Atualizações de junho 2010 Ativar/desativar aninhamento de comentários | Teclas de atalho

  • 30 jun

    Responsabilidade Social Empresarial: estratégias, indicadores e resultados 

    A Fundação Dom Cabral exibe no dia 08 de julho, às 17 horas, em seu Portal na Web (http://www.fdc.org.br), uma entrevista com a professora e pesquisadora Nísia Werneck sobre Sustentabilidade.
    A professora, que acabou de participar do maior evento mundial de indicadores e relatórios de Sustentabilidade na Holanda, falará sobre as tendências do tema, exemplos de boas práticas, estratégias e planejamentos em sustentabilidade empresarial. Após a entrevista, Nísia Werneck irá responder as perguntas dos internautas através de um chat online.
    Nísia Werneck é especialista em Análise Econômica do Desenvolvimento Urbano pela UFMG, especialista em Urbanismo pela Escola Arquitetura da UFMG, professora associada da FDC, com atuação no Núcleo Petrobras de Sustentabilidade e Responsabilidade Corporativa, consultora de diversas empresas e ONGs, em temas relativos à sustentabilidade e responsabilidade social.
    O Em Vídeo é uma produção da Fundação Dom Cabral, a 6ª melhor escola de negócios do mundo (segundo ranking do jornal Financial Times). Periodicamente são exibidas entrevistas com especialistas, professores e executivos sobre os diversos temas da gestão empresarial. Para assistir às entrevistas, o internauta só precisa fazer uma inscrição, não havendo nenhum custo.

    Link para a inscrição para assistir ao vídeo.

    Informações: 31 3589-7317 . 3589-7452

     
  • 30 jun

    Ecofit e Naturalis Brasil promovem descontaminação coletiva de lâmpadas 

    Academia EcoFit e Naturalis Brasil realizam, neste sábado, a Operação Papa-Lâmpadas.
    Com a proposta de conscientizar a população sobre a importância do descarte ecologicamente correto das lâmpadas fluorescentes, a academia EcoFit Club, em parceria com a Naturalis Brasil, empresa especializada na descontaminação de lâmpadas fluorescentes, promoverão, no dia 03 de julho, sábado, a Operação Papa-Lâmpadas. Trata-se de uma campanha de coleta e descontaminação deste material, cujos riscos, poucos conhecem.
    As lâmpadas fluorescentes são responsáveis por 70% da luz artificial utilizada no mundo. Consomem cinco vezes menos energia que uma lâmpada tradicional, e duram até 45 vezes mais. Por estas vantagens, se tornaram predominantes neste mercado. Porém, existe um outro lado, pouco abordado e do qual a maior parte dos consumidores não tem conhecimento. Para produzir a chamada luz fria, estas lâmpadas possuem em sua composição uma carga de mercúrio, um metal tóxico, cancerígeno e extremamente prejudicial à saúde e ao meio ambiente.
    No Brasil são consumidas cerca de 100 milhões de lâmpadas fluorescentes por ano. Desse total, 94% são descartadas em aterros sanitários, sem nenhum tipo de tratamento, contaminando o solo e a água, além de, se rompidas, liberarem vapor de mercúrio, que será aspirado por quem as manuseia.
    Diversas empresas e campanhas vêm alertando a população sobre os males causados pelo mercúrio contido em pilhas e baterias. Entretanto a presença deste metal nas lâmpadas, apesar de seu volume ser ainda maior do que nas pilhas, é pouco citada. A academia Ecofit e a Naturalis Brasil se uniram com o ideal de conscientizar a população sobre o risco que este resíduo representa e a importância do descarte correto deste material.
    Com um processo licenciado pela CETESB, a Naturalis Brasil faz a descontaminação in loco, levando o Papa-Lâmpadas até o local gerador do resíduo. Este equipamento possui um duplo sistema de filtros: o pó de fósforo é retido em um filtro de celulose e o mercúrio é retido por um carvão ativado. Após a descontaminação, praticamente todos os materiais da lâmpada são reciclados.
    Dia 03 de julho, das 10h às 15h, na entrada da Ecofit, uma equipe receberá lâmpadas fluorescentes de qualquer tipo ou tamanho. Além de receber o material, a equipe mostrará o processo de descontaminação e seu funcionamento. A academia sugere transportá-las embaladas em jornal, papelão ou plástico bolha para evitar possíveis acidentes.
    [Campanha de Coleta e Descontaminação de Lâmpadas Fluorescentes. Dia 03 de julho (sábado), das 10h às 15h, na Ecofit Club – Rua Cerro Corá, 580, Alto de Pinheiros, São Paulo].
     
  • 30 jun

    Projeto Rio Sustentável busca a requalificação urbana socioambiental da cidade do Rio de Janeiro 

    Organização da coleta seletiva no Pólo Novo Rio Antigo foi o primeiro passo, que já gerou 430 toneladas em resíduos recicláveis, economia para empresários e renda para populações em situação de risco
    Foi lançado em junho deste ano um grande projeto de requalificação urbana socioambiental para a cidade do Rio de Janeiro. Batizada de “Rio Sustentável”, a iniciativa começou em 2008 através do Pólo Novo Rio Antigo em parceria com a empresa Manifesto Visual. Devido ao sucesso da empreitada, o projeto ganhou dimensão municipal e patrocínio do Banco do Brasil, da Eletrobrás e do SindRio (Sindicato de Hotéis, Bares e Restaurantes); e apoio do SEBRAE – RJ, da Comlurb, da Secretaria Especial de Desenvolvimento Econômico Solidário da Prefeitura do Rio de Janeiro e da Rede de Apoiadores da Coleta Seletiva.
    Além de ações voltadas para o ordenamento da coleta de resíduos recicláveis, o “Rio Sustentável” prevê campanhas de sensibilização socioambiental principalmente de empresários e colaboradores, com o objetivo de gerar atitudes que se reproduzam em maior escala, atingindo parceiros, funcionários e, por fim, a comunidade. Daniela Ribas, vice-presidente do Pólo Novo Rio Antigo, coordenadora e idealizadora do projeto, está à frente das palestras que já reuniram 152 pessoas, atingindo indiretamente mais 450 pessoas em apenas duas semanas.
    “A ideia é fazer uma sensibilização sobre a questão ambiental com foco na mudança de hábito, que é a grande chave dessa história. O empresário é grande gerador, e quando ele se sensibiliza, toda a cadeia de produção a sua volta também é atingida pela campanha”, conta Daniela.
    Atualmente, o material reciclável coletado no Novo Rio Antigo é doado para cooperativas de catadores, que trabalham com pessoas em situação de risco, gerando trabalho e renda, configurando, assim, um projeto de proteção do meio ambiente e de inclusão social.
    Além de cartilha e conteúdo próprio para palestras de sensibilização, o projeto conta ainda com site http://www.riosustentavel.org, apresentando as empresas participantes, parceiros e realizadores, números conquistados com as campanhas e informações para cadastro de empresas e cooperativas interessadas.
    Rio Sustentável em números – o exemplo do Novo Rio Antigo
    · Acumulado desde jan/2008 até abril/2010 = 470,99 toneladas
    · Acumulado em 2010 = 72,7 toneladas
    · Média mensal = 17,4 toneladas
    · 3 empresas = Rio Scenarium, Santo Scenarium, Mangue Seco
    · Postos de trabalho com esta quantidade mensal – 4 catadores, renda estimada de R$ 1.170,00/mês para cada catador

