Porter Novelli

    Juliana Pestana – Juliana.pestana@inpresspni.com.br

    Ana Domingues – ana.domingues@inpresspni.com.br

    Tel.: 11 3323-9950 / 3323-3788

     
  • 9 maio

    MÓDULOS INDUSTRIALIZADOS TRANSPORTÁVEIS DA KRONAN EVIDENCIAM INTELIGÊNCIA CONSTRUTIVA SUSTENTÁVEL 

    O protótipo de residência modular chegou ao canteiro e está na Casa Aqua da mostra Casa Cor 2016

    casa_aqua_2016Os visitantes da Casa Aqua – um espaço conceitual criado pela Inovatech Engenharia, com projeto arquitetônico de Rodrigo Mindlin Loeb e Caio Dotto – que está em exposição na Casa Cor São Paulo, podem conferir, na prática e de forma interativa, o sistema construtivo de placas de concreto armado da Kronan. Com mínimo impacto na construção, o sistema reúne, com inteligência, a velocidade da solução, com qualidade e longa vida útil. Graças à flexibilidade dos elementos, a edificação combina uma aptidão natural para compor com unidades de captação de água da chuva ou de energia solar.

    O corpo de concreto, sombreado por uma fachada ventilada, contribui para a estabilidade térmica e o conforto acústico dos ambientes. Segundo o gerente técnico da Kronan, Martin Paul Schwark, a Casa Aqua foi produzida em uma semana na fábrica e fechada em dois dias, no canteiro da Casa Cor.

    Os módulos, chegaram ao canteiro em quatro caminhões e foram içados por guindaste. A cozinha e o banheiro, produzidos em módulos pela empresa Tecnobagno, foram conectados ao módulo principal já com as conexões elétricas e hidráulicas instaladas. Na cobertura, a laje foi impermeabilizada e coroada por uma placa metálica de sombreamento. O vão interno dos 50 m2 de área construída com concreto estrutural leve ficaram livres mas, em casos de edificações com paredes internas, o gesso acartonado ou outros sistemas de alvenaria poderiam ser usados para dividir os ambientes. A residência está apoiada em uma fundação industrializada. O sistema da Kronan permite trabalhar com amplas aberturas e grandes vãos livres, de até 20 metros.

    A partir da unidade de produção em Itapecerica da Serra, a Kronan fornece elementos construtivos num raio de 300 quilômetros a incorporadores que queiram construir com menos mão de obra, mais qualidade e prazo reduzido – no caso da Casa Aqua a montagem foi executada com quatro operários – prazo menor e baixo custo com manutenção futura. “Essa antecipação do lucro pode gerar um retorno maior sobre o investimento”, adianta Schwark.

    Os equipamentos foram compradas pela Kronan na Finlândia, da empresa Elematic, e a tecnologia foi desenvolvida no Brasil. A produção teve início em 2014. O sistema permite a construção de prédios de até 40 andares e a Kronan já entregou um 28 casas em , 2015.

    Para conhecer: pertencente ao grupo Abril, a Casa Cor, reconhecida como a maior mostra de arquitetura, decoração e paisagismo das Américas, reúne ambientes criados por profissionais, e será aberta ao público a partir do dia 17 de maio até o dia 16 e julho, de terça a quinta das 12 às 21 horas; sexta, sábado e feridos, das 12 às 21:30 horas e aos domingos das 12 às 20 horas. Neste ano, a Casa Cor São Paulo chega à trigésima edição no Jockey-Club de São Paulo.

     

    Saiba mais em http://www.kronan.com.br

     

    Alzira hisgail e eduardo gomes

    (55.11) 3675.0809 | (55.11) 99292.9126

    http://www.ateliedetextos.com.br | atelie@ateliedetextos.com.br

     
  • 30 abr

    Recomendação de leitura: O direito à cidade, Henri Lefebvre 

    É sempre bom revisitar os conceitos.Li este livro durante o mestrado em Ciências Sociais na PUCSP, agora no término do doutorado,

    LEFEBVRE, Henri, Le Droit à la Ville.1967. Trad. Rubens Eduardo Frias. O direito à cidade. centauro: São Paulo, 2001.

