Atualizações de abril 2012 Ativar/desativar aninhamento de comentários | Teclas de atalho

  • 27 abr

    Gisele Bündchen – O desafio do WED está de volta! 

    No Dia Mundial do Meio Ambiente (WED, na sigla em inglês) de 2012, as Nações Unidas esperam bater o recorde de atividades já inscritas nas últimas quatro décadas de celebração do 5 de junho. Para estimular o alcance da meta, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) lançou um vídeo em português com a sua Embaixadora da Boa Vontade brasileira, Gisele Bündchen.

    No ano passado, o WED registrou 4.229 atividades em 144 países — de um rally de ciclistas no Nepal até um movimento de limpeza de locais públicos na República do Congo.
    Este ano, pessoas, comunidades e instituições do mundo todo serão desafiadas a se comprometer com pelo menos uma atividade para o dia 5 de junho de 2012. Os participantes terão um incentivo extra. Cinco carros de consumo eficiente de combustível foram doados pela KIA para premiar os melhores Projetos do WED em cada uma das categorias:

    Pessoas: Mobilização do maior número de participantes em uma atividade do WED

    Tema: Atividade que melhor traduzir o tema Economia Verde: Ela te inclui?

    Criatividade: Atividade mais inovadora, inédita e divertida do WED

    Barulho: Atividade do WED que melhor traduzir o poder das mídias sociais

    Impacto: Atividade do WED que resultar em transformação substantiva e efetiva
    Um painel de especialistas do PNUMA fará a seleção das atividades registradas no site oficial do WED e promovidas entre os dias 3 e 8 de junho de 2012. Os vencedores serão anunciados no dia 30 de julho de 2012.

    As atividades do WED podem ter todos os formatos e tamanhos — mudança de rotina ao usar transporte coletivo ou bicicleta para ir para o trabalho, organizar um mutirão de limpeza do bairro, estímulos na escola, comunidade ou empresa para reduzir o consumo de água, por exemplo. A atividade entrará para o mapa global do WED e devem ser registradas online até o dia 30 de junho de 2012 na página do evento.

    Para mais informações, clique aqui.

     
  • 26 abr

    Crescem as oportunidades na área de sustentabilidade 

    Há 14 horas e 24 minutos – Fonte: Valor Econômico

    Por Bettina Barros | De São Paulo

    Vitor Salgado/Valor
    Gabriela Burian, gerente de sustentabilidade da Monsanto, diz que companhias têm dificuldade para montar os times

