O filme “Ponto de mutação” inspirado na obra de Frijot Capra será exibido na PUCSP seguido de debates com os professores Edgard de Assis Carvalho e Edmilson Felipe

” “a compreensão dos ecossistemas é dificultada pela própria natureza da mente racional. O pensamento racional é linear, ao passo que

Películas e Ideias

Películas e Ideias

a consciência ecológica decorre de uma intuição de de sistemas não lineares.Uma das coisas mais difíceis de serem entendidas pelas pessoas em nossa cultura é o fato de que se fazemos algo que é bom, continuar a faze-lo não será necessariamente melhor. Essa é, em minha opinião, a essência do pensamento ecológico. Os ecossistemas sustentam se num equilíbrio dinâmico baseado em ciclos e flutuações, que são processos não lineares. Os empreendimentos lineares, como o crescimento econômico e tecnológico indefinido – ou, para dar um exemplo mais específico, a armazenagem de lixo radioativo durante grandes períodos de tempo – , interferirão necessariamente no equilíbrio natural e, mais cedo ou mais tarde causarão graves danos. Portanto, a consciência ecológica somente surgirá quando alinharmos ao nosso conhecimento racional uma intuição da natureza não linear de nosso meio ambiente. Tal sabedoria intuitiva é característica das culturas tradicionais, não letradas,especialmente as culturas dos índios americanos, em que a vida foi organizada em torno de uma consciência refinada do meio ambiente”. CAPRA, Frijot. The Turning Point: Science, Society, and the Rising Culture. New York: Simon & Schuster, 1982. Edição brasileira: O ponto de mutação. Trad. Álvaro Cabral. 30. ed. São Paulo: Cultrix, 2012.Essa obra deu origem ao filme “Ponto de mutação” nos anos 90, com enfoque no paradigma sistêmico.

O filme será exibido na próxima sexta feira, dia 29 de abril, na PUCSP seguido de comentários dos professores Edgard De Assis Carvalho e Edmilson Felipe do departamento de antropologia da PUCSP. Iniciativa do Complexus – Núcleo de estudos da Complexidade.