    Assessoria de Imprensa
    Sol Maior Comunicação
    Paula Gomes – (21) 2532 2128 :: 24*53974paula@solmaiorcomunicacao.com.br
    Anna Carolina Braz – (21) 2532 2128 :: 8729 5358
    anna@solmaiorcomunicacao.com.br

    Anna Carolina BrazSol Maior ComunicaçãoFundição Progresso + 55 21 2220-5070 (ramal 6)+ 55 21 8729-5358

     
  • 26 jun

    INSTITUTO AKATU E WORLDWATCH INSTITUTE (WWI) APRESENTAM RELATÓRIO “ESTADO DO MUNDO-2010” 

    Documento traz a radiografia mais atual sobre mudanças na cultura do consumo, sob a ótica da economia, negócios, educação e mídia

    O Instituto Akatu pelo Consumo Consciente apresenta, dia 30 de junho, a edição em português do relatório Estado do Mundo – 2010. De autoria do Worldwatch Institute (WWI), o estudo traz anualmente um balanço com números e reflexões sobre as questões ambientais. Neste ano, o tema é “Transformando Culturas – do Consumismo à Sustentabilidade” e aborda as mudanças no consumo, sob a ótica da economia, negócios, educação, mídia e movimentos sociais.

    Editado há 28 anos e em cerca de 30 idiomas, o “Estado do Mundo” é publicado no Brasil desde 1999 pela Universidade Livre da Mata Atlântica (UMA), representante do WWI no país. Neste ano, o Akatu foi convidado para a parceria devido ao tema abordar especificamente sustentabilidade e consumo. “Ao longo da sua existência, o Akatu vem se estabelecendo como referência no Brasil em abordagem de questões referentes ao comportamento de consumo, razão pela qual recebemos essa honrosa responsabilidade do Worldwatch Institute”, afirma Helio Mattar, diretor-presidente do Instituto Akatu.
    “Este relatório proporcionará o acesso a informações abrangentes a respeito de uma vida mais saudável ambiental e socialmente, para toda a sociedade”, comenta Eduardo Athayde, diretor do WWI. Para o diretor-presidente do Instituto Akatu pelo Consumo Consciente, o “Estado do Mundo” é uma ferramenta primordial de consulta para todos aqueles que têm alguma intenção de cooperar com a preservação do planeta. “O relatório é um choque de realidade. Um material que impulsiona a todos os que têm acesso a ele a agirem em benefício da Terra”, conclui Mattar.
    Abaixo, um resumo das principais conclusões do relatório:
    Realidade alarmante
    As pessoas no mundo todo consumiram US$ 30,5 trilhões em bens e serviços, 28% a mais do que há dez anos. Além das despesas com itens básicos, como comida e moradia, a população gasta mais em bens de consumo conforme aumenta sua renda. Somente em 2008, foram vendidos no mundo 68 milhões de veículos, 85 milhões de refrigeradores, 297 milhões de computadores e 1,2 bilhão de telefones celulares.
    Para produzir tantos bens, é preciso usar cada vez mais recursos naturais. Entre 1950 e 2005, a produção de metais cresceu seis vezes, o consumo de petróleo subiu oito vezes e o de gás natural, 14 vezes. Atualmente, um europeu consome em média 43 quilos em recursos naturais diariamente – enquanto um americano consome 88 quilos, mais do que o próprio peso da maior parte da população.
    Além de excessivo, o consumo é desigual. Em 2006, os 65 países com maior renda, em que o consumismo é dominante, foram responsáveis por 78% dos gastos mundiais em bens e serviços, mas contam com apenas 16% da população mundial. Somente os americanos, com 5% da população mundial, ficaram com uma fatia de 32% do consumo global. Se todos vivessem como os americanos, o planeta só comportaria uma população de 1,4 bilhão de pessoas.
    A pior notícia é que nem mesmo um padrão de consumo médio, equivalente ao de países como Tailândia ou Jordânia, seria suficiente para atender igualmente os atuais 6,8 bilhões de habitantes do planeta.
    Economia e Negócios
    No âmbito social, empresarial e pessoal, a compreensão e a adoção de práticas de sustentabilidade são limitadas. Mudar uma organização costuma ser um processo ainda mais longo do que o da mudança pessoal.
    Muito se pode aprender com empresas que foram além das mudanças superficiais para abraçarem plenamente a sustentabilidade e que, assim, determinaram mudanças profundas em sua cultura organizacional. Para essas companhias, a sustentabilidade tem papel fundamental como um conjunto de valores que integram a prosperidade econômica, a gestão ambiental e a responsabilidade social, ou seja: lucro, planeta e pessoas.

    Para alcançar esse nível de mudança, os líderes devem apresentar visões arrojadas e devem envolver suas organizações em discussões diversas, mais profundas, sobre o objetivo e a responsabilidade da empresa em oferecer valor verdadeiro para os clientes e a sociedade. Além disso, o engajamento de toda a empresa é essencial.

    Quando as organizações aderem à sustentabilidade dessa forma, ela permeia todos os aspectos da empresa. A sustentabilidade passa a ser um fator de definição, revelando-se em cada decisão, uma jornada estratégica e emocional que favorece a empresa toda.

    Educação
    Para romper com o padrão do consumismo, todos os aspectos da educação terão de ser pautados pela sustentabilidade. Hábitos, valores, preferências – todos são, em grande medida, formados na infância. E durante a vida, a educação pode ter um efeito transformador sobre quem aprende. Portanto, explorar essa instituição poderosa será essencial para redirecionar a humanidade para culturas de sustentabilidade.
    Nenhum sistema educacional é isento de valores, pois todos ensinam e são orientados por um determinado conjunto de ideias, valores e comportamentos, quer seja o consumismo, comunismo, crenças religiosas, ou sustentabilidade
    Quanto mais a sustentabilidade puder estar integrada aos sistemas escolares atuais, maior será o número de pessoas que internalizarão os ensinamentos da sustentabilidade desde a infância. Dessa forma, as ideias, valores e hábitos se tornarão “naturais”. A partir de então, a educação funcionará como ferramenta poderosa para criar sociedades sustentáveis.

    Mídia

    A maior parte da mídia ainda reforça o consumismo, mas existem esforços no mundo todo para que seu vasto poder e alcance seja utilizado para promover culturas sustentáveis.

    Portanto, é essencial aprender a interagir de modo crítico com a televisão, revistas, filmes e a internet. Isso porque, atualmente, a mídia invade todos os domínios e seus usuários/telespectadores estão, ano a ano, cada vez mais expostos a ela. Uma das saídas é adquirir imunidade contra o poder de persuasão da mídia, por ser um passo importante no caminho rumo a práticas culturais sustentáveis. No entanto, para que se construa uma cultura sustentável é necessária, também, uma crítica mais profunda do consumismo que seja capaz de atingir o consumidor como uma prática social.

