Atualizações de abril 2010 Ativar/desativar aninhamento de comentários | Teclas de atalho

  • 30 abr

    2º Workshop Conversa Sustentável está com as inscrições abertas! 

    A comunicação organizacional quando sistematizada, pode ser considerada como importante ferramenta para o processo de consolidação e posicionamento de uma marca perante seus públicos. A partir da sistematização de um processo comunicacional é possível que a visão, missão e valores de uma organização sejam “legitimadas” pelo seus stakeholders através de sua “adesão pela causa”.Entretanto, hoje, a comunicação em redes assim como o esquema proposto pela globalização causa um altíssimo nível de interdependência entre as pessoas capaz de fazer com que entrem em colapso, “ na aldeia global, só há um barco Bastaria um furo para todos naufragarmos.” Senge, Peter – 2009

    No dia 09 de junho de 2010, (quarta feira) das 14h ás 18horas será realizado na Livraria Cultura do Shopping Bourbon em São Paulo 2º Workshop de Sustentabilidade, promovido pela empresa Conversa Sustentável, este ano o tema do evento será:“Engajamento de Stakeholders – Desafios da Comunicação para Sustentabilidade”.

    Público alvo: Profissionais, Gerentes, consultores, estudantes, empresários, líderes de associações profissionais, fundações, instituições e entidades de classe que desejam incorporar os temas em suas práticas de gestão, sobretudo ligados a sustentabilidade
    O evento será “gratuito” aos participantes e o objetivo é ampliar o conceito na sociedade.

    A edição anterior do evento poderá ser conferida através do site: http://www.conversasustentavel.com.br/workshop.htm


    Serviço

    2º Workshop Conversa Sustentável
    Data: 09/06/10
    Horário: 14h ás 18h
    Local: Rua Turiassu, 2100 – Livraria Cultura, Shopping Bourbom Pompéia, São Paulo
    Realização: Conversa Sustentável
    Apoio: Livraria Cultura
    Mais informações:
    Acesse: http://www.conversasustentavel.com.br/workshop.htm
    Site:inscricao@conversasustentavel.com.br

    Sobre a empresa:

    Conversa Sustentável é uma Agência de Relações Públicas especializada nas áreas de Comunicação Organizacional, Marketing e Sustentabilidade que tem como desafio melhorar a qualidade de vida das pessoas nas empresas e no planeta com ética e responsabilidade socioambiental.

    A empresa surgiu do Blog Conversa Sustentável que hoje tem o reconhecimento de seu público e já possui uma média de 5.000 visitantes únicos que acompanham as iniciativas sustentáveis das empresas, artigos, vídeos e ações de responsabilidade social.

    Vivian Blaso,
    Relações Públicas, Mestranda em Ciências Sociais – PUC SP, Especialista em Gestão Responsável para Sustentabilidade – FDC – Fundação Dom Cabral e Diretora da Agência Conversa Sustentável.

     
  • 27 abr

    Itaú anuncia projetos contemplados no Programa Ecomudança 

    Programa beneficiará ações no Rio de Janeiro, Paraná e Minas Gerais, com foco em reaproveitamento de materiais e recursos naturais

    São Paulo, 27 de abril de 2009 – O Itaú anuncia hoje os projetos contemplados pelo Programa Ecomudança, voltado a organizações sem fins lucrativos que desenvolvam iniciativas com foco em redução de emissão de gases causadores do efeito estufa. Duas das ações selecionadas prevêem a substituição do óleo diesel, utilizado nos barcos de pesca artesanal da Reserva Extrativista da Marinha de Arraial do Cabo, no Rio de Janeiro, e em fornalhas de aquecimento de piche de usina de asfalto, em Curitiba, por alternativas mais sustentáveis. Além disso, entre as ações contempladas existe ainda a proposta de ampliação da capacidade de uma cooperativa de catadores em Minas Gerais.

    As iniciativas são do Centro de Logística e Apoio a Natureza – CLEAN (RJ), Instituto de Pesquisa e Conservação da Natureza Idéia Ambiental (PR) e da Associação dos Catadores de Materiais Recicláveis de Lavras – ACAMAR (MG), respectivamente. Ao total serão investidos R$ 320 mil, entre apoio técnico e financeiro, para viabilizar as iniciativas dos três projetos.