    LEFEBVRE, Henri, Le Droit à la Ville.1967. Trad. Rubens Eduardo Frias. O direito à cidade. centauro: São Paulo, 2001.

    revisitando o conceito: O DIREITO Á CIDADE – HENRI LEFEBVRE encontrei novas perspectivas e novos insigths para as minhas pesquisas. É bom revisitar conceitos, principalmente na era do instantâneo onde todo mundo fala de tudo, escreve sobre tudo, e acha que sabe tudo…

    “Atualmente, tornando-se centro de decisão ou antes agrupando os centros de decisão, a cidade moderna intensifica, organizando-a, a exploração de toda a sociedade (não apenas da classe operária como também de outras classes sociais não dominantes). Isto é dizer que ela não é um lugar passivo da produção ou da concentração dos capitais, mas sim que o urbano intervém como tal na produção (nos meios de produção)”.

    “A cidade emite e recebe mensagens. Essas mensagens são compreendidas ou não (codificam se e se decodificam ou não). Ela pode portanto ser aprendida conforme os conceitos oriundos da linguística: significante e significado, significação e sentido. Toda via, não é sem as maiores reservas e sem preocupações que se pode considerar a cidade como sendo um sistema (sistema) único de significações e de sentido, portanto de valores. Aqui como em outros casos, existem vários sistemas (ou, de preferência, vários subsistemas). Além do mais, a semiologia não esgota a realidade pratica e ideológica da cidade”. LEFEBVRE, Henri, Le Droit à la Ville.1967. Trad. Rubens Eduardo Frias. O direito à cidade. centauro: São Paulo, 2001.

    ‪#‎smartcities‬‪#‎cidadesinteligentes‬ ‪#‎complexidade‬

    Irei usar este livro como uma das referencias do curso que irei lecionar

    Módulo 5  do curso Master Online en Sostenebilidad  http://www.cursosderse.com/cursos/master-online-rse-sostenibilidad/

    Módulo 5 – Consumo Responsables y Smart Cities

    26 de Septiembre al 21 de Octubre de 2016

    • Consumo Responsable
    • Sostenibilidad e implicancia del posicionamiento estratégico de las marcas
    • Concepto y Posicionamiento de las Ciudades Inteligentes: Prototipos, Tecnologías y Aplicaciones
    • Movimientos y narrativas que impulsan nuevos modos de vivir y habitar las ciudades
    • El Consumidor Smart
    • Análisis de Ciudades Inteligentes y sus correlaciones con el Consumo Responsable
    • Modelos para viabilizar la implantación de ciudades inteligentes como propuesta de posicionamiento de las marcas en el consumidor Smart

    Este Módulo se dictará en Portugués

    MENSAJE DE CAPACITARSE
    10 RAZONES PARA SUMARTE AL MASTER ONLINE DE SOSTENIBILIDAD ‪#‎MASTERSOST‬

     
  • 27 abr

    Complexus apresenta: Oficinas do pensamento com Maurizio Mancioli autor do livro O Executivo Artista: Como Suas Habilidades Artísticas Podem Mudar Sua Vida e Mundo Corporativo 

    Oficinas do pensamento

    Maurizio Mancioli autor do livro O Executivo Artista: Como Suas Habilidades Artísticas Podem Mudar Sua Vida e Mundo Corporativo

    Maurizio Mancioli autor do livro O Executivo Artista: Como Suas Habilidades Artísticas Podem Mudar Sua Vida e Mundo Corporativo

    O executivo artista e o pensamento complexo

    Maurizio Mancioli

    6 de maio

    Das 14h30min às 16h30min.

    Sala 530 (Prédio Novo, quinto andar.)