    Instituto Akatu pelo Consumo Consciente
    Criado em 15 de março de 2001 (Dia Mundial do Consumidor) no âmbito do Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social, é uma organização não governamental sem fins lucrativos que mobiliza a sociedade para o consumo consciente. A palavra “Akatu” vem do tupi e significa, ao mesmo tempo, “semente boa” e “mundo melhor”, traduzindo a idéia de que o mundo melhor está contido nas ações de cada indivíduo. Para o Instituto Akatu, o ato de consumo deve ser um ato de cidadania, por meio do qual qualquer consumidor pode contribuir para um mundo melhor. O consumidor consciente busca o equilíbrio entre a sua satisfação pessoal, a preservação do meio ambiente e o bem-estar da sociedade, refletindo sobre o que consome e prestigiando empresas comprometidas com a responsabilidade social.

    Sobre a WWI

    O Worldwatch Institute (WWI), sediado em Washington, destaca-se na promoção de uma sociedade ambientalmente sustentável, onde as necessidades humanas sejam atendidas sem ameaças à saúde da natureza. Busca atingir seus objetivos por meio de pesquisas interdisciplinares e apolíticas, montando cenários sobre as emergentes questões globais, e difundindo os resultados através de publicações, editadas em vários idiomas. No Brasil é associado à Universidade Livre da Mata Atlântica (UMA), instituição do terceiro setor, dedicada a promoção do desenvolvimento sócio-econômico-ecológico integrado, para a divulgação de suas informações e publicação dos seus trabalhos.

    Mais informações à imprensa

    CDN Comunicação Corporativa
    Angela Pagliacci / 11-3643-2783 / angela.pagliacci@cdn.com.br
    Fernanda Martello / 11-3643-2951 / fernanda.martello@cdn.com.br
    Vinícius Gonçalves / 11-3643-2777 / vinicius@cdn.com.br

     
  • 26 jun

    Consumo responsável 

    Informação à imprensa
    Junho de 2010

    O diretor-geral do Carrefour, Lars Olofsson, foi eleito esta semana co-presidente da rede “Fórum dos Bens de Consumo” (Consumer Goods Fórum) instituição global independente, focada em problemas mais representativos que atingem os consumidores. Ao lado do também eleito Muhtar Kent, CEO da Coca-Cola Company, a dupla terá a missão de criar iniciativas com conceitos baseados em sustentabilidade, segurança e saúde dos alimentos, e bem-estar do consumidor. O mandato dos executivos segue por dois anos.

    Criada em 2009, a rede Consumer Goods Forum reúne mais de 600 empresas parceiras, de mais de 70 países, e tem como objetivo aproximar representantes de companhias globais para troca de conhecimento e desenvolvimento de práticas e estratégias para o consumo.

    Segundo a diretora-executiva de Assuntos Corporativos do Carrefour Brasil, Renata Moura, a eleição de Olofsson reforça o compromisso do Grupo em atuar com consumo responsável. “O Carrefour é pioneiro na construção de relacionamentos e ao assumir a direção do Fórum, nosso presidente mundial dá um exemplo da importância do tema e também sua postura de líder empresarial”, declara Renata.

    A executiva ressalta ainda que, “no Brasil, o Carrefour tem dado passos consistentes no caminho da sustentabilidade e foi o primeiro grande varejista a eliminar em 100% o uso de sacolinhas plásticas tradicionais, com programa lançado em sua loja de Piracicaba em março deste ano”. Foram oferecidas várias opções mais sustentáveis para o consumidor embalar as suas compras, incluindo sacolas reutilizáveis, as 100% biodegradáveis e caixas de papelão.

    Além disso, a empresa estabeleceu 21 indicadores-chave de desempenho social, ambiental e econômico para todas as suas unidades de negócio, presentes em outros programas que desenvolve. Entre os principais estão o Garantia de Origem, que estabelece um padrão de qualidade e exigência na produção dos itens que comercializa acima do que determinam as leis; o Projeto Biodiesel, que transforma o óleo de cozinha usado em combustível; o Projeto Repensar, que recicla o isopor descartado em 100% das unidades paulistas para a confecção de artigos escolares e utensílios domésticos; e o Logística, que identifica parceiros para compartilhar e reduzir a circulação de caminhões, transportando mais carga sem aumentar o consumo de combustível

    Sobre o Carrefour
    Há 35 anos no Brasil, o Grupo Carrefour é reconhecido como empresa pioneira no mercado varejista. A rede está presente em 18 estados brasileiros, com os formatos Carrefour Hiper, Carrefour Bairro, Atacadão e Dia%, além de oferecer serviços diversos para a conveniência do consumidor, como postos de combustíveis, drogarias, serviços financeiros, turismo, entre outros. A rede também atua na Internet, com o novo canal de vendas http://www.carrefour.com.br. O grupo conta com 70 mil funcionários no Brasil, sendo um dos maiores empregadores do País. No mundo, o Grupo é o segundo maior varejista do mercado, presente em 32 países.

    Juliana SouzaA4 Comunicação11 3897 4144 direto /11 3897.4122 pabx julianasouza@a4com.com.brhttp://www.a4com.com.br
    (*) Antes de imprimir, pense em sua responsabilidade e compromisso com o Meio Ambiente. Só imprima se for realmente necessário.

     
  • 25 jun

    As eleições e a sustentabilidade 

    Caros Amigos,

    Este espaço que venho compartilhando com meus seguidores foi criado num primeiro momento para trazer informações e conhecimentos sobre práticas empresariais e iniciativas sustentáveis.

    O Blog é um espaço de opinião, onde procuro salientar pontos que acho relevantes nas esferas política, ambiental e social. Este ano, como é o primeiro ano do Blog frente as eleições resolvi apresentar neste espaço a plataforma política de alguns candidatos que têm se destacado por atuarem de maneira responsável em prol ao meio ambiente e a sustentabilidade.

    O destaque dessa semana é sobre o candidato oficial do Partido Verde ao Governo de São Paulo: Fábio Feldmann. O candidato propõe uma agenda para o século XXI, com temas como nova economia, aquecimento global e desenvolvimento sustentável. Isso se torna muito importante num estado com mais de 40 milhões de habitantes e com o maior PIB brasileiro, em torno de US$ 460 bilhões.

    Fabio Feldmann acredita que é necessário agir de forma preventiva em várias áreas, a exemplo de saúde e segurança pública. A educação é uma das maiores preocupações do Partido Verde, pois garante igualdade de oportunidades e prepara o capital humano do estado, requisito essencial em um mundo globalizado.

    Para o candidato, mais que um gestor, o governador deve ser um líder capaz de promover transformações para fazer de São Paulo um estado preparado para os novos tempos. Em sua opinião, o São Paulo deve estar apto a desenvolver uma economia de baixa intensidade de carbono, bem como usar de modo sustentável seu patrimônio ambiental e seus ativos na área cultural. Nessa última, o PV propõe implementar uma política pública na esfera da Economia Criativa, isto é, promover uma sociedade em que a criatividade e os ativos intangíveis sejam valorizados e transformados em oportunidades econômicas.Além disso, acredita ser fundamental usar as melhores práticas de gestão para desenvolver ações conjuntas entre governo, empresariado e sociedade civil.
    Quem é Fabio Feldmann