    “Por meio desta ação, o Itaú busca contribuir com o fortalecimento de projetos socioambientais, direcionando parte de taxas de administração de fundos geridos pelo banco para projetos relacionados a mudanças climáticas”, diz Denise Hills, superintendente de Sustentabilidade do Itaú Unibanco.

    O Programa Itaú Ecomudança contou com a inscrição de 62 projetos em todo o país, que foram analisados pelo banco em parceria com o Instituto Ekos Brasil. A escolha ainda passou por um Conselho Consultivo composto por lideranças na área de sustentabilidade. Os critérios utilizados para a escolha se basearam na eficiência de intervenções realizadas sob os temas de eficiência energética, renovável e manejo de resíduos. O valor do repasse de recursos corresponde a 30% da taxa de administração dos fundos Itaú DI Ecomudança ou Itaú RF Ecomudança apurada entre 31 de agosto de 2008 e 31 de agosto de 2009.

    ONGs selecionadas
    A proposta do Centro de Logística e Apoio a Natureza traz como alternativa a substituição do óleo diesel utilizado nos barcos de pesca artesanal da Reserva Extrativista da Marinha de Arraial do Cabo no Rio de Janeiro, por biodiesel (B-100), produzido a partir da reciclagem de 36.000 litros de óleo usado de cozinha. Com essa quantidade seria possível substituir 100% do diesel consumido nos barcos. A iniciativa prevê também a redução de despesas para as famílias dos pescadores e redução das emissões de gases de efeito estufa. Hoje a instituição já recolhe cerca de 4 mil litros de óleo de cozinha usado, que são destinados a fabricação de sabão.

    Já o Instituto Idéia Ambiental apresentou iniciativa para a substituição de óleo diesel por pellets, biomassa vegetal na forma de granulados, em fornalhas de aquecimento de piche de usina de asfalto. Desenvolvido parceria com a Ecoheater, empresa criadora da tecnologia, o sistema a ser empregado pelo projeto queima os resíduos vegetais e é capaz de produzir energia térmica a baixos custos, gerando benefícios ambientais. A ideia surgiu com o objetivo de reduzir os custos de produção dos pellets, com novos processos de secagem e utilização de matéria-prima disponível e mais barata.

    A ACAMAR, cooperativa que tem como finalidade coletar materiais recicláveis, separar e comercializar, propõe a ampliação de sua capacidade de 65 para 100 toneladas mensais. Com o valor doado será possível custear investimentos para aquisição de máquinas como esteira de separação de resíduos, empilhadeira com garra para fardos e prensa enfardadeira, para facilitar suas atividades. Hoje a coleta é feita por três caminhões e uma mini-van, envolvendo 25 famílias e cinco municípios mineiros. Além de plásticos, vidros, papel, são coletados também, por mês, 170 m3 de madeira usada nas indústrias da região, que são transformadas em caixotes, móveis populares ou vendidos à padarias, pizzarias, entre outros estabelecimentos, para serem aproveitadas como lenha.

    Ecomudança
    Lançado em agosto de 2007, o fundo Itaú RF Ecomudança trouxe um diferencial inédito ao mercado: permitir ao investidor aplicar recursos e, ao mesmo tempo, compensar as emissões de gases causadores do efeito estufa. Neste ano foi lançado um novo produto com o mesmo objetivo, o fundo Itaú DI Ecomudança.

    Os fundos foram criados com o objetivo de destinar 30% da sua taxa de administração para o apoio de ações ambientais de organizações não-governamentais que visam a eficiência energética e conseqüente redução da quantidade de CO2 (dióxido de carbono) no ar, principal fator responsável pelo aquecimento global.

    Para auxiliar o investidor interessado em compensar suas emissões de carbono foi desenvolvido um simulador de emissões de CO2. Basta acessar o site do Itaú, http://www.itau.com.br/, selecionar Investimentos e em seguida Fundos e responder a um breve questionário na página dos fundos Itaú DI Ecomudança ou Itaú RF Ecomudança, clicando sobre “Simule suas emissões de CO2”.