    Profissionais em alta, os especialistas em sustentabilidade podem dizer que não só são cada vez mais cobiçados no mercado brasileiro. Eles também já ganham salários compatíveis com seus pares na empresa e deixaram de ser vistos como aquela turminha de “ecochatos” que chega para atrapalhar a festa.
    Uma pesquisa inédita encomendada pela recém-constituída Associação Brasileira dos Profissionais de Sustentabilidade (Abraps) mostra que o conceito – que preza o cuidado com o ambiente e a sociedade, além do progresso econômico – tem sido incorporado nas políticas empresariais do país, que passaram a destacar profissionais exclusivos para o tema e, em alguns casos, até diretorias. Não por acaso, a citação “a sustentabilidade está no nosso DNA” entrou como um mantra no discurso de um número significativo de empresas e seus balanços socioambientais.
    Apesar da amostragem pequena, com somente 23 empresas, e a falta de levantamentos anteriores como base de comparação, a pesquisa indica que a área tem ganhado peso. Realizada pela Deloitte, ela mostra que 65% das companhias de diferentes segmentos da indústria possuem hoje estagiários dedicados exclusivamente para questões de sustentabilidade, sendo em média dois estagiários por empresa, e todas possuem uma área específica ligada ao tema.
    Além disso, 26% das companhias analisadas afirmaram que pretendem ampliar o quadro de funcionários nesse setor ao longo de 2012 e 74% manterão a quantidade atual de colaboradores – o que, nesse caso, é visto como algo positivo. “Ouvimos de muitos profissionais que a área de sustentabilidade precisa ser enxuta mesmo, pois o conceito deve ser disseminado na organização e não ficar confinado a esse departamento”, explica Fábio Mandarano, gerente de capital humano da Deloitte e responsável pela pesquisa.
    Segundo Mandarano, foram mapeados somente os profissionais que atuam a maior parte do tempo (mais de 70%) em atividades diretamente relacionadas aos assuntos de sustentabilidade como responsabilidade social e ambiental, cidadania corporativa, responsabilidade corporativa e investimento social privado ou similar. “Descartamos os profissionais que têm a sustentabilidade apenas como mais uma de suas atribuições”, diz.
    Questionadas sobre a abrangência dessas práticas, 52% das empresas afirmaram estar em uma fase “madura” de desenvolvimento. Isso significa ter uma estratégia de sustentabilidade pensada para a empresa como um todo, com uma visão de longo prazo, políticas integradas e processos bem definidos. Já 17% das participantes disseram estar no estágio denominado como “líder” – onde a cultura de sustentabilidade é intrínseca, as metas são claras e as metodologias e ações são inovadoras. As 31% restantes revelaram estar no nível “em desenvolvimento” de sustentabilidade, no qual a política para a empresa tem uma visão de curto prazo (um a dois anos) e as diretrizes e as responsabilidades são comunicadas informalmente.
    A formação de um departamento específico ou a incorporação desse tipo de profissional ao quadro de funcionários ainda gera dúvidas nas empresas. No entanto, Gabriela Burian, gerente de sustentabilidade da Monsanto no Brasil, diz que a expansão desse setor é sentida no dia a dia de trabalho. “Toda semana me liga alguém querendo saber da nossa experiência na estruturação da sustentabilidade”, diz a executiva, uma engenheira agrônoma de formação que fez carreira na multinacional americana até ser destacada para o posto atual. “As empresas estão montando os seus times mas não sabem muito bem como fazer”, explica ela, referindo-se ao fato de a sustentabilidade ser um assunto relativamente novo no mundo empresarial.
    As dúvidas – inclusive de headhunters – vão desde que tipo de profissionais podem atuar em sustentabilidade ao salário que recebem. “Como só existem cursos de especialização na área, eles têm formações diferentes, geralmente no setor financeiro, administrativo, vendas e jurídico”, diz Gabriela. “Até prefiro esse perfil, pois são profissionais que aprendem o conceito de sustentabilidade e que também entendem de internalização de custos e fluxos de mercado, por exemplo. Quem só lidou com sustentabilidade costuma fazer negócios com muita emoção”.
    De acordo com Mandarano, da Deloitte, a remuneração nesses departamentos ainda é definida caso a caso, levando em conta fatores como o tamanho da empresa, a importância que ela dá ao assunto e o quilate do profissional recrutado para a função. Por esse motivo, a pesquisa mostra que os salários variam em uma escala ampla que vai dos R$ 2 mil até R$ 25 mil. “De todo modo, eles ganham o mesmo que os seus pares em outros departamentos da empresa e os mesmos benefícios”, diz.
     
  • 26 abr

    Princípios para Sustentabilidade em Seguros (PSS) 

    O PPS é resultado de um processo consultivo global organizado pela United Nations Environment Programme Finance Initiative (UNEP FI), que serão lançados durante a Rio+20.  O processo será por adesão por parte das companhias de seguros que através de um compromisso público irão buscar cada vez mais o desenvolvimento sustentável ao setor.  O setor de seguros por sua vez pretende empreender iniciativas que priorizem a adoção de políticas sociais e de práticas que visem a redução do risco de desastres, manejo saudável do ecossistema e a inclusão social e financeira levando em consideração que a tendência mundial é pela valorização de empresa que adotem posturas mais sustentáveis em seus negócios. 

    O PSS – Princípios para Sustentabilidade em  Seguros  contempla os seguintes Princípios: Principio 1 – Consideremos sistematicamente as questões ambientais, sociais e de governança em nossos princípios, estratégias e operações comerciais. Principio 2 – Iremos nos unir aos participantes da indústria de seguros para aumentar a consciência sobre questões ambientais, sociais e de governança, reduzir riscos e desenvolver soluções. Principio 3 – trabalharemos juntamente com a sociedade para melhorar nossa eficiência na implementação dos princípios. Princípio 4 – Demonstraremos responsabilidade e transparência aos nossos stakeholders, divulgando periodicamente nossos progressos na implementação dos Princípios.


