Atualizações de maio 2010 Ativar/desativar aninhamento de comentários | Teclas de atalho

  • 31 maio

    Qual o verdadeiro valor de um imóvel ? 

    O fator econômico é o vetor de mudanças no desenvolvimento do mercado imobiliário que tem cada vez mais se organizado para atender aos interesses do capital. A própria legislação urbanística das cidades atende aos interesses do setor imobiliário que é responsável pela geração de bens duráveis que afetam toda sociedade e criam condições de infraestrutura, lazer, comércio, abrigo e conforto para a vida das pessoas. Isso tem contribuído cada vez mais para a segregação dos espaços deslocando as populações de baixa renda para um distanciamento entre centro e periferia levando como conseqüência a estados cada vez mais evidentes de favelização das grandes metrópoles.

    Nos anos 90, marcados pela globalização, inovações tecnológicas e comunicações promoveram um esfacelamento dos Estados – Nações e houve uma redefinição do papel dos municípios, descentralização do poder e fortalecimento das parcerias públicas privadas através das estratégias de intervenção urbana. Como conseqüências deste processo podemos destacar: acirramento das desigualdades sociais, aumento da urbanização, surgimento de metrópoles de miséria, empobrecimento urbano e competição entre as cidades, políticas de reabilitação urbana gerando processo de gentrificação e o surgimento das megacidades.

    A lógica imobiliária faz com que o preço das áreas nobres seja puxado para cima para atrair as pessoas para um novo conceito de morar. Exemplo hoje é o Bairro da Vila Leopoldina em São Paulo, antiga área industrial próximo ao CEAGESP – Central de Abastecimento de São Paulo que vem mudando sua paisagem urbana nos últimos tempos a partir do surgimento de novos empreendimentos imobiliários com conceito de multiuso ou multifuncional que privilegia apartamentos com 02 e 03 dormitórios e 01 torre de escritórios com entradas independentes no mesmo terreno, este tipo de empreendimento tem se apresentado como tendência do setor.

    Entretanto, nessa mesa área, existem problemas antigos que ainda não foram resolvidos como, por exemplo, inundações durante as chuvas fortes que tem acontecido em São Paulo impedindo moradores da Avenida Mofarrej, a transitarem pela avenida que faz ligação com a Av.Gastão Vidigal. Estes problemas recorrentes das enchentes não baratearam o valor do metro quadrado que hoje para 01 sala comercial de aproximadamente 29metros está em torno de R$ 5.000,00
    (cinco mil reais) ou muito menos atraíram melhorias para essa região na construção de galerias para o escoamento das águas pelo contrário, o setor imobiliário investe na propaganda de atributos como: “um projeto moderno e único, na região apontada como o “Soho de São Paulo”. Salas comerciais de 39 a 900 m². Auditório em área suspensa, Café, Bicicletário, Ecotelhado, Salas com previsão para ar-condicionado e forro, 6 elevadores, Terraço em todas as salas, Sistema de combate a incêndio em todos os andares, Estacionamento rotativo para visitantes”

    Encerro este artigo com algumas provocações:

    Existe alguma medida capaz de fazer a articulação entre os interesses econômicos e os interesses dos moradores das regiões que irão receber um novo empreendimento imobiliário?

    Os chamados stakeholders, ou seja, as partes interessadas foram comunicadas sobre essa articulação imobiliária na região da Vila Leopoldina ?

    Será que no planejamento urbano dessa área está previsto a melhorias das condições do trânsito uma vez que haverá um aumento significativo de pessoas e veículos que irão transitar nessa região?

    Na propaganda que está disponível no site da construtora 0s atributos de marketing chamaram a atenção: ecotelhado e bicletário.

    Ecotelhado – Bela iniciativa, mas gostaria de saber se as questões relacionadas aos alagamentos também serão resolvidos?

    Biciletário – Como pode ter biciletário uma vez que tal empreendimento fica localizado na Avenida Gastão Vidigal que até o momento não possui nenhuma ciclovia?

    Autora: Vivian Aparecida Blaso Souza Soares César, Relações Públicas, Especialista em Sustentabilidade

     
  • 31 maio

    Inhotim lança Jardim Botânico durante Semana de Meio Ambiente 

    Evento faz parte da programação do I Anuário Verde Inhotim

    Para lançar o Jardim Botânico Inhotim e comemorar a Semana do Meio Ambiente 2010, o Instituto Inhotim vai promover, entre os dias 31 de maio e 06 de junho, diversas atividades ambientais que integram a programação do I Anuário Verde Inhotim. “No Ano Internacional da Biodiversidade, o Instituto reforça sua vocação como instrumento fundamental para a educação e a conservação da biodiversidade”, afirma Neila Lopes, diretora de Botânica e Meio Ambiente do Inhotim.

    Com 97 hectares de área de visitação, o Jardim Botânico Inhotim possui um expressivo acervo botânico, com mais de 4 mil espécies de plantas catalogadas e diversas ações científicas, educacionais e conservacionistas em desenvolvimento. O local abriga uma das maiores coleções de palmeiras do mundo, com cerca de 1.500 espécies crescendo nos viveiros e jardins. Também expressiva é a coleção de Araceae, família que inclui de imbés a antúrios e copos-de-leite, com cerca de 500 espécies, a maior coleção viva desta família no hemisfério sul.

    O lançamento do Jardim Botânico Inhotim é um reconhecimento das atividades já desenvolvidas pela instituição como estudos florísticos, educação ambiental, catalogação de novas espécies botânicas, conservação in situ e ex situ e uso paisagístico de espécies raras. “O Jardim botânico Inhotim pretende popularizar as atividades científicas através da educação ambiental e ainda desenvolver novas metodologias transferíveis para recomposição florística de áreas impactadas”, conta Neila.