    Sustentabilidade no Itaú Unibanco
    Ao longo de sua história, o Itaú procura combinar consistente desempenho financeiro com atitudes que privilegiam a ética, a transparência no relacionamento com clientes, colaboradores, acionistas e comunidade e a competência gerencial, colocando-se a serviço da sociedade na busca conjunta de soluções para os problemas sociais e ambientais. Na visão do Banco, sustentabilidade consiste na manutenção dos negócios, no curto, médio e longo prazos, que permita uma entrega perene de valor às partes interessadas.

    O Itaú é signatário dos Princípios do Equador, conjunto de normas por meio das quais os bancos se comprometem a observar a política social e de meio ambiente da IFC (Internacional Finance Corporation), organismo do Banco Mundial, nas operações de financiamento de projetos. Indo além do estabelecido e com uma política de risco socioambiental específica, os critérios socioambientais já são aplicados no banco a projetos com valor a partir de R$ 5 milhões.

    O Itaú tem também investido em programas de ecoeficiência, iniciados em 2004, com o objetivo de reutilização de água e reciclagem de materiais diversos. Como exemplo, podemos destacar montagem de um modelo único e centralizado de coleta seletiva nos edifícios do banco e a consolidação de um único inventário de emissões de GEEs (gases de efeito estufa).

    Além disso, a Usina Termoelétrica Bandeirantes (Uteb), administrada pelo banco, produz eletricidade para abastecer seis prédios administrativos utilizando energia renovável, a partir do gás bioquímico, gerado e coletado no aterro sanitário Bandeirantes. Só em 2009 foram gerados 107.703 mil créditos de carbono em 2009, que correspondem a 378.964 mil toneladas de carbono não emitidas. Para este ano, a meta é iniciar o abastecimento de mais um pólo administrativo atingindo 60 mil MWH de energia.

    No Brasil, o banco compõe o Dow Jones Sustainability World Index (DJSI World) por dez anos consecutivos e o Índice de Sustentabilidade Empresarial da Bovespa. Em junho de 2009, o Itaú Unibanco recebeu do jornal britânico Financial Times e da International Finance Corporation (IFC) o prêmio Emerging Markets Sustainable Bank of the Year, reconhecimento máximo concedido à instituição financeira mais sustentável dos mercados emergentes, considerando a criação de valor em redução de custos e mitigação de riscos, dentre eles os socioambientais.

    Comunicação Corporativa – Itaú Unibanco
    (11) 5019-8880/8881
    imprensa@itau-unibanco.com.br

     
  • 21 abr

    Que tal ajudar o meio ambiente e de quebra concorrer a prêmios? 

    Olá!
    Que tal ajudar o meio ambiente e de quebra concorrer a prêmios? Em uma parceria com o Camiseteria, a Coca Cola Brasil oferece essa oportunidade.
    A Semana do Otimismo Que Transforma acontece uma vez por ano. Durante essa semana, parte do lucro obtido com a venda dos produtos Coca-Cola Brasil é revertida aos projetos do Instituto Coca-Cola Brasil nas áreas de Meio-Ambiente e Educação.
    Este ano, isso acontece entre 2 e 9/05, e o o valor arrecadado será destinado principalmente aos projetos de recuperação e preservação da água do Instituto Coca-Cola Brasil.
    E pra ajudar a divulgar essa causa, a Coca-Cola Brasil e o Camiseteria criaram o concurso temático “Preservação da água”.
    Briefing:Crie uma estampa com o tema Preservação da água.
    A única restrição é que os grafismos das camisetas não poderão fazer qualquer menção às marcas ou produtos de propriedade da “The Coca-Cola Company” ou de qualquer outra companhia.
    Serviço:
    Concurso Preservação de Águahttp://www.camiseteria.com/extra_29.aspx
    Prazo de envio de estampas:05/abr/10 a 20/mai/10Prêmios para 3 estampas vencedoras:
    R$ 1.200 em dinheiro
    R$ 800 em produtos Camiseteria
     
  • 21 abr

    SOS Mata Atlantica e Instituto Coca-Cola desenvolvem importante projeto pela água 