     
  • 25 abr

    Grupo Pão de Açúcar lança Protocolo de Sustentabilidade 

    Conheça os fornecedores da empresa homenageados pelas melhores práticas
    (São Paulo, abril de 2012) Hoje, o Grupo Pão de Açúcar, recebeu mais de 200 fornecedores que participaram da segunda premiação concedida aos melhores produtores de frutas, legumes e verduras (FLV) da companhia pelas boas práticas verificadas na cadeia produtiva. Além das homenagens e premiações, a segunda edição traz outra novidade: o lançamento do Protocolo de Sustentabilidade para os fornecedores de FLV do Grupo Pão de Açúcar.
    PROTOCOLO DE SUSTENTABILIDADE

    Sustentabilidade e responsabilidade social crescem em importância para os clientes. Em um estudo da Landor Associated, 75% dos consumidores acreditam que esses temas sejam importantes e 55% disseram que optariam por produtos que apoiassem essas questões. Dentro dessa perspectiva e como uma continuação do programa Qualidade Desde a Origem, o Grupo Pão de Açúcar lança o Protocolo de Sustentabilidade dos Fornecedores de Frutas, Legumes e Verduras da empresa.
    “O setor agrícola tem um grande impacto no meio ambiente, por mexer com a terra, emissões de carbono e poluição por nitrogênio. Vimos a necessidade de uma ação padronizada para aumentar a produção agrícola de forma ambiental sustentável, economicamente aceitável e socialmente responsável”, conta Bethlem.

    O Protocolo reúne todas as melhores práticas de cultivo focando em ações sustentáveis e a idéia é sugerir que os fornecedores do Grupo adotem essas medidas.

    O documento apresentado traz ações em diferentes processos agrícolas como salvaguardar os recursos naturais, partilhar conhecimentos sobre gestão de culturas e tecnologias, criar acesso aos recursos naturais e a serviços de micro financiamento, proteger a colheita, facilitar o acesso ao mercado e conduzir investigações agronômicas sobre disponibilidade de água, mudanças climáticas e fertilidade do solo.

    “Os ganhos em toda cadeia – fornecedor, empresa e cliente – são percebidos com produtos mais saudáveis e está em consonância com a ANVISA , que sempre nos apoiou desde a construção do projeto. Desde a primeira edição do prêmio, sentimos uma evolução no relacionamento e no comprometimento entre fornecedores e Grupo Pão de Açúcar. Para essa segunda premiação, temos a certeza de que essa parceria de sucesso ganhará cada vez mais força seja comercialmente, socialmente ou sustentavelmente ”, comenta Hugo Bethlem , vice presidente do Grupo Pão de Açúcar.
    PREMIAÇÃO

    A premiação faz parte do programa Qualidade Desde a Origem, lançado em 2008, numa ação pioneira que busca o controle integral da cadeia de valor do FLV comercializado nas lojas Pão de Açúcar e Extra. Através do site http://www.qualidadedesdeaorigem.com.br, o consumidor tem acesso a informações sobre a origem e região produtora, além do nome do fornecedor e fotos.
    O evento reconhece o envolvimento e preocupação dos fornecedores que conseguiram melhores resultados, priorizando a qualidade e segurança dos seus produtos sem prejudicar o meio ambiente. O Grupo Pão de Açúcar movimenta cerca de 90 mil toneladas de FLV por mês em todas as suas lojas.

    Foram avaliados quesitos de qualidade, segurança (resíduos de defensivos químicos e controle microbiológico), pontualidade na entrega, cumprimento do processo de rastreabilidade e adequação ao padrão técnico do Grupo. Veja as empresas vencedoras:

    1) FRUTAS – SUDESTE E PARANA

    1- CITRICOLA LUCATO LTDA

    2) FRUTAS – CENTRO OESTE E NORDESTE

    1- WANDERLEY PEDRO WEILER ZIMMERMANN
    3) LEGUMES – SUDESTE E PARANA

    1- AGRO BELONI

    4) LEGUMES – CENTRO OESTE E NORDESTE

    1- MNS COMERCIO DE PRODUTOS AGROP LTDA
    5) VERDURAS – SUDESTE E PARANA

    1- SERGIO GUNJI
    6) VERDURAS – CENTRO OESTE E NORDESTE

    1- LUIS PEDRO HORN
    7) OVOS – BRASIL

    1- IANA

     
    8) ORGÂNICO – BRASIL

    1- NILO UMEDA (DIRETO DA SERRA)