    Para marcar as atividades da Semana, que comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado em 5 de junho, várias atividades estão sendo programadas como palestras, exposições de projetos ambientais e atrações culturais destinadas a públicos de todas as idades. O encerramento da Semana vai contar com a apresentação do Quarteto de Cordas da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, no dia 06 de junho, domingo, às 11h. O evento faz parte de uma série de Concertos de Câmara que acontece em Inhotim até dezembro deste ano.

    Todas as atividades ambientais desenvolvidas pelo Jardim Botânico durante 2010 serão publicadas no I Anuário Verde Inhotim. Entre elas, a programação completa da Semana de Meio Ambiente, que pode ser conferida abaixo:

    01 a 06 de junho – Exposição Científica e Educativa Banners dos projetos desenvolvidos pelo Jardim Botânico Inhotim e de algumas estrelas botânicas do nosso acervo.
    Local: Centro de Educação e Cultura Burle Marx
    01 a 06 de junho – Exposição da Fundação Ezequiel Dias (FUNED)Apresentação de terrários que contêm aracnídeos e serpentes, mostruários sobre apicultura e as recentes pesquisas desenvolvidas pela Fundação. No local, monitores irão orientar os visitantes sobre doenças tropicais e ações profiláticas.
    Local: ateliê do Centro de Educação e Cultura Burle Marx
    03 a 06 de junho: I Mostra Botânica Exposição de algumas espécies do acervo botânico do Inhotim.
    Local: ateliê do Centro de Educação e Cultura Burle Marx
    31 de maio – Minicurso Trilha Interpretativa
    Horário: 9h30Local: Teatro Inhotim e Reserva NaturalPúblico: Funcionários do Inhotim

    01 de junho – Cinema Ambiental
    Horário: 11h30Local: Teatro InhotimPúblico: Participantes do Programa Escola Integrada Inhotim 02 de junho – Elaboração da Agenda 21 de BrumadinhoHorário: 13hLocal: Teatro InhotimPúblico: Autoridades, lideranças locais e comunidade de Brumadinho
    03, 05 e 06 de junho – Visitas temáticas Conhecendo o Jardim Botânico InhotimHorário: 10h30 e 14h30Local: saída da Recepção

    03 de junho – Palestra Implantação da Rede Mineira de Jardins BotânicosJoão Neves Carvalho de Toledo – Presidente da Fundação Jardim Botânico de Poços de CaldasHorário: 10h30Local: Teatro Inhotim 03 de junho – Palestra Arte, Ciência e Sociedade – uma proposta de gestão para o MHNJB – UFMGMSc Fabrício José Fernandino – Diretor do Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMGHorário: 12h30Local: Teatro Inhotim 03 de junho – Palestra A Convenção da Diversidade Biológica e a Rede Brasileira de Jardins BotânicosDr. Dácio Roberto Matheus – Presidente da Rede Brasileira de Jardins Botânicos e Prof. da UFABCHorário:14h30Local: Teatro Inhotim 04 de junho – Palestra O Jardim Botânico IdealDrª Tânia Sampaio Pereira – Pesquisadora do Instituto de Pesquisa Jardim Botânico do Rio de JaneiroHorário: 10h30Local: Teatro Inhotim 04 de junho – Palestra Criação do Jardim Botânico do Rio de JaneiroProf. Cláudio de Moura Castro – Presidente do Conselho Consultivo do Instituto InhotimHorário: 12h30Local: Teatro Inhotim 04 de junho – Palestra Flora da Canga: conservação ex-situMSc Miriam Pimentel Mendonça – Chefe da Seção de Botânica Aplicada do Jardim Botânico de Belo Horizonte FZB – BHHorário: 14h30Local: Teatro Inhotim 04 de junho – Apresentação Banda São Sebastião Horário: 16hLocal: Centro de Educação e Cultura Burle Marx 04 de junho – Celebração verde Premiação do II Concurso Fotográfico Inhotim Olhares e Confraternização com funcionáriosHorário: 16hLocal: Centro de Educação e Cultura Burle Marx 05 de junho – Apresentação do Coral Juvenil Inhotim Encanto Horário: 9h30Local: Teatro Inhotim 05 de junho – Lançamento do Jardim Botânico Inhotim, com a presença de Harri Lorenzi
    Horário: 10hLocal: Teatro Inhotim 05 de junho – Plantio comemorativo ao Dia Mundial do Meio AmbienteHorário: 15hLocal: Centro de Educação e Cultura Burle Marx 05 de junho – Apresentação Guarda de Moçambique Nossa Senhora do Rosário e Congo de São Benedito do SapéHorário: 16hLocal: Centro de Educação e Cultura Burle Marx 06 de junho – Circuitos Temáticos
    Roteiros especiais conduzidos pela equipe de Educação Ambiental do Jardim Botânico Inhotim
    Circuito “Aves Aquáticas”Horário: 12hLocal: saída da Recepção
    Circuito “O Universo Botânico de Burle Marx”Horário: 14hLocal: saída da Recepção 06 de junho – Apresentação do Quarteto de Cordas da Orquestra Filarmônica de Minas GeraisHorário: 11hLocal: Centro de Educação e Cultura Burle Marx

    INFORMAÇÕES GERAIS

    Horário de visitação
    Quartas, quintas e sextas-feiras, das 9h30 às 16h30
    Sábados, domingos e feriados, das 9h30 às 17h30

    Transporte Saritur
    Saída da Rodoviária de Belo Horizonte às 9h (plataforma F2) e retorno às 16h, aos sábados e domingos.