    Caros amigos,
    Nossa equipe teve a oportunidade de conhecer o projeto Água das Florestas, um trabalho realizado pela ONG SOS Mata Atlântica em parceria com o Instituto Coca-Cola Brasil. O principal objetivo do trabalho piloto é a restauração florestal e sensibilização da comunidade sobre a importância das matas ciliares para o equilíbrio ecológico, sequestro de carbono da atmosfera e principalmente para a produção de água pelos mananciais, através da reconstrução da mata e monitoramento da qualidade das águas em toda a bacia do Ribeirão Piraí, que envolve os municípios de Cabreúva, Jundiaí, Indaiatuba, Itu, Itupeva e Salto.
    O projeto é realizado exclusivamente em propriedades privadas. Começa pela articulação dos ambientalistas que utilizam diversos recursos para conscientização dos proprietários rurais sobre o valor do patrimônio biológico na região de grande potencial hídrico, que também possui longo histórico de conflito pela água, uma vez que parte do abastecimento de água da grande São Paulo e outras cidades do interior, provém daquele local.
    Quando engajado, é estabelecida uma parceria de trinta anos com o proprietário, que alcança o título de “Produtor de Água” e recebe estímulos financeiros, categorizados como recompensa por serviços ambientais prestados à sociedade, como a preservação das águas e seqüestro de carbono pela propriedade, que se torna uma Área de Preservação Permanente (APP) e pode, futuramente, se tornar uma RPPN, (Reserva Particular de Patrimônio Natural), categoria em que ninguém pode fazer nenhum tipo de alteração na mata, nem mesmo o poder público.
    As diretrizes que dão suporte ao projeto em nível público são as legislações ambientais, como o Código Florestal Brasileiro, e tratados relativos ao meio ambiente, como o Protocolo de Kioto, uma vez a propriedade realizará o seqüestro de carbono da atmosfera.
    Iniciado recentemente, diversas fazendas já participam do trabalho, e possuem em média de 10% de sua área destinada à recuperação e preservação permanente. Além dos estímulos financeiros, é possível que as fazendas desenvolvam outros modos de gerar renda com a mata preservada, o Ecoturismo, por exemplo, é uma alternativa, uma vez que aquele espaço não poderá ser mais usado para criação de gado ou plantios com fins comerciais.
    Segundo a coordenadora do projeto, Maria Luiza Ribeiro (a simpática Malu), especialista em recursos hídricos e coordenadora dos projetos da ONG relacionados à água, mesmo existindo Mata Atlântica em outros 17 estados do país, este local foi designado por ser uma bacia hidrográfica pequena, pelo histórico regional de conflito pela água e pela dívida social gerada por estes fatores, desse modo serviria de laboratório para que os profissionais pudessem verificar as possibilidades de recuperação e viabilidade do projeto. A equipe é integrada por diversos profissionais como biólogos, advogados, geógrafos, entre outros.
    Paralelamente, a SOS Mata atlântica possui outros projetos para recuperar as matas ciliares e todo o patrimônio devastado pelo homem, como o Click Arvore e o Florestas do Futuro. Você também pode e deve contribuir com estes nobres trabalhos através do site http://www.sosmataatlantica.org.br
    Além desta parceria com a ONG, O Instituto Coca-Cola Brasil, realiza outras ações, como a Semana Otimismo Que Transforma, que acontece uma vez por ano e cuja parte do lucro obtido com produtos Coca-Cola Brasil é destinada aos projetos do Instituto nas áreas de Meio-ambiente e Educação. Confira em http://www.institutococacola.org.br.
    E se você também quer se expressar sobre a importância da preservação da água, participe do concurso temático realizado pelo Instituto e pela Camiseteria, basta criar uma estampa de camiseta com o tema “preservação de água” e enviar. As melhores estampas ganham prêmios em dinheiro e produtos Camiseteria.
    Para participar acesse: http://www.camiseteria.com/extra_29.aspx . O Prazo de envio de estampas é de 05/04 à 20/05/10.Siga o perfil da campanha em: @semanaotimismo
    Por: Filipe Peçanha tel: 11 8901-4339 / 2031-5340Blog: http://tecitura.wordpress.com/
     
