Atualizações de outubro 2009 Ativar/desativar aninhamento de comentários | Teclas de atalho

  • 19 out

    Grupo Santander Brasil discute sustentabilidade na construção civil com empresas do setor 

    ■ Fabio C. Barbosa, presidente do Grupo, lidera evento com construtores e incorporadores amanhã (20/10) e incentiva práticas de sustentabilidade

    ■ Setor representa 5,1% do PIB brasileiro e consome 40% da energia mundial

    São Paulo, 19 de outubro – Para discutir e incentivar as práticas de sustentabilidade na construção civil, setor que representa 5,1% do PIB brasileiro (segundo dados IBGE) e consome 40% da energia mundial, o Grupo Santander Brasil promove o evento Obra Sustentável, amanhã (20/10) em São Paulo. O presidente do Grupo, Fabio C. Barbosa, liderará o encontro, que envolverá importantes construtoras e incorporadoras do mercado.
    “Neste cenário de crescimento e aprimoramento tecnológico da construção civil no País, o momento é ideal para discutirmos novas e boas práticas que contribuam para a sustentabilidade, em benefício de todos os envolvidos: dos trabalhadores e empresas do setor, das pessoas que vão morar nestes edifícios e da própria comunidade”, afirma Barbosa. “Somos uma instituição que tem um compromisso com o desenvolvimento sustentável, por isso procuramos promover o engajamento de todos com esta questão, a qual, aliás, a sociedade está bem atenta”, complementa.
    De acordo com Marcelo Takaoka, presidente do Conselho Brasileiro de Construção Sustentável (CBSCO), o setor da construção civil, em especial a área imobiliária, é fundamental para o cumprimento das metas de redução dos gases de efeito estufa (GEE). “O setor é um dos poucos que pode aliar a redução destes gases à diminuição de custos ao longo do ciclo de vida do produto, indicando, ainda, uma oportunidade de negócios para o setor da construção”, afirma Takaoka.
    Baseado em dados da Organização das Nações Unidas (ONU), Takaoka destaca que, ações para melhorar a eficiência energética dos edifícios podem gerar uma redução do consumo de energia superior a 40%. Desta forma, somente o setor da construção pode reduzir em cerca de 20% a emissão de gases de efeito estufa no planeta.

    Obra Sustentável: da eficiência do projeto à qualidade da areia do playground
    Em meados deste ano, o Grupo Santander Brasil começou a ampliar o Programa de Sustentabilidade da Construção Civil, que incentiva práticas por meio de três pilares: o Obra Sustentável, Produtos para Construção Sustentável e o Engajamento do Setor.
    O Programa Obra Sustentável foi lançado em 2007 pelo Banco Real e estendido este ano ao Santander. O objetivo é incentivar o uso de boas práticas nos empreendimentos de forma que eles cumpram determinadas normas sócio-ambientais como, por exemplo, o atendimento à legislação, redução, reutilização e reciclagem de materiais, eficiência energética, conservação dos recursos naturais, melhoria da qualidade de vida dos funcionários e da comunidade etc.
    “O nosso papel é ajudar no processo de conscientização da aplicação das boas práticas do programa, de modo a compartilharmos esta experiência com os nossos clientes”, afirma José Roberto Machado, diretor executivo de Crédito Imobiliário do Grupo Santander Brasil.
    Ele dá um exemplo prático: “a Declaração de Solo Limpo, que exigimos dos incorporadores financiados por nós, que participam do Obra Sustentável ou não, garante que as crianças não sejam eventualmente contaminadas pela areia do playground no futuro, assim como os próprios trabalhadores daquela obra”.
    Atualmente, há três empreendimentos que receberam o merecimento pelo programa: o Ecolife Independência, da Ecoesfera Empreendimentos Sustentáveis, em São Paulo (SP), o Terra Nova Garden Village, da Rodobens Negócios Imobiliários, em São José do Rio Preto (SP) e o Riserva Schiavon, da Goldsztein Cyrela, em Porto Alegre (RS).
    Os três empreendimentos citados apresentam várias boas práticas como, por exemplo, previsão de captação de água de chuva para uso de áreas comuns e irrigação, treinamentos constantes sobre procedimentos para todos os funcionários e “as built” (documento que registra as mudanças do projeto durante a obra). Elas fazem parte do Guia de Boas Práticas na Construção Civil e do Guia de Leis Gerais, manuais que orientam sobre os requisitos de uma construção sustentável e estão disponíveis nos sites http://www.santander.com.br e http://www.bancoreal.com.br.
    “Essas práticas não são iniciativas isoladas e resultam de uma visão de sustentabilidade que permeia todas as áreas das empresas”, observa Machado.
    Para participar do programa o empreendimento que será financiado pelo banco deve ter como pré-condições; que o incorporador tenha respondido o questionário de responsabilidade sócio ambiental; que o empreendimento tenha sua viabilidade técnica e econômica aprovada e que apresente a Declaração de Solo Limpo.
    A partir daí, o empreendimento poderá entrar no programa e receber a placa de merecimento do Obra Sustentável tanto antes do início das obras, após análise do Planejamento e Concepção, quanto durante, com a inclusão da avaliação do canteiro de obras.