    Localização
    Inhotim está localizado no município de Brumadinho, a 60 km de Belo Horizonte (aproximadamente 1h15 de viagem). Acesso pelo km 500 da BR-381 – sentido BHSP.

    Entrada
    R$ 16 (Meia-entrada válida para estudantes identificados e maiores de 60 anos). Crianças de até cinco anos não pagam.

    Informações
    http://www.inhotim.org.br
    info@inhotim.org.br
    31 3227 0001 / 31 3571 6638 / 31 3223 8224

    Informações para imprensa
    Isabela Marschner – isabela@inhotim.org.br
    Renata Carneiro – renata.carneiro@inhotim.org.br
    31 3571 0253 / 31 3227 0001
    31 9765 3870

     
  • 28 maio

    BRIGADAS DE RECICLAGEM DE TANG ENGAJAM CONSUMIDORES E JÁ SOMAM MAIS DE 60 MIL PARTICIPANTES NO BRASIL 

    Parceria inédita entre Tang e a empresa TerraCycle quer o envolvimentos dos consumidores
    para transformar materiais que iriam para o lixo

    Maio 2010 – A partir de ações simples no dia a dia, qualquer um pode colaborar com a reciclagem de embalagens de refrescos em pó. Essa é mensagem que a marca Tang, da Kraft Foods Brasil, aborda nessa nova plataforma de comunicação. Por meio de uma parceria com a empresa americana TerraCycle, a marca trouxe as “Brigadas de Reciclagem” para o Brasil há pouco mais de dois meses. E os resultados são surpreendentes: em média, a cada semana, cerca de cinco mil pessoas aderem à campanha e integram as brigadas.

    Hoje, as “Brigadas de Reciclagem de Tang” já somam quase 800 no país, o que significa um total de 27 mil embalagens coletadas e o envolvimento de cerca de 60 mil pessoas voluntariamente. Entre todas as ações similares que a TerraCycle desenvolve ao redor do mundo, os números brasileiros com a Brigada Tang de Reciclagem, tornam – em quantidade de pessoas envolvidas – a maior iniciativa existente da empresa fora dos Estados Unidos.

    De maneira lúdica e divertida, o tema reciclagem na campanha de Tang busca o engajamento das crianças para que elas multipliquem o conhecimento sobre o assunto e levem essa iniciativa para a escola, para a família, para o círculo de amigos. “As crianças são agentes de mudança e têm muito interesse em saber como podem ter hábitos de consumo consciente para ajudar na preservação do planeta. E são elas que acabam engajando os adultos para participar de uma brigada e conseguir resultados práticos”, ressalta o gerente de marketing de Tang, Leonardo Tonini.

    Iniciada ainda em 2009, a campanha “Preparou, Bebeu, Faz”, criada pela Ogilvy & Matter, trouxe temas como reciclagem e a reutilização de materiais para evitar o desperdício. A intenção desse novo posicionamento de Tang é abordar esses conceitos de maneira educativa para os consumidores. Na fase atual da campanha, a marca chama as pessoas à ação, explicando a mecânica das “Brigadas de Reciclagem” por meio da coleta de embalagens de refresco em pó.
    Brigadas de Reciclagem

    Empresas, escolas, condomínios, paróquias, bairros, qualquer grupo que se una para realizar a coleta, e tenha uma pessoa maior de 18 anos como responsável, pode se inscrever no programa como uma “Brigada Tang de Reciclagem”, acessando o site http://www.preparoubebeufaz.com.br. Cada embalagem recolhida vale R$ 0,02 e o valor será destinado a uma instituição que a brigada de consumidores escolher ajudar.

    Além da campanha em TV, Tang desenvolveu uma plataforma digital de relacionamento com os consumidores. No site http://www.preparoubebeufaz.com.br, estão disponíveis os detalhes de como podem ser formadas as brigadas de coleta de embalagens, além de informações sobre os processos desenvolvidos pela TerraCycle.

    Segundo dados Nielsen, o setor brasileiro de refrescos em pó encerrou o ano de 2009 movimentando um total de R$ 1.5 bilhões, que corresponde a um crescimento de 7.2% em valor em relação a 2008. A marca Tang detém a liderança no mercado de refrescos em pó com 30,7% de participação de mercado em valor.

    A empresa

    A Kraft Foods Brasil, subsidiária da Kraft Foods Global Brands, LLC. é a primeira indústria de alimentos nos Estados Unidos e a segunda maior no mundo. Possui quatro fábricas espalhadas pelo território nacional e está construindo mais uma unidade no Estado de Pernambuco. Emprega cerca de sete mil funcionários e registrou, em 2008, faturamento bruto de R$ 4 bilhões. O portfólio da empresa conta com marcas consagradas como os chocolates Lacta, os biscoitos Club Social e Trakinas, os refrescos em pó Tang, Clight e Fresh, as sobremesas e o fermento em pó Royal, a linha de chás Royal Blend e o cream cheese Philadelphia. Em fevereiro de 2010 a Kraft Foods Global, LLC. adquiriu o controle acionário da Cadbury PLC, empresa líder nos mercados de gomas e balas. No Brasil, a empresa possui marcas tradicionais como Trident, Chiclets, Bubbaloo e Halls, empregando cerca de dois mil e quinhentos funcionários e com uma fábrica no interior do Estado de São Paulo.