  • 12 abr

    Programa de proteção aos direitos das crianças e adolescentes chega à sua segunda videoconferência em São Paulo 

    A Rede Social São Paulo está auxiliando no trabalho da defesa do direito da infância através do Projeto Aprimoramento do SGDCA (Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente), com três programas de capacitação voltados para profissionais que atuam na defesa dos direitos da infância.
    O programa “Construção de Fundamentos” envolve todos os 645 municípios do Estado e é destinado às pessoas que já atuam ou desejam atuar no Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente. Aqueles que realizarem o programa completo receberão certificado de participação, emitido pela Fundação Instituto de Administração – FIA.
    A primeira das 7 videoconferências foi realizada no dia 26 de março, através de ferramentas de Educação à Distância (EaD), que atingiu as 91 salas da Rede do Saber espalhadas pelo Estado. A segunda videoconferência, que será realizada no dia 14 de abril, das 14h às 17h, contará com a participação do Dr. Flávio Frasseto, que é Defensor Público, Coordenador do Núcleo Especializado da Infância e Juventude da Defensoria Pública de São Paulo, Mestre em Psicologia pela USP e Professor do Mestrado Profissional Adolescente em Conflito com a Lei da UNIBAN-SP. A videoconferência abordará o tema “Marco Legal e o Ecâmetro: ferramenta de diagnóstico participativo”. As inscrições devem ser feitas pelo site http://www.aprimoramentosgdca.org.br até o dia 12 de abril.
    A Rede Social São Paulo oferecerá, também, dois programas específicos para municípios selecionados no Estado. O programa “Construção de Plano Municipal de Ação dos Direitos da Criança e do Adolescente” atingirá 80 cidades e terá como objetivo a elaboração de planos municipais, coordenados pelos Conselhos Municipais de Direitos, com a participação efetiva de outros atores. Já o programa “Comunicação Social como Ferramenta de Fortalecimento do Sistema” destina-se a 160 conselheiros de direitos, mostrando como a comunicação pode ajudar no fortalecimento das relações entre os atores do Sistema de Garantias.
    *O Projeto Aprimoramento do SGDCA é uma iniciativa da Rede Social São Paulo, em parceira com o Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (CONDECA/SP) e com a Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social (SEADS), e sob execução do Centro de Empreendedorismo Social e Administração em Terceiro Setor da Fundação Instituto de Administração (CEATS/FIA)
    Informações para a Imprensa – Mix de Marketing e Comunicação (11) 4133-1500
    Paula Oliveira (11) 9652-4643 – paula@mixdemarketing.com.br
    Fábio Santos (11) 9332-3346 – redacao@mixdemarketing.com.br
    Natália Pellizzon (11) 7626-7188 – atendimento@mixdemarketing.com.br
     
  • 8 abr

    Imperdível! Mário Sérgio Cortella, sábado na livraria Saraiva 

    Caros Amigos,
    No próximo sábado, ás 16horas Mário Sérgio Cortella realizará uma palestra sobre seu livro se Você não existisse que falta faria?
    O livro traz reflexões sobre a vida no contexto atual da nossa sociedade.
    No tema da sustentabilidade o autor retrata sobre a necessidade dos meios de comunicação erotizarem o conceito que hoje está banalizado para despertar o interesse dos jovens em relação as questões relacionadas aos cuidados com a natureza, o autor argumenta sobre a necessidade de criar o sentimento de apego,pois só teremos o interesse em cuidar de algo do qual prezamos e que faça sentido para nossa existência.
    Outro tema como a “sociedade da exposição”, uma comunicação do cá estou, “fale comigo” seja como e onde for – no celular, no SMS, no Orkut, no FaceBook, no Twitter”, também são apontados pelo autor como uma das características da modernidade, “o homem moderno quer viver em voz alta”.
    Sobre o autor: Mário Sérgio Cortella, mestre e doutor em Educação pela PUC-SP é docente, consultor e autor de diversos livros nas áreas de Filosofia, Ciências da Religião, Ética e Responsabilidade Social, Educação e Gestão do Conhecimento.
    Serviço:
    Data:10 de abril
    Horário:16horas
    Local: Livraria Saraiva, Shopping Center Norte – São Paulo
    *Evento gratuito
     