    Fabio Feldmann, 55, é ambientalista, advogado e administrador de empresas. Década de 1970: Aos 19 anos, leu o relatório “Os Limites do Crescimento”, publicado pelo Clube de Roma, e se convenceu de que valia a pena lutar pelo meio ambiente. Concluiu o curso de administração de empresas na FGV e o curso de direito na USP. Participou do movimento contra a instalação de usinas nucleares na Jureia, do movimento contra a construção de um aeroporto internacional em Caucaia do Alto (ele seria construído em Guarulhos), da Associação Paulista de Proteção à Natureza, do movimento contra a poluição provocada pela Siderúrgica Aliperti.
    Década de 1980: Com amigos, fundou a Oikos – União dos Defensores da Terra, “uma espécie de Greenpeace”. Ajudou a fundar a Associação das Vítimas de Poluição e das Más Condições de Vida em Cubatão, e trabalhou como advogado da associação. Participou da fundação da ONG SOS Mata Atlântica, da qual foi o primeiro presidente. Se elegeu deputado federal constituinte pelo PMDB. Participou da fundação do PSDB.
    Década de 1990: Se reelegeu deputado federal pelo PSDB (1990). Se candidatou à prefeitura da cidade de São Paulo pelo PSDB. Se reelegeu deputado federal pelo PSDB (1994). Assumiu o cargo de secretário estadual do meio ambiente do governo Mário Covas. De 1995 a 1998, trabalhou numa agenda inovadora para São Paulo, que contemplava temas discutidos na Conferência do Rio, como resíduos sólidos, biodiversidade, transporte sustentável. A iniciativa mais conhecida foi a de restringir a circulação de veículos na região metropolitana de São Paulo, o famoso Rodízio. Mário Covas lhe avisou: “Se você insistir nesse projeto agora, vai perder as eleições.” Em 1995, Fabio Feldmann pôs o rodízio em funcionamento, se candidatou a deputado federal pela quarta vez em 1998, e perdeu as eleições. Hoje, a cidade de São Paulo não vive sem o Rodízio, que se encontra aceito e reconhecido pelos paulistanos.

    Produção como homem público — Fabio Feldmann foi o autor e/ou relator de muitas iniciativas legislativas. Foi um dos responsáveis pelo capítulo sobre meio ambiente da Constituição, que impõe ao poder público o dever de garantir aos brasileiros um “meio ambiente ecologicamente equilibrado”. A Constituição depois lhe deu autoridade para, por meio de leis, obrigar o poder público a proteger a mata atlântica, proteger as águas brasileiras, tratar o lixo com maior cuidado, garantir a concorrência entre empresas, proteger o consumidor, reduzir a poluição, proteger a biodiversidade. No Brasil, há impressões digitais de Fabio Feldmann em quase todas as iniciativas de desenvolvimento sustentável e de proteção ao meio ambiente. Grande parte da legislação ambiental brasileira é de autoria ou da relatoria de Fabio Feldmann, sendo que, algumas de suas iniciativas ainda tramitam no Congresso Nacional.

    Reconhecimento global da sociedade civil — Fabio Feldmann foi membro do board do Greenpeace, do board da Global Reporting Iniciative (GRI), ajudou a fundar o Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas e o Fórum Paulista de Mudanças Climáticas e de Biodiversidade, ajudou a montar o Índice de Sustentabilidade Empresarial da Bovespa. Feldmann ganhou o Prêmio Global 500 das Nações Unidas, em reconhecimento pelo seu empenho em preservar o meio ambiente, e foi um dos poucos brasileiros citado no famoso relatório Brundtland, “Nosso Futuro Comum”, no qual, pela primeira vez, a ONU define o que é desenvolvimento sustentável.

    Um parlamentar sem mandato — Mesmo estando há 12 anos sem mandato, Fabio Feldmann às vezes viaja a Brasília para cuidar pessoalmente de seus projetos de lei, como fez há dois meses para conversar com Michel Temer (presidente da Câmara dos Deputados) e pedir que o projeto de lei 4.841 fosse recolocado na pauta. Esse projeto cria a embalagem especial de proteção à criança (no caso de remédios, produtos de limpeza), mas tinha sido arquivado ilegalmente. Michel Temer recolocou o projeto em pauta.
    Tem atuado na elaboração de importantes legislações sobre mudança do clima, a exemplo da Política Estadual de Mudanças Climáticas de São Paulo, reconhecidamente um marco fundamental na estratégia de combate ao aquecimento global no Brasil. Também participou da elaboração da Política Nacional de Mudança do Clima, sancionada em dezembro passado.
    Foi um dos principais articuladores do movimento da sociedade civil contra a comercialização do diesel sujo pela Petrobrás, conseguindo importante vitória junto ao Conar e à Bovespa, no sentido de pressionar a estatal brasileira a cumprir a lei.

    Eventos nos quais representou o Brasil — Fabio Feldmann tem sido um dos principais integrantes das delegações brasileiras nas negociações de mudança climática e da biodiversidade nas Nações Unidas. É reconhecido como um dos “embaixadores “do Brasil em matéria de mudança do clima.

     
  • 23 jun

    Plura seleciona 300 pessoas com deficiência para trabalharem no grupo Itaú-Unibanco em todo o Brasil 

    Projeto de contratação terá vagas para operador de vendas, com salários de R$ 600 a R$1.000

    A Plura – Consultoria e Inclusão Social (http://www.plura.com.br) está com 300 vagas para profissionais com deficiência trabalharem no grupo Itaú-Unibanco em unidades de todas as regiões do Brasil, como operador de vendas. Para candidatar-se às vagas, os interessados devem possuir o ensino fundamental completo. A carga horária será de oito horas diárias, e os salários variam de R$ 600 a R$ 1.000, de acordo com o cargo. A seleção será iniciada nos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe, com prazo até o dia 12/07 para se candidatarem.

    A segunda etapa de contratação será realizada em Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Tocantins, com cadastramento de 13/07 a 06/08. Já nos estados de Minas Gerais, de 16/08 a 10/09; Rio de Janeiro, de 20/09 a 08/10 e São Paulo, de 18/10 a 05/11.

    O contato deve ser feito pelos telefones: 0800 725 1725 (ligações de fixo) ou 11 3206-4455 (demais ligações), ou por meio do e-mail: plura@plura.com.br.

    A Plura Consultoria e Inclusão Social promove a inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Atua diretamente com as empresas contratantes e candidatos às vagas. Junto às corporações, oferece diversas ferramentas como planejamento da inclusão, projetos estruturais para acessibilidade, treinamentos comportamentais, educacionais e operacionais para recrutamento e seleção. Já para os candidatos, há um banco de vagas no site para consultas e cadastro de currículos.

     
  • 22 jun

    Com sustentabilidade integrada a sua estratégia de negócio, Amanco transforma crise em oportunidade 

    Relatório de Sustentabilidade faz uma reflexão das oportunidades e dos aprendizados ao longo de 2009 e mostra que a visão da busca de resultados econômicos, sociais e ambientais está integrada com todas as áreas da empresa e seus stakeholders
    São Paulo, junho de 2010 – Apesar do cenário econômico mundial, a Amanco, um dos líderes mundiais e líder absoluto na América Latina em tubos e conexões, implementou em 2009 todos os investimentos previstos antes da crise e cresceu acima do mercado. Para o varejo, a fórmula de expansão da empresa somou treinamento, capacitação e acesso ao crédito. Internamente, a empresa buscou o envolvimento de todos os colaboradores, otimizou processos, manteve a empregabilidade, a eficiência e a economia de recursos.
    O ano de 2009 começou com um cenário de desafio: superar a crise de liquidez internacional e, no caso do Brasil, manter o crescimento. Com o tema “Transformando a crise em oportunidade”, o Relatório de Sustentabilidade da Amanco Brasil, recém-publicado, mostra como a empresa, que tem a sustentabilidade integrada a sua estratégia de negócio, encarou a crise financeira. A presidente da Amanco, Marise Barroso, fala, em entrevista exclusiva, de que forma a companhia, que já conta com a visão do triplo resultado incorporada à cultura corporativa, é mais competitiva nesses momentos de dificuldade.

