SÃO PAULO RECEBE SIMPÓSIO DE ECOSOFIA

Centro de Pesquisa ATOPOS promove conferências e debates, dias 26 e 27 de abril, sobre a relação entre o homem, o meio ambiente e as redes digitais

Os frequentes desastres ambientais nas últimas décadas contrariaram a teoria de que os recursos naturais são inesgotáveis e de que a natureza existe para servir a humanidade. A fim de buscar caminhos viáveis para o desenvolvimento equilibrado e sustentável, o Centro de Pesquisa ATOPOS (ECA-USP) promove, nos dias 26 e 27 de abril, o Simpósio Ecosofia – ecologia, redes digitais e sustentabilidade, no Teatro Aliança Francesa, no metrô República, em São Paulo.

Baseado na concepção do filósofo e ativista Felix Guattari (1930 – 1992), o conceito de Ecosofia se refere ao campo de conhecimento que propõe o diálogo entre a sociologia, biologia, economia, filosofia e comunicação digital.

Pela primeira vez no país, um encontro sobre o tema pretende analisar, avaliar e discutir as novas formas de relação entre homem, tecnologia e meio ambiente. A ideia do Ecosofia vai além de apresentar um quadro sobre a atual situação e os riscos de inviabilização das condições de vida humana na Terra a longo prazo: procura discutir os próprios conceitos de desenvolvimento e sustentabilidade tomando como ponto de partida do debate o surgimento de uma nova cultura ecológica que se expande na contemporaneidade, sugerindo o desenvolvimento de novas dinâmicas sociais em rede.

Para as mesas de discussão, foram convidados especialistas no assunto: o canadense Derrick de Kerckhove (Universidade de Toronto), o francês Michel Maffesoli (Université Paris V, Sorbonne), o italiano Massimo Di Felice (ECA-USP) e o brasileiro José Eli da Veiga (FEA-USP).

As vagas são limitadas e as inscrições deverão ser feitas através do site do evento. O evento é gratuito e prevê a entrega de certificados de participação.

O Simpósio Ecosofia insere-se em um momento propício no Brasil e no mundo para se avaliar o impacto do desenvolvimento econômico na sociedade global. É um desafio para todos repensarmos os termos desse desenvolvimento e associar sustentabilidade, qualidade de vida e as potencialidades da comunicação digital.

O Ecosofia conta com o patrocínio máster da Petrobras, o apoio institucional da Klabin S.A. e da Aberje, além de apoio cultural da ECA-USP, da Aliança Francesa e da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente da cidade de São Paulo.

Sobre os palestrantes:

Derrick de Kerkhove – É professor do Departamento de Letras da Universidade de Toronto, no Canadá, e ex-diretor do McLuhan Program in Culture and Technology. Ele acompanha, como poucos, as mudanças socioculturais provocadas pela popularização da internet e das tecnologias da informação. Trabalhou durante a década de 1970 como aluno-assistente e coautor de Marshall McLuhan, cujas ideias aprofundou, e, a partir delas, pesquisou novos caminhos do cruzamento da comunicação com a tecnologia digital. Uma de suas pesquisas versa sobre a forma como os media podem revolucionar a pedagogia e o conhecimento. De Kerckhove tem oferecido seminários e oficinas em vários países sobre inteligência conectiva, oferecendo abordagens inovadoras para empresários, governos e academias. Derrick é autor de vários livros, como “Brainframes: Technology, Mind and Business” (1991) e “A Pele da Cultura” (2009).

Michel Maffesoli – Considerado um dos fundadores da chamada “Sociologia do Cotidiano” e conhecido por suas análises sobre pós-modernidade e imaginário, é professor da Universidade de Paris-Sorbone. Recebeu o Grand Prix de Sciences Humaines da Academia Francesa em 1992. É vice-presidente do Institute International de Sociologie (I.I.S) e secretário geral do Centre de Recherce sur L´imaginaire (ceaq). É autor de várias obras, algumas já traduzidas no Brasil: A contemplação do mundo (1995), No fundo das aparências (1996), No tempo das tribos (2006), O conhecimento comum (2007), Apocalipse (2010), entre outros.

José Eli da Veiga – É professor titular do Departamento de Economia da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP), pesquisador de seu Núcleo de Economia Socioambiental (NESA), e orientador do Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais (IRI-USP). Além de artigos em periódicos científicos nacionais e estrangeiros, e diversos capítulos de obras coletivas, publicou 19 livros, entre os quais: Mundo em Transe (2008) Desenvolvimento Sustentável: Que bicho é esse?, com Lia Zatz (2008); A Emergência Socioambiental (2007); Meio Ambiente & Desenvolvimento (2006) e Desenvolvimento Sustentável – O desafio do século XXI (2005). É colaborador das colunas de opinião do jornal Valor Econômico e da revista Página22.