  • 6 abr

    A ECONOMIA DA CONFIANÇA 

    (este artigo encontra-se na comunidade virtual Gestão Responsável e Comprometimento)http://cv.universidade.petrobras.com.br/gcr/
    Oscar Motomura
    Sem ética, não há desenvolvimento econômico. Quando todos confiam, tudo flui, sem análises excessivas e negociações penosas.Há alguns anos entrevistei o economista Jeffrey Sachs, na época em Harvard. O mote de nossa conversa: sem confiança não é possível otimizar a economia de um país. Numa sociedade movida pelo interesse próprio, em que cada um tenta obter o máximo para si, em que tudo é uma questão de troca na base do “toma lá dá cá” e até favor deixa o outro devedor (“Você fica me devendo essa…”), tudo parece contribuir para um clima geral de desconfiança e defensividade. Não seria esse tipo de contexto que acaba gerando a busca de resultados máximos para si a qualquer preço? Não seria isso que gera a corrupção, que, por sua vez, potencializa a desconfiança em relação a tudo e a todos? Não seria assim que se geram resultados, na economia, que representam só uma mera fração do que uma sociedade é capaz de realizar quando prevalece a confiança e todos se empenham pela evolução de todos?
    Costumo provocar os líderes que participam de nossos programas com perguntas sobre o custo da desconfiança: “Vocês têm ideia do ‘custo controle’ em nosso país? E em nossas próprias organizações?”. Estamos tão habituados com os sistemas e controles ao nosso redor que nem sequer reparamos no imenso nonsense que a cultura da desconfiança provoca em nosso modo de vida, nas organizações e na própria sociedade.
    Mas é possível criar sistemas em que tudo aconteça num ambiente de confiança e ética? Esses sistemas sobreviveriam no mundo em que vivemos hoje? Sem dúvida. Veja o caso do Grameen Bank, criado pelo Nobel da Paz Muhammad Yunus. Um banco de Bangladesh que nasceu e cresceu centrado no valor da confiança. Embora se façam ali operações sem documentos, a inadimplência é baixíssima. Isso porque a confiança (depositada pelo banco no cliente de baixa renda) passa a ser o maior ativo do cliente (confiança que lhe assegurará apoio contínuo do banco e de todos os outros agentes da sociedade). Um ativo precioso que a pessoa nunca vai querer perder.
    O Grameen Bank, criado por Muhammad Yunus, Nobel da Paz, cresceu centrado no valor da confiança
    Esse é o caso dos diversos tipos de cooperativas do mundo todo. E também do trabalho em conjunto entre pessoas e organizações que, com o tempo, em função de experiências positivas constantes, desenvolvem uma relação de tal respeito e confiança capazes de viabilizar negócios que seriam simplesmente impossíveis na “economia da desconfiança”. Quando todos confiam, tudo flui, sem análises excessivas e negociações penosas, que não só tiram a agilidade do processo mas também reduzem, muitas vezes de forma drástica, o potencial de resultados de cada oportunidade.
    Até que ponto as recentes turbulências globais indicam a necessidade de revermos nossos sistemas de relacionamento e trabalho em conjunto? Será que num contexto de confiança plena – em que todos trabalhem pelo bem comum – teríamos chegado ao ponto de gerar consistentemente crises econômicas, problemas ambientais, guerras e todo o tipo de violência que testemunhamos em todo o mundo?
     