    9) IMPORTADOS – MUNDIAL

    1- LUSO PERA
    Grupo Pão de Açúcar – Relacionamento com Imprensa – 3886 0307/0465
    Siga-nos no Twitter – @imprensagpa
     
  • 24 abr

    Estabelecido novo órgão intergovernamental para acelerar a resposta global sobre o manejo sustentável dos ecossistemas e da biodiversidade do mundo 

    A cidade alemã de Bonn será sede do Secretariado
    Ciência: chave para conservação e desenvolvimento
    Cidade do Panamá, 23 de abril de 2012 – Após muitos anos de negociações internacionais, foi acordado ontem o desenho final da Plataforma Intergovernamental sobre Serviços de Ecossistemas e da Biodiversidade (IPBES, na sigla em inglês).
    A cidade alemã de Bonn, que já hospeda tratados como a Convenção do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) sobre Espécies Migratórias, ganhou o direito de sediar também o secretariado do novo órgão independente.
    O IPBES pretende enfrentar a perda acelerada da biodiversidade mundial e a degradação dos ecossistemas, fazendo a ponte entre a ciência exata, imparcial e atualizada e os decisores políticos.
    Embora muitas organizações e iniciativas já contribuam para melhorar o diálogo entre os tomadores de decisão e a comunidade científica nessa área, o IPBES é estabelecido como uma nova plataforma, reconhecida por ambas as comunidades científica e política, para fechar as lacunas existentes e reforçar a interface entre ciência e política em relação aos serviços dos ecossistemas e da biodiversidade.
    “Hoje, a biodiversidade venceu”, disse o presidente da reunião, o Sr. Robert Watson, Assessor Científico Chefe do Departamento de Meio Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais do Reino Unido. “Serviços dos Ecossistemas e da Biodiversidade são essenciais para o bem-estar humano. Essa plataforma irá gerar o conhecimento e construir a capacidade de protegê-los para as gerações presentes e futuras “, disse ele.
    O PNUMA foi solicitado para a continuar o seu trabalho de facilitar a plataforma de forma interina, em colaboração com a UNESCO, a FAO e o PNUD. Um ou mais desses organismos das Nações Unidas irá administrar o Secretariado IPBES, assim que for estabelecido.
    Achim Steiner, Subsecretário-Geral da ONU e Diretor-Executivo do PNUMA, declarou: “Após anos de debates e negociações políticas complexas, chegamos hoje a uma conclusão positiva, uma nova conquista em termos de resposta da humanidade para reverter a perda de biodiversidade e a degradação dos ecossistemas, desde as florestas até as águas”.
    As funções essenciais da IPBES abrangerão as seguintes áreas:
    • Identificar e priorizar informações científicas necessárias para tomadores de decisão e catalisar esforços para a geração de novos dados;
    • Efetuar avaliações regulares e oportunas sobre os serviços da biodiversidade e dos ecossistemas e suas interligações;
    • Apoiar a formulação e implementação de políticas por meio da identificação de ferramentas e metodologias relevantes;
    • Definir prioridades nas necessidades de capacitação para melhorar a interface entre ciência e política e para fornecer e buscar suporte para as necessidades prioritárias relacionadas diretamente às suas atividades.
    O IPBES responderá às solicitações de governos, acordos ambientais multilaterais e organismos das Nações Unidas, bem como outras partes interessadas relevantes, por informações científicas relacionadas aos serviços dos ecossistemas e da biodiversidade.
    Um núcleo financeiro será estabelecido para o recebimento de contribuições voluntárias de governos, organismos das Nações Unidas, Fundo para o Meio Ambiente Global (GEF), outras organizações intergovernamentais e outras partes interessadas, tais como o setor privado e fundações.
    Informações adicionais estão disponíveis em:
    Para maiores informações, favor contatar:
    Nick Nuttall, Porta-Voz e Diretor de Comunição do PNUMA, Tel: +41 795 965 737 ou +254 733 632 755 ou e-mail nick.nuttall@unep.org
    Shereen Zorba, Chefe do Centro de Notícias do PNUMA, no Celular: +254 788 526 000 ou e-mail: shereen.zorba@unep.org
    Comunicação PNUMA Brasil
    UNEP-ROLAC Brazil Office
    Phone: +55 61 3038 9237
     