Massimo Di Felice – É professor doutor e orientador na Escola de Comunicações e Artes da USP e fundador do Centro de Pesquisa em comunicação digital ATOPOS (ECA/USP), coordenando as pesquisas ‘Redes Sociais Digitais e Sustentabilidade’ (Patrocínio Master da Petrobras) e a pesquisa comparativa internacional ‘Netativismo: ações colaborativas em redes digitais’. É autor de vários ensaios e artigos, publicados em diversas revistas europeias, como La critica Sociologica (Univ. La Sapienza, Roma), Ágalma (Univ. Tor Vegata, Roma) e Sociétés (Ceaq, Univ. Sorbonne). É professor convidado nas universidades IULM de Milão, de Córdoba, na Argentina. No Brasil, coordena a Coleção Atopos (Editora Annablume) e a Coleção Era Digital (Difusão Editora). Recentemente publicou no Brasil a obra “Paisagens Pós-Urbanas – o fim da experiência urbana e as formas comunicativas do habitar” (Ed. Annablume), indicada ao Prêmio Jabuti de 2010.

Programação:

Dia 26/4

14h – Abertura

14h30 – I Conferência

Ecosofia: a cultura ecológica na pós-modernidade

Com Michel Maffesoli

A nossa contemporaneidade é caracterizada por um conjunto de transformações na economia, no social e na comunicação e, também, pelo advento de uma nova forma do sentir, tribal e orgástica (do grego “orgia”, sentir com), que manifesta as expressões de um novo vitalismo e de uma nova cultura ecológica que valoriza o corpo, o prazer e os elementos naturais. Os aspectos desta nova cultura são visíveis na difusão de práticas e de valores ligados à sustentabilidade, na difusão dos movimentos ambientalistas, nas culturas juvenis, no imaginário ecológico e nas principais formas de agregações da nossa época.

16h – Coffee break

16h20 – Mesa-redonda

Ecosofia: biotecnologia, cultura da mestiçagem e ambientes informativos

Superando a concepção antropocêntrica das ciências sociais, a Ecosofia busca o entendimento e a percepção de uma nova forma de ação social no interior da qual a atividade humana é assumida apenas como uma parte de uma complexidade maior e, ao conceito de ambiente, até hoje pensado como lugar externo e separado, substitui-se uma concepção ecossistêmica capaz de inferir uma inteligência territorial interativa e dinâmica não somente humana. As arquiteturas informativas imersivas, proporcionadas pelas mídias digitais são, ao mesmo tempo, o contexto e a expressão de uma nova cultura inclusiva, na qual a interação entre indivíduos, tecnologia e ambiente é possível apenas nas formas expressivas da rede.

18h – fim das atividades do dia

Dia 27/4

Manhã

9h – II Conferência

Ecosofia: Pensando a Terra e o poder da conectividade

Com Derrick de Kerckhove

A nova prioridade de uma população sempre crescente, mais ou menos em contato e em harmonia através das comunicações planetárias, é aquela de chegar a uma nova imagem do eu. Esta imagem vai além da própria pele e além do ponto de vista único que cada um leva consigo como referência permanente da sua posição no espaço. A imagem do eu que incluirá a terra, deverá transcender as diferenças locais e as doutrinas individuais de cada um, mas sem extirpá-las. Deverá, em todos casos, ser baseada em percepções táteis, mais do que visíveis. Nos contextos digitais, somos convidados, através da conectividade das redes, a sentir diferenças e considerar a Terra não apenas como um conceito, mas como uma realidade física reticular da qual não podemos simplesmente extrair nosso corpo, nem nossa mente.

10h30 – Coffee break

11h – Mesa-redonda

Ecosofia: A inteligência conectiva e novas territorialidades

As tecnologias interativas estão transformando a nossa relação com o território e substituindo a percepção externa com uma concepção reticular que esta implementando novas práticas em todos os setores. Na política, na cultura e no mercado, a atuação frontal está sendo substituída por formas de interações territoriais realizadas através da conectividade e das interações com as redes.

12h30 – pausa

Tarde

14h30 – Conferências:

Ecosofia: redes digitais e sustentabilidade

Com José Eli da Veiga e Massimo Di Felice

Na sociedade contemporânea, o papel da mídia está cada vez mais relacionado à experiência social e a nossa percepção da territorialidade. Desde as redes sociais digitais até os sistemas informativos geográficos, a digitalização parece nos direcionar para a análise de práticas do habitar em rede, no interior das quais os elementos tecnológicos, humanos e ambientais fundem-se numa nova dimensão que nos obriga a repensar as categorias dualistas do pensamento ocidental. Abre-se a possibilidade para entender e descrever estes novos tipos de práticas de um habitar tecno-humano, através da busca de novos horizontes do pensamento e de novas teorias, condições necessárias para o advento de novos tipos de dinamismos entre os sujeitos e o território.

16h – Coffee break

16h30 – Mesa-redonda

Ecosofia: Redes sociais digitais e práticas colaborativas para a sustentabilidade

As novas tecnologias da informação estão possibilitando não somente o acesso imediato e quase irrestrito às informações sobre a Terra e, consequentemente, a difusão de uma nova cultura ecológica, mas, sobretudo, estão permitindo a realização de práticas eficazes de monitoramento, gestão e controle dos recursos naturais. A mesa relatará alguns destes novos tipos de dinamismos tecno-naturais a partir da perspectiva inclusiva e colaborativa das redes sociais digitais.

18h – Encerramento

Serviço:

Teatro Aliança Francesa

Rua General Jardim, 182 (próx. à estação República do metrô – saída Caetano de Campos – próx. à Igreja da Consolação)

Inscrições: http://www.atopos.usp.br/ecosofia