    Contatos:
    Kraft Foods Brasil –
    Adriana Teixeira
    Publicom Assessoria de Comunicação
    Orleans Costa
    Carolina Miranda

    Telefone: 41 3314-4308
    Telefones: 11 3531-4965/4998/

    E-mail: adriana.teixeira@kraftla.com
    E-mails: ocosta@publicom.com.br
    cmiranda@publicom.com.br

     
  • 28 maio

    FNSHDU Fórum Nacional de Secretários de Habitação e Desenvolvimento Urbano 

    São Paulo, 27 de maio de 2010
    Secretários de Habitação do Sul e Sudeste discutem a política habitacional dos estados
    Entre os temas discutidos no encontro, em Florianópolis, está o atendimento de famílias que moram em áreas de risco e aperfeiçoamentos do Programa “Minha Casa, Minha Vida”
    Representantes de seis estados e diversos municípios das regiões Sul e Sudeste participaram hoje, 27 de maio, em Florianópolis, da segunda reunião regional do Fórum Nacional de Secretários de Habitação e Desenvolvimento Urbano (FNSHDU). Os secretários e presidentes de COHABs apresentaram suas experiências, necessidades e sugestões de cada estado para a criação de uma Agenda Nacional de Habitação. Também discutiram formas para a erradicação de moradias em áreas de risco e sugestões para o aprimoramento dos programas federais de habitação, principalmente o Programa “Minha Casa, Minha Vida”.
    As propostas farão parte da carta que será apresentada na 4ª Conferência das Cidades, em Brasília, em junho, e encaminhada aos Ministérios das Cidades e da Fazenda. O conteúdo do documento será definido após o resultado dos três encontros regionais do Fórum. O primeiro, realizado em Recife, na semana passada, teve a participação de representantes dos estados e municípios do Nordeste; o segundo, de Florianópolis, com os das regiões Sul e Sudeste, e o último, que será organizado em Brasília, no próximo mês, com secretários do Norte e Centro-oeste.
    O presidente do Fórum, Lair Krähenbühl, secretário de Estado da Habitação de São Paulo, destacou a importância das reuniões do FNSHDU para o fortalecimento das políticas regionais de habitação e criação de um Plano Nacional de Habitação. “O Brasil é um país muito grande. Não é possível para construir casas populares sem ouvir os operadores da habitação: as secretarias e as COHABs. Só quem está perto dos problemas locais sabe as suas reais dimensões e as indicações apropriadas para enfrentá-los”, disse. O encontro teve a participação da Associação Brasileira de COHABs e Agentes Públicos de Habitação (ABC) e do Governo de Santa Catarina.
    As sugestões para aperfeiçoar a segunda fase do Programa “Minha Casa, Minha Vida” permearam toda a reunião. Entre os aspectos que podem ser aprimorados no programa, segundo os secretários, presidentes de companhias de habitação e técnicos presentes ao encontro, estão o aumento do teto de investimento do programa em todas as suas modalidades e maior agilidade na aprovação de projetos por parte da Caixa.
    O Fórum reafirmou a necessidade de que o Governo Federal promova um reajuste de 35% no teto dos recursos para a construção de unidades habitacionais nos municípios das regiões metropolitanas e de 25% para os demais. “A maioria dos municípios brasileiros tem uma população entre 20 e 50 mil pessoas. O que o Programa ‘Minha Casa, Minha Vida’ repassa para a construção de moradias nesses municípios é muito pouco. Esses valores precisam estar mais perto da realidade das cidades”, disse a anfitriã do encontro, Maria Darci Mota Beck, diretora presidente da COHAB de Santa Catarina.
    Algumas propostas extraídas de edições anteriores do Fórum já foram incorporadas ao programa federal, como o aumento da parcela de investimentos destinada à população que recebe até três salários mínimos, que era de 40% e passou para 60%, e a inclusão de obras de recuperação de núcleos e assentamentos habitacionais precários.
    As formas de atendimento às populações moradoras de áreas de risco de todo o país e as medidas possíveis de prevenção de acidentes em cada região também foram debatidas. O Fórum defende a criação de um Plano Nacional de Erradicação de Áreas de Risco, que serviria para mapear e planejar a remoção de famílias que se encontram em situação de vulnerabilidade, e um Plano Nacional de Ação e Monitoramento de Áreas Inundáveis, que gerenciaria locais propensos a inundações e alagamentos para alertar a população e governos sobre eventuais desastres.
    O secretário Lair Krähenbühl defendeu a elaboração de cartas geotécnicas para o mapeamento das áreas de risco, segundo ele, o primeiro passo para o planejamento de remoções de famílias em situação de vulnerabilidade. “Antes de começar a trabalhar preventivamente as áreas de risco é preciso saber a situação de cada local, para isso a carta geotécnica é fundamental. No entanto, muitos municípios não têm condições de arcar com essa conta. A participação da União é imprescindível nesse processo”, disse o presidente do Fórum.
    A importância dos encontros do Fórum para algumas autoridades presentes:
    “As reuniões do Fórum de Secretários é a insistência dos agentes de habitação na criação de um plano habitacional nacional realista. Os recursos financeiros estão concentrados no Governo Federal, então precisamos aproximar a União dos Estados para ambos andarem juntos e falarem a mesma língua” – Mauro Brito, presidente da COHAB de Minas Gerais.
    “As vozes das pessoas que pensam habitação encontram eco no encontro. As reuniões são importantíssimas para afinar o discurso e mostrar que os estados e municípios não estão sozinhos. O Fórum é fundamental para o planejamento das políticas de habitação e a interlocução com o Governo Federal” – Romildo R. Santos, engenheiro civil, representante da Secretaria de Estado da Habitação do Rio de Janeiro.
    “No Fórum, temos as maiores lideranças do setor de habitação popular do Brasil. As experiências somadas podem contribuir muito para a elaboração de um Plano Nacional de Habitação mais realista” – Francisco de Assis Spiandorello, secretário de Urbanismo do município de Caxias do Sul.
    “Integrar as questões regionais relacionadas à habitação é um desejo antigo dos operadores do setor. A troca de experiências entre os participantes, o que cada lugar pode levar de exemplo para sua cidade é inestimável, além, claro, do fortalecimento do papel dos estados e municípios perante a União” – Helena Zorzal Nodari, diretora presidente do Instituto de Desenvolvimento Urbano e Habitação do Espírito Santo (IDURB-ES).
    “Está na hora da habitação retomar seu papel de destaque nas políticas nacionais. Para isso, o Fórum é imprescindível no resgate da importância do setor” – Bernadeth Dickow, assesora técnica da Companhia de Habitação do Paraná (COHAPAR).
    Assessoria de imprensa Fones: (11) 2505.2482 (11) 8269.7517 E-mail: imprensa.FNSHDU@gmail.com
     