    Acessibilidade para todos
    O Grupo Santander Brasil também mantém uma outra iniciativa voltada para sustentabilidade das construções. É a linha de financiamento Reforma para Acessibilidade, primeira linha de financiamento do mercado destinada exclusivamente à reforma de imóveis comerciais urbanos, que envolva obra civil, para que estes estabelecimentos possam atender às normas de acessibilidade para pessoas com necessidades especiais.
    Lançado em agosto, o produto é voltado, por exemplo, para adequação de ambientes, instalação de rampas e elevadores em escritórios, hospitais, instituições de ensino, hotéis, lojas e centro comerciais, entre outros imóveis.
    “O produto contribui para a promoção da inclusão social de diversos públicos com necessidades especiais: funcionários, clientes, fornecedores etc e está alinhado às práticas de negócios para a sustentabilidade do Grupo Santander Brasil”, afirma Nerian Gussoni, superintendente de Negócios Imobiliários da instituição.

    Sobre o Grupo Santander Brasil
    O Grupo Santander Brasil, que reúne os Bancos Santander e Real, em junho de 2009 contava com ativos totais de R$ 315 bilhões, R$ 207 bilhões de captações totais – R$ 121,5 bilhões em depósitos e R$ 85,5 bilhões em fundos de investimentos, mais de 10 milhões de correntistas ativos e uma rede de 3.612 pontos de venda, entre agências e postos de atendimento.

    Sobre o Grupo Santander no mundo
    O Banco Santander (SAN.MC, STD.N) é um Banco comercial com sede na Espanha. No final de 2008, o Santander era o primeiro Banco da zona do euro por valor em bolsa e o terceiro do mundo em lucro. Fundado em 1857, tem € 1,271 bilhão em fundos administrados. Após a aquisição do Sovereign Bancorp dos Estados Unidos, em janeiro, passou a contar com 90 milhões de clientes, mais de 14 mil agências – mais do que qualquer outro banco internacional – e mais de 170 mil funcionários. É o principal grupo financeiro da Espanha e da América Latina, com posições de liderança no Reino Unido e Portugal e conta com uma ampla presença na Europa por meio de sua unidade Santander Consumer Finance. No primeiro semestre de 2009, o Santander registrou um lucro líquido atribuído de € 4,519 bilhões.

    Grupo Santander Brasil
    Relações com a Imprensa
    (11) 3174-6017/2743/8516/6086/2110/8360/5025/8738
    (51) 3287-5582 – Regional Sul
    e-mail: imprensa@santander.com.br

     
    • Beleza Sustentável 03:04 em 6 de novembro de 2009 Link permanente | Faça login para responder

      Na Semana da Mulher, acontece o Evento Beleza Sustentável 2010 no HSBC Brasil em São Paulo, SP.
      Considerado o mais importante Evento de Bem-Estar e Beleza do Brasil, o
      Beleza Sustentável reune empresas, marcas que mais se destacam,
      agências de publicidade e a mídia, e conta com palestrantes renomados,
      especialistas brasileiros, nas áreas de Saúde Física, Mental, Financeira,
      Estética, Plástica e Beleza, Alimentação Saudável, Esportes e Fitness,
      Recursos Humanos, Responsabilidade Sócio-Ambiental, Comunicação e Marketing.