  • 1 abr

    Concessionária FIAT Autobraz sai na frente com a Certificação Ambiental 

    A Concessionária Fiat Autobraz, localizada em Natal, RN, é a primeira concessionária no Brasil a receber a Certificação Ambiental (Selo Verde) para sua oficina, após auditoria realizada pelo IQA (Instituto da Qualidade Automotiva). Para conquistar esse diferencial, a empresa passou por diversas adequações para tornar seus processos ecologicamente corretos, corroboradas pela visão de processos já existente na empresa, já que a Autobraz possui desde 2009 o certificado IQA em Padrões de Atendimento Fiat, que abrange as áreas de vendas e pós-vendas. “Queríamos inovar e trazer melhorias para a oficina, e a certificação ambiental veio completar as conquistas já obtidas anteriormente”, diz Josué Moreira Campos, gerente de Qualidade da Autobraz. A empresa investiu na construção de um local específico para armazenagem de materiais inflamáveis, com caixa coletora em casos de vazamentos, uma exigência da certificação. “A contenção impede qualquer contato do líquido com o solo, evitando a contaminação também do lençol freático”, explica José Palacio, coordenador de Serviços Automotivos do IQA. Na concessionária, canaletas instaladas no chão conduzem os líquidos para a caixa coletora, o que permite que o material tenha destinação final correta.O piso da área de reparo também foi impermeabilizado e toda água de lavagem do chão e dos veículos, contaminada com graxa, poeira, óleo e outros elementos é direcionada para uma caixa coletora. Com isso, o resíduo é separado antes da água ir para o esgoto.A loja também ampliou a área de separação de resíduos sólidos e orgânicos, para ter controle sobre a coleta seletiva. “Uma das dificuldades hoje das oficinas é entregar os resíduos para empresas que fazem destinação correta do material separado. No caso da Autobraz, a prefeitura de Natal tem um sistema muito eficiente de coleta, separação e destinação adequada”, destaca José Palacio. Para a certificação, a Autobraz teve de adequar, ainda, toda instalação de equipamentos contra incêndio. “A empresa ocupa hoje uma área de 18 mil m2 e em 14 anos de funcionamento passamos por várias reformas, exceto na instalação de incêndio, apesar das frequentes vistorias. Como foi um requisito da certificação, adequamos todo o sistema”, informa o gerente de Qualidade da Autobraz.Redução de custos – A concessionária Fiat também foi orientada sobre a troca dos filtros de teto e chão da cabine de pintura. “Trocávamos o filtro do teto com 500 horas de utilização, mas com a certificação percebemos que a troca pode ser realizada, conforme especificação do fabricante, com mil horas de uso; isso reduz em 50% o custo que tínhamos no processo de troca”, informa Campos. A empresa também espera reduzir custos com energia elétrica com a instalação de sensores de presença em banheiros e ambientes de pouca frequência. Além disso, nomeou responsáveis em checar o desligamento de computadores e ar-condicionado após o expediente. A cultura de preservação do meio ambiente também foi estendida para o escritório, que adotou critério de coleta seletiva. “Coleta seletiva não significa juntar todo o resíduo e mandar para a reciclagem, mas separar o papel do copo de cafezinho”, ressalta o gerente da Autobraz. Ele informa ainda que as lâmpadas fluorescentes, que antes não eram separadas, agora são entregues a empresas especializadas. Inovações – A concessionária ainda adotou ações que eliminam resíduos (embalagens) e economizam materiais, como bomba para abastecimento de óleo que injeta o produto diretamente no motor, o que substitui a compra das tradicionais embalagens de plástico do produto, evita desperdícios e reduz o espaço utilizado com a estocagem das embalagens. “A bomba, similar à de combustível, é abastecida periodicamente pelo fornecedor e, deste modo, não adquirimos o produto no recipiente plástico, evitando o acúmulo de embalagens, o desperdício do produto e possíveis vazamentos no solo, já que a bomba injeta o óleo diretamente no motor”, ressalta o gerente de Qualidade da Autobraz. Outra ação em estudo é a instalação de calhas para recolhimento da água da chuva para ser utilizada na lavagem de peças e do piso da oficina e a implantação de um sistema de energia solar. “A certificação ambiental é muito abrangente, permite que a empresa não só adapte seus processos, mas consiga enxergar melhorias, reduzir impactos ambientais em todas as áreas e ajudar a atender à legislação, concedendo empresa uma imagem positiva perante o mercado”, destaca José Palacio.
     
c
Compor novo post
j
Próximo post/próximo comentário
k
Post anterior/comentário anterior
r
Responder
e
Editar
o
Mostrar/Ocultar Comentários
t
Ir para o Topo
l
Ir para o login
h
Mostrar / Esconder ajuda
shift + esc
Cancelar