  • 28 maio

    AmBev lança metas ambientais para 2012 

    Reaproveitar 99% de resíduos, reduzir o consumo de água em 11% e a emissão de CO2 em 10%. Esse é o compromisso assumido pela companhia no Dia Mundial do Meio Ambiente

    São Paulo, Maio de 2010 – Referência de melhores práticas ambientais, a AmBev quer ampliar ainda mais sua atuação nesta área e estipula metas para todas suas fábricas no Brasil e no exterior. O compromisso assumido pela companhia, no Dia Mundial do Meio Ambiente, tem como foco: reduzir ainda mais o consumo de água (11%), a emissão de CO2 (10%) e também reaproveitar quase a totalidade (99%) dos resíduos da produção.

    Desde sua criação, a AmBev tem como uma de suas prioridades o meio ambiente. Uma prova disso é que todas as unidades fabris da empresa possuem metas para reduzir os impactos de sua produção. Estas iniciativas foram padronizadas pelo Sistema de Gestão Ambiental (SGA), existente há 18 anos, e são periodicamente atualizadas para manter o compromisso de melhoria da performance ambiental da companhia.

    Por acreditar que a urgência em proteger o meio ambiente exige uma mobilização e uma conscientização total, a companhia deseja dividir com toda a sociedade suas ações e práticas ambientais. Uma de suas principais iniciativas nesse sentido foi o lançamento em março deste ano do movimento CYAN (http://www.movimentocyan.com.br), uma ampla campanha que convida pessoas, empresas e sociedade a enxergarem o valor da água e passarem a usá-la com parcimônia. Na esteira desse projeto, a companhia lança agora suas metas ambientais.

    Água
    Reduzir o consumo de água usado na produção de bebidas em 11% até 2012

    Em 2004, usava-se em média 4,37 litros de água para produzir 1 litro de cerveja. Ano passado, a companhia conseguiu reduzir esse número para 3,9 litros e economizou 2,4 bilhões de litros de água, o equivalente ao abastecimento de uma cidade com 450 mil habitantes durante um mês.
    Agora, a meta estipulada para 2012 é consumir 3,5 litros de água para cada litro de cerveja produzido. Para isso, só neste ano serão investidos R$ 5,8 milhões em programas de reaproveitamento de água e redução de consumo.

    CO2
    Reduzir a emissão de CO2 em 10% até 2012 (equivale a tirar 100 mil carros das ruas por ano)

    Para atingir essa meta, a companhia diversificou sua matriz energética com adoção de fontes renováveis e colocou em prática projetos de eficiência. Essas iniciativas já proporcionaram a redução de 40% do índice de emissão de CO2 na atmosfera nos últimos cinco anos. A biomassa proveniente de fontes renováveis por sua vez, representou 29% da matriz de geração de energia calorífica em 2009.

    Resíduos
    Aumentar para 99% o índice de reaproveitamento

    A companhia busca constantemente reduzir a quantidade de resíduos sólidos produzidos nas fábricas. O pouco que sobra é reaproveitado como insumo em outros processos. Com isso, a palavra “lixo” foi excluída do vocabulário da AmBev. Desde 2008, 98% de todo subproduto que resulta da fabricação de bebidas é reutilizado. A comercialização desse material resultou em uma receita extra de R$ 72,6 milhões entre 2003 e 2009. A meta para 2010 é conseguir R$ 78 milhões com a iniciativa.

    SOBRE A AMBEV

    Ser a “Melhor Empresa de Bebidas em um Mundo Melhor”. Essa é a missão da AmBev, empresa de capital aberto, sediada em São Paulo, no Brasil, com operações em 14 países da América Latina e no Canadá. Dona de um portfólio de “estrelas” como Antarctica, Brahma, Bohemia, Skol, Original, Stella Artois; os refrigerantes Guaraná Antarctica, Soda, Pepsi e Sukita, além das inovações H2OH! e Guarah!, a AmBev é líder no ranking das cervejarias na América Latina.

    Reconhecida como uma das melhores empresas para se trabalhar, a AmBev tem em seus 40,6 mil funcionários – 26 mil só no Brasil – sua maior fortaleza. Por isso investe continuamente no desenvolvimento e sucesso de sua gente, que é incentivada a se sentir dona da companhia e pensar grande. Pioneira, desenvolve o Programa AmBev de Consumo Responsável há sete anos, fazendo campanhas de conscientização sobre o uso do álcool, norteadas pelas premissas da Organização Mundial da Saúde (OMS).

    Sua reconhecida excelência em gestão gera retorno aos seus acionistas e garante atuação sustentável. Em 2009, a AmBev atingiu volume de vendas de 154,7 milhões de hectolitros de bebidas e receita líquida de R$ 23,1 bilhões. Resultados que traduzem bem o principio de conciliar benefícios ambientais e financeiros.