      Apoie. Participe. Inscreva-se :

      http://www.belezasustentavel.com.br

      MSN : belezasustentavel@hotmail.com

  • 17 out

    Money WWF Brasil 

     
  • 17 out

    A Agência Conversa Sustentável prepara exposição Ornare luzes da Amazônia com o apoio do WWF – Brasil 

    A Ornare com o apoio do WWF – Brasil estará promovendo em sua loja durante o Grabiel in Desing uma exposição fotográfica com imagens da Amazônia.

    A exposição – “Ornare Luzes da Amazônia” tem como objetivo incentivar público ao consumo de produtos de origem legal e certificada.
    A Ornare se preocupa com as questões de sustentabilidade e por isso para a fabricação de seus produtos compra apenas madeira com a certificação FSC dessa forma tem como assegurar aos seus consumidores produtos de qualidade e em conformidade com as legislações vigentes. A compra de madeira legal ou certificada traz grandes benefícios para a sociedade e para o planeta como: a preservação das florestas que são importantes para manutenção do clima, desenvolvimento local, e garantia de qualidade ambiental, social e econômica para as gerações futuras. “Quando compramos uma madeira ilegal corremos o risco de incentivar o trabalho escravo e infantil além de informalidade”.

    O que é Madeira Legal e Madeira Certificada?
    A madeira legal é aquela que cumpre os requisitos previstos na lei quanto à documentação. Essa documentação é emitida pelos órgãos ambientais federal ou estaduais e pode vir tanto de manejo florestal como de desmatamento, desde que autorizado pelos órgãos ambientais competentes.
    A madeira certificada é aquela que além de ter a documentação em conformidade com a lei também não degrada o meio ambiente e assegura a manutenção da floresta, incentivando o desenvolvimento econômico e social local das comunidades florestais. Através da exploração racional das florestas há menos perdas e é possível assegurar o desempenho econômico e ambiental garantido condições para as futuras gerações.

    A Amazônia
    “Nenhuma outra mudança no uso do solo gera mais emissões de C02 que a perda das florestas”
    “62% das emissões de CO2 no Brasil são frutos do desmatamento”

    Fonte: WWF- Brasil
    O Estado de São Paulo foi a primeira cidade a aderir ao Programa Cidade Amiga da Amazônia, em 2005. Desde então, as obras públicas na cidade de São Paulo só usam madeira de origem legal. Também, desde 2007, o estado é pioneiro na exigência da comprovação da origem legal da madeira utilizada em móveis fornecidos à Prefeitura. O envolvimento do setor da construção é primordial para incentivar o uso da madeira legal ou certificada, já que o Estado de São Paulo consome 15% da madeira amazônica e, deste total, 70% é utilizada na construção civil.

    Programa Madeira é Legal

    O Programa Madeira é Legal, lançado em março deste ano foi desenvolvido para incentivar o setor da construção civil a consumir somente madeira de origem legal e certificada para a preservação das florestas, essenciais para a vida pelos serviços ambientais que oferecem.
    O programa tem como desafio buscar mecanismos de controle como, por exemplo, a exigência da apresentação do Documento de Origem Florestal (DOF) e incentivo ao uso da madeira certificada nos departamentos de compras do setor público e privada, como as grandes construtoras, para identificar e monitorar a madeira que está sendo comprada – que dever ser de origem legal ou certificada.

    Publicação WWF – Brasil

    Guia Seja Legal: Boas Práticas para manter a madeira ilegal fora de seus negócios, organizado pelo WWF-Brasil. Guia destinado a empresários, consumidores e formuladores de políticas públicas, com orientações para eliminar a ilegalidade na cadeia da madeira, buscando subsídios para que se adote o consumo de produtos com a certificação FSC (Conselho de Manejo Florestal). Mostra os impactos negativos e as implicações sociais, ambientais e econômicas no consumo da madeira ilegal, com dicas para minimizar os riscos de se comprar madeira ilegal.
     