  • 24 abr

    Green Nation Fest – Festival de Cinema Ambiental e Novas Mídias 

    O Green Nation Fest – Festival de Cinema Ambiental e Novas Mídias acontece entre os dias 31 de maio e 7 de junho na Quinta da Boa Vista no Rio de Janeiro. O Green Nation Fest visa convergir cultura, informação e proteção ambiental a partir de questões que envolvem o futuro do planeta. O evento terá competição e mostra de curtas, filmes, animações, documentários, fotografias e cartuns voltados para o tema ambiental. Sensibilizar pessoas para agir por um mundo mais sustentável é o principal objetivo do festival.

    A mostra “Green Nation Cartuns”, é uma das atrações do festival, que reúne diversos cartuns sobre meio ambiente, mudanças climáticas e sustentabilidade. Os desenhos procuram levar à população um pouco mais de informação e conscientização sobre os vários problemas causados pelo descaso com a natureza. Tudo isso feito com muito bom humor e qualidade artística. A exposição tem curadoria do cartunista Léo Valença, organizador do livro “Aquecimento Global em cartuns”. A mostra contará com a participação dos seguintes cartunistas:

    Jota A (José Antônio Costa)

    Carlos Augusto (Casso Brasil)

    Rodrigo Furtado

    Léo Assis

    Osvaldo da Costa

    Clayton Rabelo

    Alan Souto Maior

    Roberto Joviano

    Guilherme Bandeira

    João Bosco

    Marquinhos Bittencourt

    Silvano Rosa Gonçalves de Melo

    Nelson Veras

    Dias Moreira

    Léo Valença

    O Green Nation Fest é realizado pelo Centro de Informação, Cultura e Meio Ambiente, o CIMA: ONG que, há mais de 20 anos, desenvolve ações na área de cultura, educação e meio ambiente em parceria com instituições privadas, governamentais e multilaterais.

    O Festival Internacional de Cinema do Rio é uma das realizações do CIMA.

    Para maiores informações sobre o evento acesse o site http://www.greennationfest.com.br.

     
  • 23 abr

    Conferência Rio+20 retoma hoje (23) negociações sobre seu documento oficial 

    Representantes de governos e da sociedade civil começam hoje (23) uma nova rodada de negociações sobre o documento que será debatido durante a Rio+20, conferência global que discutirá como o mundo enfrentará os desafios que afetam o crescimento econômico, o bem-estar social e a proteção ambiental nos próximos anos.

    A sessão de negociações informais de duas semanas para a Rio+20 – Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável – acontece entre os dias 23 de abril e 4 de maio na sede da ONU em Nova York.

    Em uma declaração dirigida à Conferência antes do início da rodada de negociações, líderes do Sistema das Nações Unidas pediram à Rio+20 que “forneça o mapa do futuro que queremos – um futuro de paz, desenvolvimento econômico e social dinâmico, bem-estar social universal em um ambiente saudável e equitativo para as gerações presentes e futuras, onde homens e mulheres, meninos e meninas possam igualmente contribuir e se beneficiar do desenvolvimento”.

    As negociações vão considerar uma série de medidas para promover o desenvolvimento sustentável, que incluem a definição de novas metas e indicadores, formas de financiamento inovador e ações que possam reduzir os atuais níveis insustentáveis de consumo e produção. Esta rodada oferece aos governos outra chance de rever a versão mais recente do documento final para a Rio+20 e ainda aprimorar o texto antes de as negociações seguirem para o Rio de Janeiro em junho.

    “Existe um delicado equilíbrio que precisa ser alcançado nas negociações que considere as necessidades e interesses de todas as pessoas”, afirmou o Secretário-Geral da Rio+20, Sha Zukang. “Estamos chegando lá. Estou muito otimista de que as negociações e a Rio+20 serão um sucesso. Por um futuro melhor para todos nós e nossos filhos”.

    As negociações estratégicas sobre o documento final da Rio+20, estão sendo formuladas para e a partir do “Rascunho Zero” de 19 páginas, elaborado em janeiro e condensado a partir de 6.000 páginas de sugestões de governos, sociedade civil, academia etc. Um grande número de alterações foi realizado pelos governos durante as negociações em março. O documento foi, então, expandido significativamente, levando o texto para mais de 200 páginas.