    PUC – Campus Perdizes, R. Monte Alegre, n. 984

     
  • 26 abr

    Recomendação de leitura: Cidades para um pequeno planeta. Richard Rogers + Philip Gumuchdjian 

    Livro belíssimo, talvez algumas pessoas duvidassem da qualidade ou refutassem em comprá-lo pela cor. Comigo ocorreu exatamente ao contrário, sou movida pela estética, sou libriana e por isso, forma e conteúdo são muito relevantes. Simplesmente espetacular! Eu li muitos livros sobre as cidades durante o percurso da minha pesquisa no doutorado, este livro chegou na hora certa, agora um pouco mais adulta neste tema foi aqui que realmente li e senti a importância das relações comunitárias para o redesenho das cidades contemporâneas.

    As cidades sustentáveis, serão animadas pela vontade das pessoas em resgatar o que ficou perdido após os séculos IXX e XX.

    As cidades do futuro, serão aquelas capazes de reestabelecer espaços de convivência para os afetos.

    As Smart Cities serão animadas pela cidadania porque elas são expressões do espírito do nosso tempo. Quem viver verá porque essas mudanças já estão em curso. Até a metade do seculo XXI as cidades inteligentes serão a pauta da vida dos cidadão que desejam equilibro e bem estar.  ‪#‎cidadesinteligentes‬ ‪#‎smartcities‬

    Irei usar este livro no módulo 5   do curso Master Online en Sostenebilidad  http://www.cursosderse.com/cursos/master-online-rse-sostenibilidad/

    Módulo 5 – Consumo Responsables y Smart Cities

    26 de Septiembre al 21 de Octubre de 2016

    • Consumo Responsable
    • Sostenibilidad e implicancia del posicionamiento estratégico de las marcas
    • Concepto y Posicionamiento de las Ciudades Inteligentes: Prototipos, Tecnologías y Aplicaciones
    • Movimientos y narrativas que impulsan nuevos modos de vivir y habitar las ciudades
    • El Consumidor Smart
    • Análisis de Ciudades Inteligentes y sus correlaciones con el Consumo Responsable
    • Modelos para viabilizar la implantación de ciudades inteligentes como propuesta de posicionamiento de las marcas en el consumidor Smart

    Este Módulo se dictará en Portugués

    MENSAJE DE CAPACITARSE
    10 RAZONES PARA SUMARTE AL MASTER ONLINE DE SOSTENIBILIDAD ‪#‎MASTERSOST‬
    A partir de hoy restan sólo 10 días para que aproveches el descuento por inscripción temprana para el Máster de ‪#‎Sostenibilidad‬. Por eso, queremos darte 10 razones por las que deberías ser parte de este grupo:
    1) Es una apuesta a ir “al próximo nivel”, tanto en tu desarrollo personal como profesional
    2) Conocerás e interactuarás con profesionales docentes y expertos de primer nivel, de toda la región
    3) Serás parte de un grupo multilatino, de quienes aprenderás de s sus desafíos
    4) Aprenderás o prácticarás otro idioma. Tendremos 1 módulo exclusivo dictado en Portugués
    5) Tendrás tiempo para llevarlo sin prisa pero sin pausa. Al tener 1 clase por semana, podrás organizar muy bien tus tiempos
    6) Será una buena excusa para viajar por América Latina (hay 2 encuentros presenciales, de los cuales 1 es obligatorio asistir)
    7) Obtendrás un empoderamiento real de tus habilidades de gestión, pero también de las de Liderazgo
    8) Nos concentraremos en el Saber-Hacer, y en el Hacer
    9) A través de estrategias de facilitación queremos “conectar” lo que eres hoy con lo que podrás ser mañana, tras recibirte de Máster en Sostenibilidad
    10) Recibirás un lindo cuaderno personalizado en tu casa u oficina para tomar tus apuntes
    ¿Necesitás más motivos? Master On Line de Sostenibilidad

     
c
Compor novo post
j
Próximo post/próximo comentário
k
Post anterior/comentário anterior
r
Responder
e
Editar
o
Mostrar/Ocultar Comentários
t
Ir para o Topo
l
Ir para o login
h
Mostrar / Esconder ajuda
shift + esc
Cancelar