  • 17 out

    ALAMEDA GABRIEL MONTEIRO DA SILVA COMEMORA O ANO INTERNACIONAL DA FIBRA NATURAL 

    Alameda Gabriel Monteiro da Silva comemora o Ano Internacional da Fibra NaturalUm dos endereços mais charmosos e importantes da Decoração na América Latina, a Alameda Gabriel Monteiro da Silva será palco da primeira edição do Gabriel In Design, um movimento que reunirá Design, Arte, Cultura, Decoração e Urbanismo, em comemoração ao Ano Internacional da Fibra Natural (instituído pela FAO/ONU), em prol da divulgação do design criativo e da tecnologia inteligente.Por meio dessa iniciativa, a Associação Alameda Gabriel insere a cidade de São Paulo entre as 25 principais cidades do Design no mundo. Com clusters, produtos personalizados e um background de serviços gerais, a Alameda representa com distinção a bandeira da economia criativa no Brasil, voltando-se para consumidores que buscam a excelência de marcas in design: um boulevard ao ar livre, no quadrilátero do luxo e premium, que liga a Av. Brig. Faria Lima e a Rua Oscar Freire.Para o Gabriel In Design foram programadas diversas atividades, como debates, roleplayings, painéis, exposições e lançamentos, que farão a Alameda Gabriel funcionar inclusive nos finais de semana.
    A programação deverá atrair empresários e profissionais do setor de criação, formadores de opinião e paulistas de todo o Brasil (pessoas on top), que se encontram nos Jardins. A participação ativa e interativa dos estabelecimentos assegura a consolidação da Alameda Gabriel como core business do design de interiores e exteriores.
    As exposições internas e externas das lojas são apenas um exemplo de ação em que o público será convidado a apreciar não só os lançamentos das empresas, assim como sua inserção em um contexto criativo da questão da fibra natural, da tecnologia inteligente e da excelência de formas e cores assinado por renomados profissionais.
    A iniciativa caminha em paralelo com o projeto de “requalificação ambiental e cultural” da Alameda Gabriel, com calçadas e estacionamentos voltados para a acessibilidade, reforma do mobiliário urbano e redesenho paisagístico.
    O aperfeiçoamento de questões relativas à segurança e iluminação da Alameda também será contemplado pelo projeto que foi elaborado pelo Prof. Dr. Bruno Padovano, Coordenador Científico do Núcleo de Pesquisa em Tecnologia da Arquitetura e Urbanismo da USP (NUTAU-USP) e traz para o olhar urbano a importância das calçadas como referência da arte e do design no caminhar pela cidade.O cronograma de atividades começa no dia 10 de novembro com uma cerimônia de abertura que contará com a presença de autoridades políticas, profissionais do setor e convidados especiais. Logo depois será promovido um passeio pela Alameda Gabriel, indicando as mudanças que a requalificação da via deve trazer.No lançamento do projeto, dia 10 de novembro, acontece a abertura no Espaço Cultural Tecnofeal da “Expo Ano Internacional da Fibra Natural”.
    A programação conta ainda com um ato pela preservação da natureza protagonizado por alunos do Colégio Madre Alix e uma apresentação do Grupo Cultural Tribo Bakongo Kingoma – vinculado ao Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), simbolizando os povos de todas as raças que se encontram em São Paulo.Integram esta iniciativa fortes corporações privadas dos setores criativos e importantes instituições públicas, como o Governo e a Prefeitura de São Paulo, a USP Leste e órgãos ligados à ONU.
    LOJAS QUE ADERIRAM AO PROJETO
    AlberflexAmsterdan Mármores e GranitosArmando CerelloArte PrópriaArthur DecorAutoreB2 Comércio de Arte para DecoraçãoBali ExpressBontempoBrentwoodBreton ActualBy KamyCasa Fortaleza VitrineCelina DiasCia do MármoreClaridge HouseCollectania MisuraEmme InterioresCopelDominiciDpotElgin S/A – Elgin CuisineEspaço TILEurocentroFavo MóveisFirma CasaFlexiv Escritório de SucessoHits Kids”n”TeensInterbagnoItaarteJo Slaviero & Guedes Galeria de ArteLa Lampe Larmod LuminiMadeira BonitaMaison Des CavesMega Têxtil – Safira SedasMekal Metalúrgica KadowMétodo de Aperfeiçoamento PessoalOrnare Phenicia Portobello ShopQuartos & EtcRecesa Pisos & AzulejosReebok Fitness EquipmentRegatta Tecidos EspeciaisSaccaro MóveisSegatto MóveisSenparSpicy Alameda GabrielSta Mônica Tecnofeal Tora BrasilTrousseauVermeil Móveis
     