    Informações para a imprensa
    Máquina Comunicação Corporativa Integrada
    Assessoria Institucional da AmBev
    ambev@maquina.inf.br
    (11) 3147-7414
    (11) 2122-1362

     
  • 27 maio

    Fundação Vanzolini lança certificação AQUA para Arenas e 

    Primeira certificação brasileira para o setor poderá resultar em economias de até 50% no consumo de energia elétrica e de água

    A Fundação Vanzolini está lançando a certificação AQUA para Arenas e Complexos Esportivos Multiuso, concebida a partir do Processo AQUA para edifícios do setor de serviços. Com isso, as obras de construção e reformas de estádios e complexos multiuso no Brasil, com vistas à Copa do Mundo de 2014 e às Olimpíadas de 2016, podem ser adequadas aos critérios de desempenho da Alta Qualidade Ambiental. “Além da redução do impacto ambiental durante a fase de obras, será possível economizar até 50% no consumo de energia elétrica e de água”, explica Luiz Henrique Ferreira, diretor da Inovatech, primeira consultoria AQUA no Brasil. As arenas de futebol, por exemplo, com grandes áreas de cobertura de arquibancadas ou mesmo dos campos, servem como uma imensa área de captação de chuva. “Além da utilização da água de chuva em vasos sanitários, essa água poderá servir para irrigação de gramados, no caso dos estádios, e para lavagem de áreas comuns e quadras no caso de complexos esportivos”, destaca Ferreira.

    “A certificação aborda as mesmas 14 categorias de desempenho do processo, distribuídas em quatro grupos: eco-construção, eco-gestão, conforto e saúde”, explica o professor Manuel Carlos Reis Martins, coordenador executivo do Processo AQUA na Fundação Vanzolini. Na prática, os objetivos de desempenho requerem desses projetos a redução nos impactos ambientais, considerando os materiais utilizados nas obras, o projeto, o processo construtivo, os equipamentos e sistemas, e a fase de uso do empreendimento, com ênfase em economia de água, energia, gestão de resíduos e facilidade de manutenção. Além disso, em todas essas etapas, estes objetivos também requerem o desenvolvimento de condições ideais de conforto e saúde dos usuários, sejam eles atletas, público, dirigentes, jornalistas, administradores, funcionários e todos os demais usuários.

    Por suas características, as arenas e complexos esportivos multiuso necessitam de atenção especial à acessibilidade e segurança, condições apropriadas de deslocamento do público, qualidade dos espaços externos, conforto e condições sanitárias adequadas para os usuários, durabilidade dos materiais e sistemas construtivos, facilidade de manutenção, planejamento da gestão de resíduos, condições de iluminação diurna e noturna adequadas, entre outros requisitos.

    Os benefícios da certificação AQUA para este setor estão baseados em critérios de desempenho avaliados por meio de auditorias presenciais, demonstrando que a arena ou complexo esportivo multiuso realmente foram planejados, projetados e construídos de forma a obter condições ótimas de redução dos impactos ambientais e de consumo de água e energia elétrica, fazendo o melhor aproveitamento dos recursos e promovendo conforto e saúde dos usuários. Além da redução do consumo de água e energia, as economias geradas pela certificação virão também da diminuição dos custos de manutenção e limpeza.

    Sobre a Fundação Vanzolini
    Criada em 1967, as atividades da Fundação Vanzolini estão concentradas nas áreas de Educação Continuada, Certificação, Gestão de Tecnologias aplicadas à Educação e Projetos. Instituição sem fins lucrativos, idealizada e gerida por professores do Departamento de Engenharia da Produção da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, a Fundação Vanzolini tem por objetivo desenvolver e difundir atividades de caráter inovador na área de Engenharia da Produção e Administração de Operações, priorizando seus projetos por critérios de relevância econômica e social e pautando sua atuação pelos atributos da excelência acadêmica, profissional e ética.

    Membro pleno brasileiro da IQNet (The International Certification Network), que responde por mais de 30% das certificações de sistemas de gestão no mundo, a instituição é membro fundador e tem assento no Board da SBAlliance (Sustainable Building Alliance – http://www.sballiance.org), aliança mundial de empresas com preocupações ambientais e interessadas em avaliação e certificação de construções sustentáveis, fundada em Paris, em abril de 2008. Mais detalhes no site: http://www.vanzolini.org.br

    Sobre Inovatech Engenharia
    Criada em 2005 com objetivo de inovar a execução de obras de alto padrão, a Inovatech sempre se destacou por privilegiar o atendimento personalizado aos seus clientes e por promover a integração entre projeto e obra. Em 2007, após participar de uma missão empresarial brasileira à BATIMAT, que teve como objetivo conhecer a fundo os referenciais franceses de certificação, a Inovatech abriu uma nova unidade de negócios: a consultoria para certificação de empreendimentos sustentáveis. Como líder no mercado de consultoria AQUA e uma das idealizadoras do projeto Casa AQUA, a Inovatech busca tornar a sustentabilidade nas construções uma realidade, além de contribuir para a disseminação do conhecimento em construções sustentáveis. Informações no site http://www.inovatech.eng.br

    Informações à imprensa:
    Ateliê de Textos com
    Alzira Hisgail e Anna Karina Spedanieri
    Telefax: (11) 3675.0809
    E-mail: atelie@ateliedetextos.com.br
    http://www.ateliedetextos.com.br

     
  • 20 maio

    2º Workshop Conversa Sustentável 

    Dia 09 de junho, Livraria Cultura, Shopping Bourbom Pompéia, São Paulo,Rua Turiassu, 2100
    “Engajamento de Stakeholders -Desafios da Comunicação para Sustentabilidade”
    Público alvo: Profissionais, Gerentes, consultores, estudantes, empresários, líderes de associações profissionais, fundações, instituições e entidades de classe que desejam incorporar os temas em suas práticas de gestão, sobretudo ligados a sustentabilidade.
    Programação

    14h ás 14h15 – Boas Vindas!