    O relatório faz uma reflexão das decisões, dos dilemas, das oportunidades e dos aprendizados da Amanco ao longo de 2009. A visão da busca de resultados econômicos, sociais e ambientais é uma realidade que se conquista e se complementa por meio de pequenas e grandes ações de todas as áreas da empresa e em conjunto com todos seus stakeholders: fornecedores, colaboradores, clientes, comunidades vizinhas e sociedade em geral. É isso que a companhia pretende transmitir em seu segundo relatório de sustentabilidade exclusivo para suas atividades no Brasil.

    Triplo resultado

    “Enfrentar a crise econômica com atuação sustentada nos permitiu – mesmo num cenário no qual é preciso cortar gastos e ter uma preocupação maior em gerar receita – manter o diferencial competitivo. Aprendemos, no dia a dia, a fazer mais com menos e agregar valor para todos os agentes da nossa cadeia de produção”, diz Marise Barroso, presidente da Amanco Brasil. Para ela, empresas que já têm a visão do triplo resultado (econômico, social e ambiental) incorporada à cultura corporativa é mais competitiva nos momentos de crise econômica.

    A Amanco manteve os investimentos e focou na gestão de liquidez e fortaleceu a gestão sustentável. “Sabíamos que teríamos menos créditos e que precisaríamos buscar ferramentas para o melhor controle possível do nosso fluxo de caixa”, explica Marise. Iniciativas como a análise de todos os stakeholders, ações comerciais focadas no crescimento juntamente com os clientes, envolvimento dos colaboradores na busca de soluções, comunicação transparente e no momento certo, criação de programas para otimizar processos, manutenção da empregabilidade, busca da eficiência e a economia de recursos trouxeram à Amanco resultados de curto prazo e também trarão no longo prazo. “A gestão de sustentabilidade deve permear toda a atuação da empresa e gerar oportunidades sempre”, diz a presidente.

    Resultados e investimentos
    E foi sob a perspectiva sustentável que a empresa apresentou um crescimento em suas vendas líquidas de 4% em relação a 2008, sendo 9% de crescimento em volume. As vendas líquidas totalizaram R$ 658 milhões, valor que representa 30% de todo o negócio da Amanco na América Latina. A empresa apresentou um crescimento de 59% no Ebitda (resultado operacional antes da depreciação, despesas financeiras e impostos) em comparação com 2008.
    Uma das ferramentas com grande impacto no ano passado foi o CredConstrução, um cartão que permite ao lojista oferecer crédito a seus clientes. Com uma base de 20 mil cartões no início 2009, a empresa fechou o ano com mais 160 mil emissões. A expectativa é terminar 2010 com 320 mil unidades emitidas e R$ 215 milhões financiados em compra de material de construção.

    Além da parceria com o Senai para formação de instaladores hidráulicos, a empresa investiu fortemente na capacitação de balconistas e dos próprios donos de lojas de material de construção. Outra ação foi levar 80 lojistas que obtiveram as melhores performances de vendas em produtos da Amanco a Nova York para participar do congresso da National Retail Federation (maior associação de varejo mundial). E mais 80 a Paris, para a Batimat 2009, maior feira de construção civil do mundo.

    Segundo o diretor comercial da Amanco, Mauro Napolitano, o grande aprendizado da empresa foi ter continuado com o foco no mercado e tido a coragem de investir nos clientes num momento adverso. “Enquanto todo o mundo está fazendo o não, nós estamos fazendo o sim. Estamos há quatro anos apostando no relacionamento, na relação ganha-ganha”.

    Com empreiteiras, construtoras e instaladoras, o foco da Amanco continua sendo o de desenvolver de forma conjunta novas tecnologias, no sentido de lançar produtos que otimizam suas obras. Para distribuidores atacadistas, a empresa Amanco também inovou. “Dentro de uma visão de longo prazo focada no crescimento conjunto, a empresa oferece um programa de consultoria externa com o objetivo de aprimorar e tornar sustentável seus negócios nas áreas de logística, gestão e trade marketing”, completa Mauro Napolitano, diretor comercial a Amanco.

    Fornecedores

    De olho no trabalho das transportadoras que fazem os fretes de seus produtos, a Amanco criou um sistema de qualidade no transporte, o SQT, no qual todas as empresas fornecedoras são avaliadas nos quesitos: cumprimento de prazo de entrega, reclamações relacionadas ao transporte, planejamento e produtividade, inspeção de veículos e retorno de informação.

    Motivada por sua cultura de trazer melhorias para os que atuam ao seu redor e evitar os desperdícios, o programa Excelência em Prática foi estendido aos fornecedores. Em 2009, deu início ao Programa de Desenvolvimento de Cadeias Produtivas, que, em parceria com o Instituto Evaldo Lodi (IEL), Fiesc e Senai, oferecerá capacitação da equipe de seus parceiros na filosofia de administração japonesa Lean Manufacturing.

    Ecoeficiência

    A empresa manteve o rendimento dos indicadores de consumo de água e de energia, geração e estoque de scrap e sobrepeso. O destaque foi o aumento de aproximadamente 13% no consumo de materiais usados provenientes de reciclagem. A reciclagem dos resíduos gerados pela empresa é superior a 75%.
    Nos últimos nove anos, as ações ecoeficientes renderam à Amanco economias de mais de U$ 40 milhões. Foram proporcionadas oportunidades no mercado com produtos mais adequados do ponto de vista ambiental e com melhoria de rentabilidade para a empresa.
    Transparência

    Respeito integral a legislação e atitudes politicamente corretas estão presentes no dia a dia da empresa. De todos os contratos firmados pela Amanco em 2009, 38% possuem cláusula específica sobre restrições ao trabalho infantil e não há casos registrados de discriminação em qualquer uma de suas unidades no Brasil. No entorno de suas fábricas, a empresa promove reuniões periódicas com a participação da comunidade com objetivo de impedir eventuais situações de desagrado por parte da vizinhança local.

    Relatório de Sustentabilidade – metas cumpridas em 2009

    FINANCEIRO

    • 59% de crescimento em EBITDA versus 2008.
    • Aumento de 58% o pagamento de impostos em comparação a 2008
    • Folha de pagamento total acumula um crescimento de 7% se comparada a 2007, não havendo, durante todo o ano nenhuma demissão por redução de custos.
    • Redução de dívidas bancárias para 0,3 vezes a relação entre
    dívida e EBITDA, contra 1,3 vezes em 2008.

    FORNECEDORES

    • Programa de Desenvolvimento de Cadeias Produtivas, em parceria o Instituto
    Evaldo Lodi (IEL), Fiesc e Senai, que oferece capacitação a fornecedores na filosofia Lean Manufacturing.