  • 8 out

    Compras Sustentáveis 

    Onde encontrar produtos sustentáveis?
    “O Catálogo Sustentável armazena informações sobre produtos e serviços avaliados a partir de critérios de sustentabilidade e selecionados pela equipe de especialistas do Centro de Estudos em Sustentabilidade da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (GVces). Aqui você encontrará informações sobre as características técnicas, os aspectos de sustentabilidade, as certificações e os fornecedores dos produtos e serviços selecionados”. http://www.catalogosustentavel.com.br/
    C&C Casa e Construção – Nova Loja Tietê
    Nova Loja Tietê, foi projetada para ser uma edificação com alto desempenho ambiental, devendo impactar pouco ao meio ambiente, propiciando boas condições de conforto e salubridade para seus clientes, funcionários e parceiros.

    Os produtos foram classificados em três categorias: Eco produtos, Eco eficiêntes e Eco sociais.
    Eco produtos ou produtos Ecológicos
    Produto ecológico é todo artigo que, artesanal, manufaturado ou industrializado, seja não-poluente, não-tóxico, notadamente benéfico ao meio ambiente e à saúde, contribuindo para o desenvolvimento de um modelo econômico e social sustentável.
    Produtos Eco-eficientes
    São produtos que, sem ser ecológicos, são a alternativa menos impactantes sobre o meio ambiente, em comparação com similares convencionais.O termo eco-eficiência significa, de uma forma simplista, “produzir mais com menos” (energia, emissão de poluentes, matérias-primas etc.)
    Produtos Eco-sociais
    São aqueles produzidos segundo a filosofia do Fairtrade (Comércio Justo).
    Consiste, basicamente, em prestar apoio a produtores e trabalhadores que se encontrem em desvantagem comercial.
    (pessoas em situação de risco ou em estado (potencial ou de fato) de marginalização, tais como jovens em situação de risco (drogas e/ou moradores em comunidades carentes); egressos do sistema prisional; comunidades rurais situadas em localidades sem base ou estrutura econômica.
    No dia 24 de outubro será realizada uma palestra gratuita sobre sustentabilidade inscrições acesse: http://www.cec.com.br/Ecommerce/Cursos/DetalheCursos.aspx?idCurso=493&idLoja=0

     
  • 8 out

    Educação Financeira para Crianças 

     
  • 3 out

    A História de todas as coisas 

     
  • 3 out

    Chegou a hora de decidir: Mudar ou ficar na mesma 

    Estamos vivendo uma época bastante estranha. Muitas pessoas sentem desânimo, frustração e não encontram muito significado em alguns acontecimentos do mundo. Outras sentem uma diminuição de energia e até mesmo da saúde. O que está acontecendo?

    Não dá mais par fazer de conta que não está acontecendo nada. Até mesmo o planeta está mostrando mudanças sérias na sua natureza e, consequentemente, vai nos obrigar a mudar a forma de como entendemos a palavra “evolução”. Na verdade, a Terra está se preparando pra uma nova forma, ou melhor, uma nova freqüência. E o que é exatamente isso? Nada mais é que um novo estilo de vida que nos obrigará a sermos mais cooperativos. Ou mais amorosos, que significa praticamente a mesma coisa.

    A escolha é simples: vou continuar sendo mais materialista ou mais espiritual?

    Chegou a hora de decidir. Pequenas mudanças vão começar a acontecer para estimular essa decisão, motivando as massas a escolherem um novo tipo de vida. Pense um pouco no sistema monetário de hoje, que privilegia a muito poucos. Você já deve saber, por exemplo, que o poder do dinheiro está nas mãos dos banqueiros. Nos últimos 10 anos, muitas pessoas começaram a descobrir que isso tudo está errado. Foi aí que muitos quiseram literalmente sair do sistema, o que visualizamos no movimento hippie.

    Os valores atuais, baseados somente no lucro, vão mudar. Mas a mudança só ocorrerá quando uma grande quantidade de pessoas despertar.

    Por isso a importância -agora-, da decisão.

    É difícil reclamar de tudo isso. Mas é mais difícil ainda criar um novo sistema.
    Entretanto, se você se conectar com a sua consciência superior (coração), pode perfeitamente viver a sua vida de acordo com o que acredita que é certo. Se emprestar dinheiro, pense na real importância de cobrar juros. Algumas pessoas cobram juros de seus próprios amigos! De qualquer forma, não deixe que o mundo mude você. Você também não precisa mudar o mundo. Você não precisa de sucesso. Precisa ser fiel a você mesmo. Fiel a quem você é. E não ser um robô do sistema. Faça o que seu coração manda. Seja fiel ao amor.