    14h15 ás 15horas – “A importância do engajamento de stakeholders nos desafios da comunicação para a sustentabilidade – ISO 26.000”
    Aron Belinky (a confirmar)

    15h00 ás 15h30 – “ Experiências de Cobertura Jornalística durante a Cop 15”
    Eduardo Pugnali: Pós-graduado pela PUC-SP em Jornalismo Institucional, com formação em administração pela FAAP e jornalismo pela FIAM. Atuou como repórter e editor das revistas Automóvel & Requinte e Automóvel 4×4, além trabalhos freelancer para a revistas Carro e Quatro Rodas. Em comunicação corporativa, atuou como assessor da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, do Grupo Bandeirantes de Rádio e TV e Sun Software. Foi sócio-diretor da Holofote Comunicação cuidando de clientes como Deca, Hotel Unique, Banco Rendimento, Manpower, Gyotoku, e mais 30 clientes, Atualmente, é coordenador de imprensa da Secretaria de Comunicação do Governo do Estado de São Paulo, cuidando de projetos de relacionamento com a mídia regional e internet.

    15h30 ás 16h – “Desafios da Comunicação para Sustentabilidade – Banalização do Conceito: Ameaça ou Oportunidade?”
    Dal Marcondes: É jornalista graduado e especialista em Ciência Ambiental pela Universidade de São Paulo (USP). Especializado em Jornalismo Econômico, com passagens pelas redações das revistas Istoé, Exame, Dirigente Industrial, pelas agências France Presse, Dinheiro Vivo e Agência Estado e pelos jornais DCI, Gazeta Mercantil e O Estado de S. Paulo.É diretor responsável da Envolverde – Revista Digital e presidente do Instituto Envolverde. Editor no Brasil do jornal Terramérica, projeto ligado ao Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e ao Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). É moderador da Rede Brasileira de Jornalismo Ambiental e fundador da Rede Paulista de Jornalistas Ambientais. Membro do GT de Comunicação Ambiental do MMA. Membro do Conselho de Ética do Fórum Amazônia Sustentável. Jornalista Amigo da Infância pela Agência ANDI.Ganhador do Prêmio Ethos de Jornalismo 2006 e 2008 e do Prêmio Pontos de Mídia Livre do Ministério da Cultura.

    16h00 ás 16h30 – Diálogo Sustentável

    16h30 ás 17h00 – “Práticas de Comunicação para Sustentabilidade”
    Vivian Blaso: Mestranda em Ciências Sociais pela PUCSP, MBA: Gestão Estratégica de Marketing – UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais, Disciplina eletiva: Mestrado em Administração “Seminário em Marketing de Serviços” UFMG, Aperfeiçoamento em Gestão Responsável para Sustentabilidade – Fundação Dom Cabral, Graduada em Comunicação Social – Habilitação em Relações Públicas Unicentro Newton Paiva. Atualmente: Diretora da Agência de Relações Públicas Conversa Sustentável, Responsável pela comunicação do CBCS – Conselho Brasileiro da Construção Sustentável. Atuou, mais de 04 anos, como Coord. de Marketing e Sustentabilidade na Cerâmica Gyotoku sendo responsável pela inserção da sustentabilidade na gestão da empresa.

    Inscrições gratuitas! http://www.conversasustentavel.com.br/workshop.htm
    Vagas limitadas!

     
  • 18 maio

    Evento promovido pelo Itaú na semana passada apontou caminhos para incentivar o debate sobre as finanças sustentáveis no Brasil. 

    Com a participação da Professora Graziela Comini, Jornalista Dal Marcondes da Agência Envolverde e o consultor de finanças Mark Lee da Sustainability o evento foi marcado pela relevância de incentivar no Brasil o acesso ao micro crédito para empreendedores que priorizem as inovações em produtos e serviços sustentáveis.

    Hoje a produção de conhecimento científico neste assunto ainda é incipiente e iniciativas como a do Itaú em promover a segunda edição do Prêmio Itaú de Finanças Sustentáveis acaba se tornando um vetor para essa mudança de cultura na sociedade.

    Conforme destacou Dal Marcondes da Agência Envolverde, “Hoje no Brasil existem duas áreas sistêmicas que possuem cobertura da mídia todos os dias: Futebol e Finanças que tratam principalmente de projeções do futuro. Existe uma grande dificuldade de inovar sobre a percepção de valor, ou seja, a mídia ainda persegue sobre finanças sustentáveis com valor nos princípios do Equador, resultados que possam garantir crédito a quem tem condição de pagamento, entretanto, o desafio está na inovação que possa induzir para uma economia mais sustentável no futuro”.

    Na academia, por exemplo, existe um distanciamento entre instituições financeiras e negócios sociais inclusivos, hoje ainda existe um conservadorismo por parte dos bancos que por um lado contribui para que no Brasil a crise não fosse tão arrebatadora como nos demais países do mundo, entretanto, é necessário acreditar que os empreendedores sociais são também indutores da economia e possuem papel importante nessa mudança para finanças mais sustentáveis.

    O grande desafio é proporcionar maior capilaridade para o desenvolvimento Brasileiro.

    Sobre o Prêmio

    Inscrições abertas a partir do dia 01 de junho !