    AMBIENTE

    • Tripla recertificação: ISO 9001 – Gestão da Qualidade, ISO 14001 – Gestão
    Ambiental e OHSAS 18001 – Gestão de Saúde e Segurança, nas quatro fábricas da empresa, sendo a única fabricante no segmento de tubos e conexões que possui um Sistema Integrado de Gestão desde 2004.
    • Manutenção do rendimento dos indicadores de consumo de água, consumo de energia, geração e estoque de scrap, e sobrepeso. Com destaque no aumento de aproximadamente 13% no consumo de materiais usados provenientes de reciclagem.

    COLABORADORES

    • Eleita, pela oitava vez consecutiva, como uma das “150 Melhores Empresas para se Trabalhar no Brasil” em pesquisa realizada pelas revistas Exame e Você S/A.

    SEGURANÇA NO TRABALHO

    • Melhora significativa nos indicadores de segurança, baseado na norma OHSAS 18001, sendo que em 2008 obteve o índice de zero acidente e em 2009, apenas 4 acidentes.

    COMUNIDADES VIZINHAS

    • Todas as melhorias do programa de gerenciamento de impactos socioambientais foram informadas por meio de cartilhas, distribuídas a quase 500 residências.

    RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

    • Pelo terceiro ano consecutivo, eleita uma das 20 empresas brasileiras modelo de responsabilidade social corporativa no Brasil, do Guia Exame de Sustentabilidade.
    • Publica a segunda edição da série fotográfica Hydros, com o objetivo de sensibilizar lideranças nacionais, regionais e mundiais, bem como toda a sociedade, sobre a importância dos recursos hídricos.

    PRODUTOS

    • Principal lançamento em 2009 foi a linha Amanco Biax, para distribuição de água bruta ou potável na rede pública, introduzindo uma tecnologia inédita no mercado brasileiro para ocupar uma fatia atualmente atendida apenas por materiais como ferro e PRFV.
    • Conquista do selo ambiental SustentaX para Produtos Sustentáveis, pela reformulação do Adesivo Plástico para Tubos e Conexões de Amanco.

    CRÉDITO E CAPACITAÇÃO

    • Mais de 1500 lojas passaram a contar com o CredConstrução, com a emissão de mais de 150 mil cartões no país
    • Parceria com o Senai formou 10 mil instaladores hidrossanitários, em aproximadamente 600 turmas – um crescimento de mais de 40% em relação ao ano anterior.
    • 14 mil novos trabalhadores treinados pelo programa Doutores da Construção.

    Sobre a Amanco Brasil
    A Amanco Brasil Ltda. é a subsidiária brasileira da Amanco, uma das líderes mundiais e líder absoluta na América Latina em tubos e conexões. Com quatro fábricas no País – única fabricante de tubos e conexões do Brasil a ter a tripla certificação em suas fábricas – a empresa atua nos segmentos predial, infraestrutura e agrícola. Seu escritório principal localiza-se em São Paulo, Brasil.
    Toda atuação da Amanco é sustentada pelo conceito de triplo resultado: econômico, social, e ambiental. Ou seja, toda e qualquer ação/produto desenvolvido pela empresa deve apresentar vantagens econômicas, oferecer benefícios para a sociedade e primar pela preservação e sustentabilidade do meio ambiente. Por isso, conta com programas de ecoeficiência em todas as suas unidades fabris, o que a colocou entre as 20 empresas brasileiras modelo, selecionadas por três anos consecutivos (2007, 2008 e 2009), do Guia Exame de Sustentabilidade. Foi eleita em 2008 pela oitava vez seguida como uma das “150 Melhores Empresas para se Trabalhar no Brasil”, em pesquisa realizada pelas revistas Exame e Você S/A.

    Sobre a Amanco na América Latina

    A Amanco é uma companhia industrial, parte da Mexichem, líder latino-americana absoluta na produção e comercialização de tubos e conexões para a condução de fluidos, principalmente água. Os produtos Amanco são comercializados em 20 países do mundo por meio de uma extensa rede de mais de 50 mil pontos de venda. A Amanco conta com 27 fábricas em 11 países da América Latina, oferecendo soluções inovadoras, produzidas com a mais alta tecnologia, ecoeficiência e qualidade.

    Sobre a Mexichem

    Mexichem é um grupo mexicano de empresas químicas e petroquímicas e controladora da Amanco. Com respaldo de mais de 50 anos de trajetória, a Mexichem atua nas cadeias produtivas do flúor e do cloro-vinil, sendo líder em toda América Latina nos dois segmentos de negócio. Exporta para mais de 50 países.

    Mais informações para a imprensa:
    Ketchum Estratégia
    Juliana Olivieri (11) 5090-8900 – ramal 8880 – juliana.olivieri@ketchum.com.br
    Christiano Bianco (11) 5090-8902 christiano.bianco@ketchum.com.br
    Eliane Castro (11) 5090-8901 eliane.castro@ketchum.com.br

     
  • 22 jun

    Com sustentabilidade integrada a sua estratégia de negócio, Amanco transforma crise em oportunidade 

    Relatório de Sustentabilidade faz uma reflexão das oportunidades e dos aprendizados ao longo de 2009 e mostra que a visão da busca de resultados econômicos, sociais e ambientais está integrada com todas as áreas da empresa e seus stakeholders
    São Paulo, junho de 2010 – Apesar do cenário econômico mundial, a Amanco, um dos líderes mundiais e líder absoluto na América Latina em tubos e conexões, implementou em 2009 todos os investimentos previstos antes da crise e cresceu acima do mercado. Para o varejo, a fórmula de expansão da empresa somou treinamento, capacitação e acesso ao crédito. Internamente, a empresa buscou o envolvimento de todos os colaboradores, otimizou processos, manteve a empregabilidade, a eficiência e a economia de recursos.
    O ano de 2009 começou com um cenário de desafio: superar a crise de liquidez internacional e, no caso do Brasil, manter o crescimento. Com o tema “Transformando a crise em oportunidade”, o Relatório de Sustentabilidade da Amanco Brasil, recém-publicado, mostra como a empresa, que tem a sustentabilidade integrada a sua estratégia de negócio, encarou a crise financeira. A presidente da Amanco, Marise Barroso, fala, em entrevista exclusiva, de que forma a companhia, que já conta com a visão do triplo resultado incorporada à cultura corporativa, é mais competitiva nesses momentos de dificuldade.

    O relatório faz uma reflexão das decisões, dos dilemas, das oportunidades e dos aprendizados da Amanco ao longo de 2009. A visão da busca de resultados econômicos, sociais e ambientais é uma realidade que se conquista e se complementa por meio de pequenas e grandes ações de todas as áreas da empresa e em conjunto com todos seus stakeholders: fornecedores, colaboradores, clientes, comunidades vizinhas e sociedade em geral. É isso que a companhia pretende transmitir em seu segundo relatório de sustentabilidade exclusivo para suas atividades no Brasil.

    Triplo resultado

    “Enfrentar a crise econômica com atuação sustentada nos permitiu – mesmo num cenário no qual é preciso cortar gastos e ter uma preocupação maior em gerar receita – manter o diferencial competitivo. Aprendemos, no dia a dia, a fazer mais com menos e agregar valor para todos os agentes da nossa cadeia de produção”, diz Marise Barroso, presidente da Amanco Brasil. Para ela, empresas que já têm a visão do triplo resultado (econômico, social e ambiental) incorporada à cultura corporativa é mais competitiva nos momentos de crise econômica.