    Nesse ponto fica uma pergunta: qual a diferença entre ilusão e realidade?
    Se você não experimentar amor, você experimenta a ilusão.

    A vida não é complicada. A mente é que complica tudo. Por isso é preciso aprender a equilibrar as energias. Primeiro, lembre-se que quando você tem consciência o tempo todo de como você se expressa, há equilíbrio. Se ninguém resistir á você, ou seja, se você expressa luz, há impacto em todos ao seu redor. Se você encontrar alguém com pouco entendimento, diminua um pouco a sua luz para não assustar o outro. É preciso eliminar a mania que muitos têm de viver em competição. Permita que as coisas venham para você como elas são, assim você equilibra naturalmente as suas energias. Permita que as pessoas sejam como elas são. Cada momento é novo. E durante esse momento nós precisamos ficar sensíveis e sem vontade de controlar.

    É preciso definir melhor o que você quer da vida. É preciso mais foco.
    A propósito, os relacionamentos são chaves para o despertar.
    E -para terminar-, anote: sem confiança não há luz. Sem luz, não há vida.

    Robert Happé
    Autor do livro “Consciência é a resposta”
    http://www.roberthappe.net

     
    • antonio 00:36 em 15 de outubro de 2009 Link permanente | Faça login para responder

      Olá, Vivian:

      Achei interessante seu Blog e resolvi “dar pitaco”; e estrearei minha participação aqui comentando o artigo do Sr. Robert Happé.
      Não foi este o meu primeiro contato com o pensamento do Sr. Happé; há algum tempo recebi um e-mail contendo um link para uma entrevista com este. . . bem, com este cidadão que é uma mistura de filósofo, místico e humanista.
      Não me lembro do conteúdo exato da entrevista. . . mas ambos, vídeo e artigo, tem o mesmo objetivo principal: “colorir” a “natureza humana”. Ora, talvez existam neste nosso mundo bem poucas tarefas mais vãs do que esta. . .
      Mas, como todo bom humanista, o Sr. Happé ilude-se e sonha. . .
      É. . . bem escreveu Fernando Pessoa: “como é difícil ter olhos apenas para ver”

  • 1 out

    Comunicação na Aldeia Global 

    A comunicação organizacional quando sistematizada, pode ser considerada como importante ferramenta para o processo de consolidação e posicionamento de uma marca perante seus públicos. A partir da sistematização de um processo comunicacional é possível que a visão, missão e valores de uma organização sejam “legitimadas” pelo seus stakeholders através de sua “adesão pela causa”. Entretanto, hoje, a comunicação em redes assim como o esquema proposto pela globalização causa um altíssimo nível de interdependência entre as pessoas capaz de fazer com que entrem em colapso, “ na aldeia global, só há um barco Bastaria um furo para todos naufragarmos.” Dessa forma, cada vez mais se torna relevante para organizações de todos os tipos que a comunicação seja organizada e transmitida aos receptores com clareza,precisão e alcance. No processo de comunicação para sustentabilidade é fundamental que os públicos sejam envolvidos na hora de comunicar, será necessário, por exemplo que representantes das “tribos” sejam convidados a fazer parte das reuniões de planejamento e que as intenções sejam colocadas com clareza. Em nosso novo projeto que no momento está sendo elaborado pretendemos adequar a linguagem para conversarmos com crianças e jovens. Por enquanto a lição que tenho tirado dessa descoberta é que o diálogo com todas as partes interessadas é absolutamente necessária e que não basta ter uma boa intenção é preciso enganjá-las.
    Dica de Leitura – Guia de Comunicação e Sustentabilidade lançado pelo CEBDS em 2009.
    Autora: Vivian Aparecida Blaso Souza Soares César, Relações Públicas, especialista em Sustentabilidade.
     
c
Compor novo post
j
Próximo post/próximo comentário
k
Post anterior/comentário anterior
r
Responder
e
Editar
o
Mostrar/Ocultar Comentários
t
Ir para o Topo
l
Ir para o login
h
Mostrar / Esconder ajuda
shift + esc
Cancelar