    O Prêmio Itaú de Finanças Sustentáveis é mais uma das ações do Itaú que investe no potencial de grandes idéias e tem o objetivo de estimular a produção de trabalhos acadêmicos e matérias jornalísticas sobre Finanças Sustentáveis.

    A edição 2010 do Prêmio Itaú de Finanças Sustentáveis também traz novidades, como a inclusão das modalidades Graduação, na categoria Trabalhos Acadêmicos, e Mídia Digital (Internet), na categoria Trabalhos Jornalísticos.

    “O conceito de finanças sustentáveis está em construção. Por isso, após a conclusão da primeira edição do Prêmio, no início de 2009, iniciamos um debate interno e com atores da sociedade para redefinir o entendimento do tema e o conceito que consideramos foco do Programa. É um tema que está em constante evolução, mas tenho certeza de que demos um importante passo para a geração de uma rede estruturada de promoção e discussão das finanças sustentáveis na sociedade”, explica Denise Hills, superintendente de Sustentabilidade do Itaú.

    Mais informações acesse: http://www.itaufinancassustentaveis.com.br/
    E-mail: contato@pifs.com.br

     
  • 14 maio

    Canumã 

    Hoje a Canumã é a marca da Local Detecção Eletrônica de Vazamentos, empresa fundada em 2002. Seu sócio fundador atuava no mercado de detecção de vazamentos desde 1994 em um rede de franquias, e foi responsável entre outras coisas, por treinamentos de empresários que viram no modelo de franquias uma oportunidade de negócios. A partir de fevereiro de 2010 a empresa começou atuar com o nome de Canumã, criou novos serviços e hoje a mesma equipe que já atendeu mais de 30 mil clientes no Brasil, usa toda sua experiência na localização e reparos de vazamentos, como uma forma de prevenção e de redução de desperdícios de matérias primas.

    A Canumã é uma empresa especializada na gestão de recursos naturais em edificações residenciais, comerciais e industriais visando à redução, otimização e monitoramento dos consumos de água e ar comprimido que são estratégicos para o desenvolvimento de operações mais sustentáveis dos empreendimentos.

     
  • 14 maio

    Movimento Nossa São Paulo e Instituto Ethos lançam o Fórum Empresarial de Apoio à Cidade de São Paulo 

    O Movimento Nossa São Paulo e o Instituto Ethos lançam no próximo dia 14 de maio o Fórum Empresarial de Apoio à Cidade de São Paulo. Iniciativa liderada pelas duas organizações, o Fórum tem como objetivo sensibilizar, mobilizar e assessorar as empresas para que atuem visando o desenvolvimento justo e sustentável de São Paulo.

    A proposta é que as empresas, de forma organizada, sistêmica e eficiente, empreendam ações e parcerias com outras empresas, organizações sociais, instituições de ensino e pesquisa e o poder público.

    Toda empresa com alguma atividade no município de São Paulo, independentemente do porte ou da área de atuação, pode fazer parte do Fórum Empresarial de Apoio à Cidade de São Paulo. Uma das formas de participar é responder o questionário sobre projetos e ações que as empresas já vêm desenvolvendo e que provocaram melhoria na qualidade de vida da sociedade. As informações vão compor um mapa de iniciativas e parcerias para inspirar novas ações e facilitar possíveis conexões entre elas.

    O questionário e o material resultante desse trabalho estarão disponíveis no site http://www.forumempresarialsp.org.br, a partir do dia 14 de maio. Além do site, será apresentada ainda a campanha publicitária criada voluntariamente pela agência DPZ, com o objetivo de engajar as empresas e difundir a iniciativa.

    E, ainda, será lançada a Campanha Educativa de respeito às vagas exclusivas de estacionamento, uma iniciativa do Grupo Pão de Açúcar e Movimento Nossa São Paulo, em parceria com as organizações Amankay, Centro de Vida Independente Araci Nallin e Laramara. A campanha é um exemplo de ação que envolve empresas e organizações sociais em favor da cidade.

    Serviço:
    14/05, das 11h30 às 13h, no Hotel Transamérica (Av das Nações Unidas, 18.591), em São Paulo – lançamento do Fórum Empresarial de Apoio à Cidade de São Paulo durante a Conferência Internacional do Instituto Ethos. O evento contará com a participação do jornalista André Trigueiro, apresentador do programa “Cidades e Soluções” (Globonews) e da Rádio CBN.

    Sobre o Movimento Nossa São Paulo
    O Movimento Nossa São Paulo nasceu em 2007 com o desafio de repensar a cidade, a partir da participação de todos os segmentos da sociedade, propondo ações capazes de promover o desenvolvimento justo, sustentável além de recuperar os valores éticos e a democracia participativa. Inspirado na bem-sucedida experiência empreendida pela sociedade civil de Bogotá, o Movimento é absolutamente apartidário e inter-religioso, congrega muitas lideranças, mas não tem presidente nem diretoria, é aberto à participação de organizações e empresas, e se constitui e se expande na forma de rede. http://www.nossasaopaulo.org.br

    Informações para a imprensa:
    Luanda Nera (Movimento Nossa São Paulo)
    Tels: 3894-2405 ou 9320-3726
    luanda@isps.org.br

    Mônica Nascimento
    monicanascimento@dotnews.com.brTelefone: 55 (11) 3525-7471http://www.dotnews.com.br

     
c
Compor novo post
j
Próximo post/próximo comentário
k
Post anterior/comentário anterior
r
Responder
e
Editar
o
Mostrar/Ocultar Comentários
t
Ir para o Topo
l
Ir para o login
h
Mostrar / Esconder ajuda
shift + esc
Cancelar