    A Amanco manteve os investimentos e focou na gestão de liquidez e fortaleceu a gestão sustentável. “Sabíamos que teríamos menos créditos e que precisaríamos buscar ferramentas para o melhor controle possível do nosso fluxo de caixa”, explica Marise. Iniciativas como a análise de todos os stakeholders, ações comerciais focadas no crescimento juntamente com os clientes, envolvimento dos colaboradores na busca de soluções, comunicação transparente e no momento certo, criação de programas para otimizar processos, manutenção da empregabilidade, busca da eficiência e a economia de recursos trouxeram à Amanco resultados de curto prazo e também trarão no longo prazo. “A gestão de sustentabilidade deve permear toda a atuação da empresa e gerar oportunidades sempre”, diz a presidente.

    Resultados e investimentos
    E foi sob a perspectiva sustentável que a empresa apresentou um crescimento em suas vendas líquidas de 4% em relação a 2008, sendo 9% de crescimento em volume. As vendas líquidas totalizaram R$ 658 milhões, valor que representa 30% de todo o negócio da Amanco na América Latina. A empresa apresentou um crescimento de 59% no Ebitda (resultado operacional antes da depreciação, despesas financeiras e impostos) em comparação com 2008.
    Uma das ferramentas com grande impacto no ano passado foi o CredConstrução, um cartão que permite ao lojista oferecer crédito a seus clientes. Com uma base de 20 mil cartões no início 2009, a empresa fechou o ano com mais 160 mil emissões. A expectativa é terminar 2010 com 320 mil unidades emitidas e R$ 215 milhões financiados em compra de material de construção.

    Além da parceria com o Senai para formação de instaladores hidráulicos, a empresa investiu fortemente na capacitação de balconistas e dos próprios donos de lojas de material de construção. Outra ação foi levar 80 lojistas que obtiveram as melhores performances de vendas em produtos da Amanco a Nova York para participar do congresso da National Retail Federation (maior associação de varejo mundial). E mais 80 a Paris, para a Batimat 2009, maior feira de construção civil do mundo.

    Segundo o diretor comercial da Amanco, Mauro Napolitano, o grande aprendizado da empresa foi ter continuado com o foco no mercado e tido a coragem de investir nos clientes num momento adverso. “Enquanto todo o mundo está fazendo o não, nós estamos fazendo o sim. Estamos há quatro anos apostando no relacionamento, na relação ganha-ganha”.

    Com empreiteiras, construtoras e instaladoras, o foco da Amanco continua sendo o de desenvolver de forma conjunta novas tecnologias, no sentido de lançar produtos que otimizam suas obras. Para distribuidores atacadistas, a empresa Amanco também inovou. “Dentro de uma visão de longo prazo focada no crescimento conjunto, a empresa oferece um programa de consultoria externa com o objetivo de aprimorar e tornar sustentável seus negócios nas áreas de logística, gestão e trade marketing”, completa Mauro Napolitano, diretor comercial a Amanco.

    Fornecedores

    De olho no trabalho das transportadoras que fazem os fretes de seus produtos, a Amanco criou um sistema de qualidade no transporte, o SQT, no qual todas as empresas fornecedoras são avaliadas nos quesitos: cumprimento de prazo de entrega, reclamações relacionadas ao transporte, planejamento e produtividade, inspeção de veículos e retorno de informação.

    Motivada por sua cultura de trazer melhorias para os que atuam ao seu redor e evitar os desperdícios, o programa Excelência em Prática foi estendido aos fornecedores. Em 2009, deu início ao Programa de Desenvolvimento de Cadeias Produtivas, que, em parceria com o Instituto Evaldo Lodi (IEL), Fiesc e Senai, oferecerá capacitação da equipe de seus parceiros na filosofia de administração japonesa Lean Manufacturing.

    Ecoeficiência

    A empresa manteve o rendimento dos indicadores de consumo de água e de energia, geração e estoque de scrap e sobrepeso. O destaque foi o aumento de aproximadamente 13% no consumo de materiais usados provenientes de reciclagem. A reciclagem dos resíduos gerados pela empresa é superior a 75%.
    Nos últimos nove anos, as ações ecoeficientes renderam à Amanco economias de mais de U$ 40 milhões. Foram proporcionadas oportunidades no mercado com produtos mais adequados do ponto de vista ambiental e com melhoria de rentabilidade para a empresa.
    Transparência

    Respeito integral a legislação e atitudes politicamente corretas estão presentes no dia a dia da empresa. De todos os contratos firmados pela Amanco em 2009, 38% possuem cláusula específica sobre restrições ao trabalho infantil e não há casos registrados de discriminação em qualquer uma de suas unidades no Brasil. No entorno de suas fábricas, a empresa promove reuniões periódicas com a participação da comunidade com objetivo de impedir eventuais situações de desagrado por parte da vizinhança local.

    Relatório de Sustentabilidade – metas cumpridas em 2009

    FINANCEIRO

    • 59% de crescimento em EBITDA versus 2008.
    • Aumento de 58% o pagamento de impostos em comparação a 2008
    • Folha de pagamento total acumula um crescimento de 7% se comparada a 2007, não havendo, durante todo o ano nenhuma demissão por redução de custos.
    • Redução de dívidas bancárias para 0,3 vezes a relação entre
    dívida e EBITDA, contra 1,3 vezes em 2008.

    FORNECEDORES

    • Programa de Desenvolvimento de Cadeias Produtivas, em parceria o Instituto
    Evaldo Lodi (IEL), Fiesc e Senai, que oferece capacitação a fornecedores na filosofia Lean Manufacturing.

    AMBIENTE

    • Tripla recertificação: ISO 9001 – Gestão da Qualidade, ISO 14001 – Gestão
    Ambiental e OHSAS 18001 – Gestão de Saúde e Segurança, nas quatro fábricas da empresa, sendo a única fabricante no segmento de tubos e conexões que possui um Sistema Integrado de Gestão desde 2004.
    • Manutenção do rendimento dos indicadores de consumo de água, consumo de energia, geração e estoque de scrap, e sobrepeso. Com destaque no aumento de aproximadamente 13% no consumo de materiais usados provenientes de reciclagem.

    COLABORADORES

    • Eleita, pela oitava vez consecutiva, como uma das “150 Melhores Empresas para se Trabalhar no Brasil” em pesquisa realizada pelas revistas Exame e Você S/A.

    SEGURANÇA NO TRABALHO

    • Melhora significativa nos indicadores de segurança, baseado na norma OHSAS 18001, sendo que em 2008 obteve o índice de zero acidente e em 2009, apenas 4 acidentes.

    COMUNIDADES VIZINHAS

    • Todas as melhorias do programa de gerenciamento de impactos socioambientais foram informadas por meio de cartilhas, distribuídas a quase 500 residências.

    RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

    • Pelo terceiro ano consecutivo, eleita uma das 20 empresas brasileiras modelo de responsabilidade social corporativa no Brasil, do Guia Exame de Sustentabilidade.
    • Publica a segunda edição da série fotográfica Hydros, com o objetivo de sensibilizar lideranças nacionais, regionais e mundiais, bem como toda a sociedade, sobre a importância dos recursos hídricos.