    O documento revisado identificou 26 áreas estratégicas de ação, incluindo: água, energia, alimentos, empregos, cidades, oceanos, preparação para desastres, erradicação da pobreza, turismo, transporte, mudanças climáticas, consumo e produção sustentáveis, terras, produtos químicos e florestas, entre outras.

    Também estão sendo consideradas e negociadas as metas de desenvolvimento sustentável, o fortalecimento do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), e a implementação de novas formas para medir o desenvolvimento dos países além do crescimento econômico e do PIB, levando em consideração o bem-estar geral da população e a proteção do meio ambiente.

    Além das negociações, haverá diversos eventos paralelos centrados em questões globais, desafios e soluções que estarão sob consideração na Rio+20, incluindo a falta de acesso a energia e água potável, oceanos esgotados, insegurança alimentar, ampliação das desigualdades e a rápida expansão das cidades. Os próximos passos para a finalização do documento final da Rio+20 serão dados durante a rodada final de negociações, no Rio de Janeiro, de13 a 15 de junho, antes da Conferência oficial que acontece entre 20 e 22 de junho.

    Até o momento, mais de 135 Presidentes e Chefes de Estado, Vice-Presidentes, Chefes de Governo e vice Primeiros-Ministros estão inscritos na lista de oradores para a Rio+20.

    Para mais informações sobre a Rio+20

    Informações à imprensa

    Para entrevistas e mais informações em inglês, entre em contato Dan Shepard, tel 1-212-963-9495, shepard@un.org, ou Pragati Pascale, tel 1-212-963-6870, pascale@un.org, do Departamento de Informação Pública das Nações Unidas.

    Para informações em português, entre em contato com Valéria Schilling ou Gustavo Barreto, do Centro de Informação da ONU para o Brasil (UNIC Rio), nos telefones (21) 2253-2211, (21) 8202-0171 e (21) 8185-0582, ou pelo e-mail unic.brazil@unic.org ou rio20@onu.org.br

     
  • 23 abr

    Conscientização sobre o Ruído 

    No Dia de Conscientização sobre o Ruído, decibelímetro de acesso público mede nível de barulho da Av. Rebouças

    A exposição excessiva a ruídos é uma realidade. Porém, a população não se conscientizou ainda de suas graves consequências. No próximo dia 25 será comemorado o Dia Internacional da Conscientização sobre o Ruído e São Paulo ganha o primeiro decibelímetro com acesso público no número 2.881 da Av. Rebouças, com o objetivo de medir as oscilações de ruído na Avenida nos vários momentos do dia.

    O decibelímetro foi colocado na frente do Espaço Phonak – Tecnologia em Audição, um espaço inédito aberto à comunidade e que utiliza o conceito de interatividade para aproximar e ampliar a discussão em torno da prevenção e soluções para a perda auditiva. O Espaço tem realizado encontros e palestras com grupos de professores, de médicos otorrinolaringologistas, de fonoaudiólogos e outros públicos relacionados à saúde auditiva.

    No Dia Internacional da Conscientização Sobre o Ruído é promovido 60 segundos de silêncio, entre às 14h25 e 14h26, para destacar o impacto do ruído nas nossas vidas cotidianas. “Essa pausa será uma boa oportunidade de conscientização sobre este problema que atinge a todos”, diz Talita Donini, fonoaudióloga.

    Decibelímetro mede nível de barulho na Av. Rebouças

    No mundo, hoje, estima-se que pelo menos 800 milhões de pessoas sofram com perda auditiva. Quantidade que deverá aumentar para 1,1 bilhão até 2015 – aproximadamente 16% da população – segundo estimativas da Organização Mundial de Saúde (OMS).

    O estilo de vida atual contribui para a formação de um exército de surdos. Uso constante de fones de ouvido, barulho de obras, música no carro, trânsito, celulares e os ruídos constantes de grandes cidades são altamente prejudiciais à saúde auditiva. “Como estamos cada vez mais conectados, a audição está recebendo estímulo o tempo todo, o que pode ser nocivo se não estivermos atentos a alguns cuidados”, explica Talita.

    Aderindo ou não ao minuto de silêncio no dia 25, de certo não há mais como ignorar a prevenção da perda auditiva. “Pesquisas alertam que pessoas com menos de 30 anos estão apresentando problemas auditivos antes mesmo dos seus pais e avós”, conta a fonoaudióloga.

