O que eu tenho com a Ètica?

Caros Amigos,
Já há algum tempo, tenho a intenção de escrever sobre a “Ética” um assunto tão relevante e complexo sobretudo, em nosso contexto atual. Falar sobre a Ètica exige reflexão, religação como diz Morin, entre indivíduo, espécie e sociedade. E para que essa religação ocorra é necessário o auto conhecimento, a reflexão.
“A palavra Ética é originada do grego ethos, que significa modo de ser, caráter. Através do latim mos (ou no plural mores), que significa costumes, derivou-se a palavra moral.[1]. Em Filosofia, Ética significa o que é bom para o indivíduo e para a sociedade, e seu estudo contribui para estabelecer a natureza de deveres no relacionamento indivíduo – sociedade”. “Define-se Moral como um conjunto de normas, princípios, preceitos, costumes, valores que norteiam o comportamento do indivíduo no seu grupo social”.
Alguns dos questionamentos propostos por Morin, estão relacionados a essa dificuldade do homem de religação, pois o nosso pensamento não é sistêmico,mas departamentalizado, dessa forma estamos incapacitados de ver o todo e sendo assim incapacitados de religa-se ao todo.Essas incapacidades nos levam a irresponsabilidades e a falta de solidariedade o que caracteriza os seres humanos como mais individualistas do que altuístras.
Agindo sob a ótica do “EU”, do “agora” o que caracteriza essa sociedade cada vez mais liquida proposta por Bauman, talvez seja a Ética do certo sob apenas sob um único ponto de vista.
Neste estágio, podemos dizer que o os valores sempre são valores sob um único olhar,ou seja, sem essa capacidade de religar indivíduo, espécie e sociedade como é possível pensar para agir sob os princípios de Liberdade – Igualdade – Fraternidade de maneira que um princípio não seja mais importante que os demais?
“Todo conhecimento (e consciência) que não pode conceber a individualidade e a subjetividade, nem incluir o observador na sua observação, não tem forças para pensar todos os problemas, sobretudo os problemas Éticos. Pode ser eficaz para a dominação dos objetos materiais, o controle das energias e a manipulação dos seres vivos. Mas se tornou míope para captar as realidades humanas, convertendo-se numa ameaça para o futuro humano.”
Sob este pano de fundo, podemos perceber que Morin já nos aponta a necessidade do homem se religar, reconectar com a sociedade, meio natural e com nós mesmos para compreendermos que essas atitudes individualistas não nos levarão a atitudes Èticas capazes de pensar sistemicamente o quanto tais atitudes poderão impactar na solidariedade de uma sociedade. Podemos começar por exemplo reconectando indivíduo, espécie e sociedade sendo adeptos a campanha proposta pelo governo federal “SACO É UM SACO” onde cada um de nós podemos através de uma postura Ética optar pelo uso de sacolas retornáveis ao invés das sacolas plásticas.
Os sacos e sacolas plásticas são produzidos a partir do petróleo ou gás natural, que são extraídos de fontes não renováveis que no seu processo de extração emitem gases causadores do efeito estufa, além disso, o tempo médio de decomposição dos sacos plásticos são de 100 anos. È muito comum também encontrarmos peixes, e tartarugas marinhas se alimentando de plásticos ao confundi-los com alimentos, outro problema é quanto ao seu uso, muitas pessoas usam os sacos para descartar o lixo o que muitas vezes é desnecessário em função de alguns deste lixos serem recicláveis aumentando o seu tempo de vida útil e evitando que se retire da natureza recursos que não são renováveis.
O difícil não é pensar individuo, espécie e sociedade, mas sim as atitudes éticas que este pensamento de Morin nos propõem a pensar o passado vivendo o presente e olhando o futuro que nossas ações impõem sobre a vida do outro e logo sobre a sociedade.
Deixo essa pergunta para a semana: O que eu tenho com a Ética?
Autora: Vivian Aparecida Blaso Souza Soares César, Relações Públicas especialista em Sustentabilidade