    PRODUTOS

    • Principal lançamento em 2009 foi a linha Amanco Biax, para distribuição de água bruta ou potável na rede pública, introduzindo uma tecnologia inédita no mercado brasileiro para ocupar uma fatia atualmente atendida apenas por materiais como ferro e PRFV.
    • Conquista do selo ambiental SustentaX para Produtos Sustentáveis, pela reformulação do Adesivo Plástico para Tubos e Conexões de Amanco.

    CRÉDITO E CAPACITAÇÃO

    • Mais de 1500 lojas passaram a contar com o CredConstrução, com a emissão de mais de 150 mil cartões no país
    • Parceria com o Senai formou 10 mil instaladores hidrossanitários, em aproximadamente 600 turmas – um crescimento de mais de 40% em relação ao ano anterior.
    • 14 mil novos trabalhadores treinados pelo programa Doutores da Construção.

    Sobre a Amanco Brasil
    A Amanco Brasil Ltda. é a subsidiária brasileira da Amanco, uma das líderes mundiais e líder absoluta na América Latina em tubos e conexões. Com quatro fábricas no País – única fabricante de tubos e conexões do Brasil a ter a tripla certificação em suas fábricas – a empresa atua nos segmentos predial, infraestrutura e agrícola. Seu escritório principal localiza-se em São Paulo, Brasil.
    Toda atuação da Amanco é sustentada pelo conceito de triplo resultado: econômico, social, e ambiental. Ou seja, toda e qualquer ação/produto desenvolvido pela empresa deve apresentar vantagens econômicas, oferecer benefícios para a sociedade e primar pela preservação e sustentabilidade do meio ambiente. Por isso, conta com programas de ecoeficiência em todas as suas unidades fabris, o que a colocou entre as 20 empresas brasileiras modelo, selecionadas por três anos consecutivos (2007, 2008 e 2009), do Guia Exame de Sustentabilidade. Foi eleita em 2008 pela oitava vez seguida como uma das “150 Melhores Empresas para se Trabalhar no Brasil”, em pesquisa realizada pelas revistas Exame e Você S/A.

    Sobre a Amanco na América Latina

    A Amanco é uma companhia industrial, parte da Mexichem, líder latino-americana absoluta na produção e comercialização de tubos e conexões para a condução de fluidos, principalmente água. Os produtos Amanco são comercializados em 20 países do mundo por meio de uma extensa rede de mais de 50 mil pontos de venda. A Amanco conta com 27 fábricas em 11 países da América Latina, oferecendo soluções inovadoras, produzidas com a mais alta tecnologia, ecoeficiência e qualidade.

    Sobre a Mexichem

    Mexichem é um grupo mexicano de empresas químicas e petroquímicas e controladora da Amanco. Com respaldo de mais de 50 anos de trajetória, a Mexichem atua nas cadeias produtivas do flúor e do cloro-vinil, sendo líder em toda América Latina nos dois segmentos de negócio. Exporta para mais de 50 países.

    Mais informações para a imprensa:
    Ketchum Estratégia
    Juliana Olivieri (11) 5090-8900 – ramal 8880 – juliana.olivieri@ketchum.com.br
    Christiano Bianco (11) 5090-8902 christiano.bianco@ketchum.com.br
    Eliane Castro (11) 5090-8901 eliane.castro@ketchum.com.br

     
  • 14 jun

    BRASKEM LANÇA SELO PARA SEUS PRODUTOS 

    Desenvolvido para atender ao mercado mundial, o selo I`m green nasce para distinguir os produtos que levam em sua composição o plástico verde da Braskem

    A Braskem está prestes a tornar-se líder mundial na produção de biopolímeros ao colocar em operação em meados do próximo semestre sua primeira planta industrial de eteno verde possibilitando a produção de 200 mil t/ano de polietileno a partir do etanol de cana de açúcar. Agora a companhia dá mais um passo no seu compromisso com a sustentabilidade ao lançar o selo I´m Green. O objetivo é criar valor e identificar todos os seus polímeros produzidos a partir de matérias-primas renováveis.

    O selo foi construído para ser simples e direto na comunicação com os diversos públicos e concebido para proporcionar aos clientes mais valor ao seu produto. “Com a criação do selo estamos estendendo os benefícios da aplicação de uma resina de fonte renovável para o consumidor final, que enxerga e valoriza os produtos com componentes renováveis”, explica Rui Chammas, vice-presidente da Unidade de Polímeros.

    Esta iniciativa reforça o compromisso da Braskem com a criação de valor por meio do desenvolvimento sustentável para a cadeia produtiva do setor, seus clientes e a sociedade, cada vez mais exigentes em adotar práticas que visem contribuir para a redução dos gases efeito estufa.

    “Para cada tonelada de polietileno verde produzido são sequestradas até 2,5 toneladas de CO2”, destaca Jorge Soto, diretor de Desenvolvimento Sustentável da Braskem. “O plástico de fonte renovável é parte do compromisso da Braskem com a cadeia produtiva e toda a sociedade na busca por soluções sustentáveis”.

    O desenvolvimento do selo, que é auto referenciável e não apresenta barreiras culturais, vem para realçar a identidade de produtos que têm em sua essência a relação com a natureza, além de transferir valor para a marca e para o consumidor que busca inserir, em seu dia a dia, a prática do consumo sustentável.

    Além do polietileno verde o selo I´m Green identificará outras resinas que a Braskem venha a desenvolver a partir de fontes predominantemente renováveis. Até o início de operação da nova planta de eteno utilizando etanol como matéria-prima, a companhia definirá junto a seus clientes as condições para que eles também possam estampar o selo em seus produtos, especialmente o conteúdo mínimo de resina verde em sua composição.

    Desde que foi lançado, em 2007, o polietileno da Braskem produzido a partir de etanol da cana de açúcar já atraiu a atenção de empresas no mundo todo interessadas em associar sua marca ao biopolímero. Como resultado, grande parte da produção já está contratada por clientes distribuídos no Brasil e no exterior. Uma vantagem adicional do polietileno verde é que, por apresentar o mesmo desempenho e propriedades da resina produzida a partir de matéria-prima não renovável, a indústria de manufaturados plásticos não precisará fazer investimentos em novos equipamentos.

    Para tornar esse projeto uma realidade, a Braskem está investindo cerca de R$ 500 milhões somente na planta de eteno verde, que está em fase final de construção em Triunfo/RS demonstrando a confiança da companhia no desenvolvimento desse mercado baseado em produtos de origem renovável.

    A Braskem é a maior produtora de resinas termoplásticas das Américas. Com 29 plantas industriais distribuídas pelo Brasil e Estados Unidos, a empresa produz anualmente mais de 15 milhões de toneladas de resinas termoplásticas e outros produtos petroquímicos.

    14/06/2010

    Para esclarecimentos adicionais, favor contatar:

    Fernanda Zanichelli / CL-A Comunicações
    Fone: 11 3082-3977 R. 27
    fernanda.zanichelli@cl-a.com

    Marcelo Xavier
    Fone: 11 3576-9099 / 11 8238-6948
    marcelo.xavier@braskem.com.br

     
c
Compor novo post
j
Próximo post/próximo comentário
k
Post anterior/comentário anterior
r
Responder
e
Editar
o
Mostrar/Ocultar Comentários
t
Ir para o Topo
l
Ir para o login
h
Mostrar / Esconder ajuda
shift + esc
Cancelar