    Já que nossos ouvidos não descansam nem quando estamos dormindo, confira algumas dicas para continuar ouvindo bem por muitos e muitos anos:

    • ao usar fone de ouvido, regule o volume na escala intermediária (se for de 0 a 10, o ideal é 5)

    • se usar o fone em um ouvido só, alterne para não sobrecarregar apenas um lado

    • no carro, feche as janelas para que o som do rádio não compita com o barulho de fora

    • evite permanecer próximo a fontes de som alto, como caixas de som em casas noturnas

    • fique atento ao tempo de exposição a som forte. Está incomodado, irritado, não dá pra conversar? Mude de ambiente por um tempo, deixe o barulho passar

    • utilize um protetor auditivo caso vá se expor a um ruído por período prolongado e repetitivo

    • respeite intervalos de repouso auditivo, de preferência de uma a duas horas por dia

    • lembre-se que diminuir o volume às vezes pode ser bom. Quando ouvimos uma música que gostamos, nossa tendência natural é aumentar o som. O ouvido facilmente se habitua à nova sensação e esquecemos que o nível de pressão sonora mudou

    • ao sentir incômodo com o nível do som, procure um local mais tranquilo e reveze entre os ambientes, se possível. Se zumbido, (“apito”), pressão ou dor aparecerem e persistirem, procure um médico otorrinolaringologista
    Informações para a imprensa:

    ADS Comunicação Corporativa – http://www.adsbrasil.com.br

    Contatos: Vera Santiago e Stella Kwan

    Tel.: (11) 5090-3016 / (11) 5090-3028

    E-mail: veras@adsbrasil.com.br e stellak@adsbrasil.com.br



    
     
  • 22 abr

    Terra: uma comunidade de coisas vivas, interdependentes, interligadas 

    Por Vivian Blaso, Relações Públicas (CNP), Doutoranda e Mestre em Ciências Sociais (PUC-SP), diretora da agência de Relações Públicas Conversa Sustentável, MBA em Gestão Estratégica de Marketing (UFMG) e Especialista em Sustentabilidade (FDC). Professora dos cursos de Pós-Graduação em Construções Sustentáveis e Publicidade e Propaganda (FAAP). 


    Terra significa uma dádiva, ou seja, um presente divino oferecido aos homens que deveriam se ocupar de serem os seus guardiões. Já dizia o estudioso R.Buckminster Fuller: “A humanidade precisa aprender a sobreviver e a prosperar usando apenas a energia regenerativa do Sol e sua própria capacidade intelectual” ou ainda o que vem dizendo o Professor Ignacy Sachs – autor do termo Ecodesenvolvimento,   “que a humanidade entrou em uma nova era: geológica e antropocêntrica, e o que nos interessa agora é a era geológica, porque as atividades humanas começam a fazer a diferença no planeta. “Somos como aprendizes de feiticeiro, entretanto ou criamos um roteiro para os geonautas se alinharem à sustentabilidade ou caso contrário não teremos o Brasil e o mundo na rota social e ambientalmente includentes e sustentável. Ou seja, será necessário reaprendermos a planejar. Isto é, na visão de Sachs será necessário que os países se adaptem sob três grandes aspectos: pegada ecológica, geração de trabalho decente e gestão de um fundo de financiamentos para subsidiar a sustentabilidade nos países em desenvolvimento.  
    Nós seremos humanos, não temos controle sobre a natureza, mas temos controle sobre nossas ações, e através de atitudes e comportamentos seremos capazes de promover as mudanças necessárias para que a reconexão com a mãe natureza aconteça. Já imaginaram o que seria de nós seres humanos se não tivéssemos água para bebermos? E o alimento que comemos e as nossas relações com as pessoas?

    Por isso, hoje reflita: Como nossas escolhas poderão afetar o ecossistema do qual estamos interconectados?

     
  • 22 abr

    Filhote do Filhote 

     
c
Compor novo post
j
Próximo post/próximo comentário
k
Post anterior/comentário anterior
r
Responder
e
Editar
o
Mostrar/Ocultar Comentários
t
Ir para o Topo
l
Ir para o login
h
Mostrar / Esconder ajuda
shift + esc
Cancelar